Esse Estranho Capitalismo Virtual

A indústria de Tecnologia, Informação e Comunicação (TIC) têm uma questão interessante, e os economistas profissionais aparentemente não gostam de falar sobre ela.

Imagem: Pexels

Em praticamente todos os setores da economia o preço de um bem sobe mais rápido do que sua utilidade, um fenômeno intrinsecamente “inflacionário”. Portanto, há pouco sentido em adiar uma compra – logo, compre um apartamento ou casa o mais cedo possível.

Agora considere os computadores, um item cujo desempenho (utilidade) historicamente dobrou a cada 18 meses, segundo a progressão conhecida como Lei de Moore. No entanto, o preço deles em moeda fiduciária permaneceu relativamente estável. Ou seja, R$ 1.500 sempre deram acesso a um moderno laptop para consumo ou negócios, ano após ano.

Enquanto isso, a maioria das outras coisas sofria com uma inflação da moeda fiduciária de cerca de 3% ao ano. Portanto, depois de uma década, o que custava $100 agora fora reajustado para ~ $134. Note que com a economia pagando, na melhor das hipóteses, cerca de 2% de rendimento, você só teria ~ $125 guardados na poupança nesse mesmo período.

Assim, quando você quisesse comprar um laptop de ponta, seus $ 1.500 no banco, depois de uma década, teriam chegado a $1.875 ($375 a mais). Contudo, o computador seria 100 vezes mais poderoso. Do ponto de vista econômico, isso representa uma deflação muito séria e muito prejudicial. Portanto, pelas normas da economia clássica, a industria de ITC não deveria existir – nem qualquer outra indústria de eletrônicos de consumo.

O capitalismo virtual

Esse problema estava se espalhando para o mercado automotivo, devido à eletrônica embarcada, o que estava se mostrando prejudicial de várias maneiras.

No entanto, e esse é o novo fenômeno, alguns fabricantes automotivos agora não mais “vendem” carros aos consumidores. Em em vez disso eles agora usam expressões como “buy back” ou “trade up“- uma espécie de leasing rebatizado. Em essência, fazem você pagar uma taxa de uso mensal indefinidamente. Eles apenas te dão outro carro, com cada vez mais componentes eletrônicos, a cada três anos – o que ainda é efetivamente deflacionário pelas regras dos economistas clássicos.

Alguns fabricantes de carros de ponta nem tentam esconder o fato de que os seus produtos vêm com todos os recursos possíveis já embutidos – só que desativados. Se você pagar um pouco a mais a cada mês, eles vão permitir que você os use, bastando apenas uma atualização remota do cṍdigo.

Você não é proprietário legítimo do carro [arrisco dizer que, nessas condições, dar certos comandos de voz em tons mais ríspidos poderia trazer apuros jurídicos].

Além disso, como reza o contrato [que você talvez não tenha lido], você precisa também dar a eles a sua alma, em forma de um dilúvio de informações pessoais.

Um sabor de mercantilismo

As velhas regras da economia estão se tornando menos relevantes à medida que somos forçados a uma economia rentista da qual não se pode escapar. Veja assim o futuro próximo: perca sua renda por algum motivo e eles, remotamente, desligam tudo o que você achava que possuía. Mesmo assim todas as coisas ao seu redor ainda vão continuar a espionar você minuto a minuto, dia a dia – porque para se desconectar é preciso usar uma das funcionalidades que eles desativaram remotamente. Nada como a proverbial “liberdade capitalista”.

De qualquer forma, em um futuro próximo certamente haverá alguma cláusula legal para fazer você pagar um montante adicional para ser excluído da vigilância.

Pelo que me disseram, as telecoms americanas chegaram muito perto desse modelo, ou de algo que serviria de trampolim para ele. O usuário pagaria pelo plano de conectividade – em oposição a um modelo grátis baseado em anúncios – mas mesmo assim as empresas o espionariam e venderiam os dados coletados.

Se você quisesse o plano “sem vigilância”, a ideia era que você teria que pagar mais, com todos os tipos de outros penduricalhos, etc., totalizando algo como $30/mês a mais – eles ainda iriam espionar e coletar dados, mas não “vendê-los” enquanto você continuasse a pagar o “resgate” [como em um sequestro].

Não ficou claro o que eles queriam dizer com “não vender” e não havia garantia de que eles não venderiam todos os seus dados privados em uma data posterior – aparentemente alguém decidiu que o mercado ainda não estava pronto para essa opção, “ainda”.

Post scriptum

O capitalismo tem perdido também outras dimensões. Acabamos de ver aqui como o capitalismo está rapidamente se dissociando da ideia de “propriedade”.

Mas nem é preciso uma análise atenta para ver que o conceito de concorrência está sendo pulverizado por monopólios cada vez mais poderosos. Noções mais abstratas e difusas, como virtude, pudor, modéstia e mérito, tão sagradas à clássica moral capitalista protestante, já foram extintas pela brutal economia da atenção e pelo imediatismo narcisista das redes sociais, em que é possível encontrar completos imbecis a fazer fortunas da noite para o dia, e a ditar o ethos da época [o que alguns chamam de zeitgeist].

Eticamente, o capitalismo está em frangalhos, desta vez muito mais do que esteve em qualquer período da história, e a marcha de sua insensatez parece apenas se acelerar. O capitalismo se parece cada vez mais com o seus antecessores primitivos, o feudalismo e o mercantilismo. A social-democracia de tempos atrás, praticamente extinta, me parece agora um regime muito mais sofisticado e justo – e em 1989 parecia, de fato, ter vencido a História.

Realmente, só se dá valor ao que se perde.

Congresso Americano também Ameaça a Privacidade de Apps de Mensagens

Depois do Reino Unido, agora os legisladores americanos também começam a buscar meios para reprimir o uso da criptografia ponto a ponto. Nos dois lados do Atlântico, a mentira, a ignorância e a mistificação desinformam esse debate de importância vital.

Imagem: Pexels

Em um artigo perturbador publicado ontem (3/2), a Eletronic Frontier Foundation [uma das principais instituições civis dedicadas à privacidade e segurança digitais em todo o mundo] dá conta de que um grupo de legisladores liderados pelo senador Richard Blumenthal (D-CT) e pelo senador Lindsey Graham (R-SC) reintroduziu o EARN IT Act, um projeto incrivelmente impopular de 2020 que havia sido descartado diante de uma oposição esmagadora.

Escreve a EFF: sejamos claros, o EARN IT Act abriria o caminho para um novo e massivo sistema de vigilância, administrado por empresas privadas, que reverteria, em todo o mundo, alguns dos recursos de privacidade e segurança mais importantes da tecnologia. É uma estrutura montada para atores privados revistarem todas as mensagens enviadas online e relatarem supostas infrações às autoridades. E isso não é tudo. O EARN IT Act pode vir a garantir que qualquer coisa hospedada online — backups, sites, fotos na nuvem e muito mais — seja verificada por terceiros a serviço do estado.

Novas regras da Internet, do Alasca à Florida

O projeto de lei autoriza todos os estados ou territórios dos EUA a criar novas e abrangentes regulamentações da Internet, eliminando as proteções legais críticas para sites e aplicativos que atualmente impedem a farra da bisbilhotagem – especificamente a Seção 230 da Lei de Decência nas Comunicações – Communications Decency Act]. Os estados poderão aprovar qualquer tipo de lei que lhes aprouver para responsabilizar empresas privadas, que de alguma forma [real ou imaginária] estejam envolvidas no abuso infantil online.

O objetivo é fazer com que os estados aprovem leis que punam as empresas por implantarem criptografia de ponta a ponta ou oferecerem qualquer tipo de serviços criptografados. Isso inclui serviços de mensagens como WhatsApp, Signal e iMessage, bem como provedores de hospedagem na web como Amazon Web Services.

Sabemos que a EARN IT visa difundir o uso de ferramentas de varredura indiscriminada em bancos de dados da Internet apenas porque os patrocinadores do projeto de lei anunciaram. Em um documento chamado de “Mitos e Fatos”, os proponentes chegam ao detalhe de até nomear um software específico que deveria ser aprovado pelo governo para essa missão: o PhotoDNA, um programa da Microsoft [portanto de código proprietário] com uma API que se reporta diretamente às instituições policiais.

O documento também ataca a Amazon por não escanear o seu conteúdo adequadamente. Como a Amazon é o lar da Amazon Web Services, que hospeda um grande número de sites, isso implica que o objetivo do projeto é garantir que qualquer coisa hospedada online seja digitalizada.

Imagem: Pexels

Separadamente, o projeto de lei cria uma comissão federal [dominada por instituições policiais] de 19 pessoas, que estabelecerá as “melhores práticas voluntárias” para atacar o problema do abuso infantil online. Independentemente de as legislaturas estaduais seguirem a liderança dessa comissão, sabemos onde o caminho terminará. Os provedores de serviços online, mesmo os menores, serão obrigados a escanear o conteúdo do usuário, com software aprovado pelo governo, como o PhotoDNA.

Se os apoiadores da EARN IT conseguirem fazer a varredura de grandes plataformas como Cloudflare e Amazon Web Services, talvez nem precisem obrigar sites menores – o governo já terá acesso aos dados do usuário dessas plataformas, usando ferramentas fornecidas pelas próprias plataformas.

Uma disposição do projeto, que tenta pateticamente proteger os serviços que usam criptografia [em sua Seção 5, página 16] fica muito aquém do que seria necessário. Promotores estaduais ou advogados particulares ainda teriam o poder de arrastar um provedor de serviços ao tribunal sob a acusação de que seus usuários cometeram crimes, e então usar o fato de que o serviço disponibilizou a criptografia como agravante – uma estratégia especificamente permitida pela EARN IT.

É difícil imaginar um provedor de serviços online se atrevendo a usar essa brecha no dispositivo. Tudo indica que, em vez disso, eles simplesmente farão o que os patrocinadores do projeto estão exigindo – violar a criptografia de ponta a ponta e usar o software de digitalização aprovado pelo governo. Igualmente ruim, os provedores de serviços como backup e armazenamento em nuvem – que normalmente não oferecem criptografia, ficarão ainda menos propensos a introduzir novos recursos de segurança para proteger seus usuários, porque correm o risco de serem responsabilizados criminalmente pela EARN IT.

Muita digitalização, pouca proteção

Os senadores que apoiam o EARN IT Act dizem que precisam de novas ferramentas para processar casos referentes a material de abuso sexual infantil [ou CSAM – Child Sexual Abuse Material]. Mas os métodos propostos pela EARN IT na verdade ameaçam a segurança e privacidade de tudo o que está hospedado na Internet.

Possuir, visualizar ou distribuir CSAM já está inscrito na lei como um crime extremamente grave, com um amplo quadro de leis existentes que buscam erradicá-lo. Os provedores de serviços online que tenham conhecimento real de uma violação aparente ou iminente das leis atuais em torno do CSAM são obrigados a fazer um relatório ao Centro Nacional para Crianças Desaparecidas e Exploradas (NCMEC), uma entidade governamental que encaminha relatórios para agências de repressão ao crime.

A referida Seção 230 já não protege os provedores de serviços online de processos por CSAM – na verdade, ela não protege os serviços online de processos sob nenhuma lei criminal federal.

Imagem: Pexels

As empresas de Internet atualmente já estão obrigadas a denunciar as suspeitas de CSAM que elas encontrarem em suas redes – e têm denunciado em grande escala. E os erros também têm se manifestado em igualmente larga escala. Em particular, as novas técnicas de varredura usadas pelo Facebook produziram milhões de relatórios para as autoridades, a maioria deles imprecisos.

A aplicação da lei federal fez uso do grande número de relatórios produzidos por essa varredura de baixa qualidade para sugerir que houve um grande aumento nas imagens CSAM. Então, armados com estatísticas enganosas, os mesmos grupos fazem novas demandas para quebrar a criptografia ou, como no EARN IT, responsabilizar as empresas que não verificarem o conteúdo dos usuários.

Os especialistas independentes em proteção infantil não estão a pedir que os sistemas leiam as mensagens privadas dos usuários. Em vez disso, eles reconhecem que as crianças – principalmente crianças em vulnerabilidade – precisam de mensagens criptografadas e privadas tanto quanto, se não mais, do que o resto de nós. Ninguém, incluindo os mais vulneráveis ​​entre nós, pode ter privacidade ou segurança online sem criptografia forte.

Os senadores que apoiam o projeto de lei disseram que seus planos de vigilância em massa são de alguma forma magicamente compatíveis com a criptografia de ponta a ponta. Essa informação é completamente falsa, não importando se é chamada de “varredura do lado do cliente” ou alguma outra nova frase enganosa.

O EARN IT Act não visa a Big Tech. Ele tem como alvo todos nós, os usuários individuais da Internet, tratando-nos a todos como criminosos em potencial que merecem ter cada mensagem, fotografia e documento digitalizados e comparados com um banco de dados do governo.

Como a vigilância direta do governo seria flagrantemente inconstitucional e certamente provocaria indignação pública, a EARN IT usa empresas de tecnologia – das maiores às menores – como suas ferramentas. A estratégia é fazer com que as empresas privadas façam o trabalho sujo da vigilância em massa. Essa é a mesma tática que o governo dos EUA usou no ano passado, quando as agências de aplicação da lei tentaram convencer a Apple a subverter sua própria criptografia e digitalizar as fotos dos usuários – esse plano estagnou após uma oposição esmagadora.

É a mesma estratégia que a polícia do Reino Unido está usando para convencer o público britânico a desistir de sua privacidade [como comentamos aqui no blog na semana passada], tendo gasto dinheiro público em uma campanha publicitária risível na tentativa de demonizar as empresas que usam criptografia.

Não vacilaremos em nosso apoio à privacidade e segurança para todos, bem como às ferramentas de criptografia que suportam esses valores. Esse projeto de lei pode ser votado pelo Comitê Judiciário do Senado em apenas alguns dias. Dissemos ao Senado dos EUA que não vamos recuar em nossa oposição à EARN IT.

Precisamos que você fale também.

Por Joe Mullin [adaptado] | Eletronic Frontier Foundation – Licença Creative Commons (CC BY 4.0)

Morte à Economia de Vigilância!

Neste exato momento, enquanto você lê este post, algoritmos estão tomando decisões sobre sua vida, com base em seus dados, sem o seu conhecimento e sem o seu consentimento. Algoritmos que muitas vezes não foram testados completamente, muito menos auditados periodicamente. Talvez você seja um dos milhões de negros americanos visados ​​pela Cambridge Analytica na tentativa de impedi-los de votar nas eleições de 2016. Talvez tenham negado a você um empréstimo, um emprego ou um apartamento recentemente.

Imagem: iStock

Se isso aconteceu, é quase certo que seus dados tenham algo a ver com isso. Esses dados pessoais na maioria das vezes são imprecisos, mas você não pode corrigi-los porque não tem acesso a eles. Você pode perder seu emprego devido a um algoritmo com defeito. E como disse o Cardeal Richelieu, “dê-me seis linhas escritas pelo mais honesto dos homens e eu encontarei nelas um motivo para mandá-lo para a forca”.

À medida que as empresas de tecnologia moldam nossas percepções, o preconceito e a discriminação – tão miseravelmente humanos – são incorporados naturalmente a seus produtos e serviços em vários níveis e de várias formas.

A economia de vigilância afronta a igualdade e a justiça. Você e seu vizinho não são mais tratados como cidadãos iguais. Você não tem oportunidades iguais a ele porque é tratado de maneira diferente com base em seus dados. Os anúncios e o conteúdo a que você tem acesso, os preços que paga pelos mesmos serviços e até o tempo que você espera no telefone para falar com o serviço de atendimento ao cliente dependem dos seus dados e de seu “score”.

Somos muito mais competentes para coletar dados pessoais do que para mantê-los seguros. Os dados pessoais são uma ameaça séria e não deveríamos coletá-los se não somos capazes de mantê-los seguros. Usando dados de localização de smartphones adquiridos de um “corretor de dados”, é possível rastrear oficiais militares com acesso a dados sigilosos, advogados poderosos e seus clientes, e até mesmo o presidente de um país (através do telefone de alguém que se considera e é pago para ser um agente do serviço secreto).

Nossa atual economia de dados é baseada na coleta de tantos dados pessoais quanto possível, armazenando-os indefinidamente e vendendo-os a quem pagar mais. Ter tantos dados confidenciais circulando livremente é, no mínimo, imprudente. Ao projetar nossa economia em torno da vigilância, estamos construindo uma perigosa estrutura de controle social, estrutura essa que está em conflito aberto com a liberdade. Na sociedade de vigilância que estamos construindo, não existe nada invisível ao radar. Não deveria ser nossa responsabilidade, como querem as grandes companhias, optar pela não coleta de dados nos navegadores. A não-coleta deveria vir como padrão em todo e qualquer software dedicado à comunicação na Internet.

É hora de acabar com a economia de vigilância. Não permitimos a compra e venda de votos (porque isso prejudica a democracia). Por que então devemos permitir a comercialização de dados pessoais? Não devemos permitir anúncios personalizados. Se os anúncios fossem transparentes sobre o que sabem sobre nós, talvez não fôssemos tão indiferentes ao modo como somos direcionados. As vantagens dos anúncios personalizados para os usuários são mínimas, na melhor das hipóteses, e podem ser alcançadas por meio de publicidade contextualizada. Por exemplo, exibir anúncios de equipamentos esportivos apenas quando o usuário procura equipamentos esportivos.

Precisamos ter certeza de que os algoritmos que afetam nossas vidas são confiáveis. Precisamos saber como os algoritmos estão nos julgando e com base em quais dados. Devemos implementar deveres de depositário fiel de dados: qualquer pessoa que deseje coletar ou gerenciar seus dados pessoais deve se comprometer legalmente a usá-los apenas em seu benefício e nunca contra você. Quem gerencia dados pessoais de terceiros é responsável ​​por eles. Temos que melhorar muito nossos padrões de segurança cibernética, através de lei. E é necessário também excluir periodicamente os dados de que não precisamos mais.

Enquanto a solução definitiva não aparece, escolha produtos compatíveis com a privacidade. Por exemplo, ao invés de usar a pesquisa do Google, use DuckDuckGo; em vez de usar o WhatsApp, use o Telegram; no lugar do Gmail, use ProtonMail. Essas escolhas simples podem ter um impacto muito significativo em nossas vidas. Ao escolher produtos éticos sinalizamos às empresas de Internet que nos preocupamos com a nossa privacidade.

Acabar com a economia de dados pode parecer uma proposta radical. Contudo, é ainda mais extremo ter um modelo de negócios cuja existência depende da violação de nosso direito à privacidade em grande escala.

Na verdade, isso é inaceitável.