O Bitcoin Chega ao Mercado Imobiliário

A Bloomberg informa que a La Haus, uma startup de tecnologia imobiliária do México apoiada pela Jeff Bezos Expeditions, disse que passará a aceitar Bitcoin para transações imobiliárias, aumentando a crescente adoção da criptomoeda como meio de pagamento na América Latina.

Imagem: iStock

A empresa, que já permite aos usuários comprar imóveis por meio de um aplicativo, permitirá que os compradores paguem com moeda digital, começando com um conjunto habitacional em Playa del Carmen, no México. Ela gradualmente abrirá o restante de seu portfólio de mais de 80.000 propriedades para o Bitcoin, de acordo com a empresa.

“Acreditamos que o Bitcoin será a moeda de reserva do futuro”, disse Rodrigo Sanchez-Rios, presidente e cofundador da La Haus, em entrevista. “Em nossa essência, somos uma empresa de tecnologia. É natural para nós sermos pioneiros com esta tecnologia”.

A empresa está fazendo parceria com o processador de pagamentos OpenNode, com sede em Los Angeles, para permitir transações tanto na web quanto na Lightning Network – que foi projetada para tornar as compras mais rápidas e fáceis. A La Haus atuará como intermediária, pagando os vendedores em moeda corrente. A empresa ainda não decidiu quanto de Bitcoin manterá em seus balanços, disse ele.

Apesar de sua notória volatilidade, a aceitação do Bitcoin – que possui um valor de mercado de mais de US $ 1,2 trilhão após uma alta de 20% no mês passado que empurrou o preço para recordes acima de US $ 68.000 – está crescendo em toda a América Latina.

El Salvador se tornou em setembro o primeiro país do mundo a tornar ‘legal tender’ a criptomoeda, despertando o interesse de outros governos e empresas em nossa região.

O Futuro do Bitcoin

Este blog tem acompanhado a movimentação em torno do Bitcoin e minha impressão é que as opiniões em geral são mistas, indo de um otimismo cauteloso a uma visão crítica contundente.

O futuro do Bitcoin parece promissor, mas seu destino final como moeda vai depender de vários fatores. A volatilidade do Bitcoin é bem conhecida, mas para que a adoção em larga escala seja finalmente alcançada é necessário melhorar essa reputação.

Os comerciantes sempre relutarão em aceitar uma forma de pagamento cujo valor tenha uma boa chance de diminuir logo em seguida. Esse é o estado de coisas hoje, realisticamente. Mas o que precisa acontecer para que isso mude?

(1) Certeza regulatória

Com sua natureza descentralizada, a ideia de regulamentação pode parecer contraditória para o Bitcoin. Mas, na realidade, a certeza regulatória é vital para a sua adoção em massa. Embora alguns países, como a Coréia do Sul e o Japão, tenham liderado o caminho na discussão de diretrizes claras para a regulamentação do Bitcoin, grande parte do mundo ainda está atrasada nesse aspecto.

Em muitos países, o status legal do Bitcoin ainda é obscuro. À medida que mais governos ao redor do mundo introduzirem estruturas regulatórias nos próximos anos, isso dará ao Bitcoin mais legitimidade como um ativo convencional.

(2) Facilidade de uso

Pagar por bens com moeda corrente é uma experiência simples. Embora o uso de dinheiro convencional seja cada vez mais raro, é ainda muito fácil pagar com cartões ou com aplicativos como ApplePay ou WeChatPay, especialmente em mercados asiáticos. Pagar por produtos usando Bitcoin ainda não é uma experiência simples para a maioria das pessoas.

Na situação atual, embora sejam componentes necessários à arquitetura do sistema, coisas como “carteiras quentes e frias” e “chaves públicas e privadas” podem ser muito complexas para uma pessoa comum entender. A indústria da criptografia precisa encontrar uma maneira de tornar o processo de compra com Bitcoin mais facilmente digerível.

Uma maneira de conseguir isso é por meio de um maior envolvimento de terceiros, expondo o Bitcoin a um público mais amplo por meio de outras plataformas. Conforme noticiado recentemente pela Bybit Insights, o Paypal está planejando oferecer vendas via criptomoedas para seus 325 milhões de usuários.

Esse “gateway” de pagamento pode muito bem vir a ser uma virada de jogo na adoção em massa do Bitcoin e da criptografia. Visa e Mastercard também anunciaram iniciativas para incluir a opção de pagamentos em Bitcoins e criptomoedas em geral, em um sinal seguro de que os provedores de pagamento estão suavizando sua postura.

(3) O Trilema da Escalabilidade da Blockchain

A escalabilidade é um problema constante para a blockchain do Bitcoin. Enquanto um novo bloco na blockchain pode acomodar em média cerca de 2700 transações (com um bloco adicionado a cada 10 minutos), a Visa, por exemplo, pode precisar de 2.000 transações por segundo [transações por segundo (TPS) é o número de transações que uma rede blockchain pode processar a cada segundo].

Portanto, é óbvio que para ser capaz de competir, mudanças precisam ser feitas para melhorar a escalabilidade da rede Bitcoin. Esse problema é conhecido como trilema da escalabilidade da blockchain:

  • Escalabilidade: é a capacidade da blockchain de acomodar um maior volume de transações.
  • Segurança: é a capacidade de proteger os dados mantidos na blockchain de diferentes ataques ou a capacidade de defesa da blockchain contra duplicidades.
  • Descentralização: é a capacidade de redundância na rede, que impede que entidades ou grupos minoritários assumam o controle.
Gráfico: Vox Leone

Várias soluções foram propostas. Uma dessas soluções é o SegWit.

O desenvolvedor de Bitcoin Dr. Pieter Wuille, sugere que, para resolver esse problema, a assinatura digital precisa ser segregada dos dados da transação. Este processo é conhecido como Testemunha Segregada ou Segregated Witness – SegWit. A assinatura digital responde por 65% do tamanho físico de uma determinada transação. SegWit propõe remover a assinatura de dentro da entrada e movê-la para uma outra estrutura, no final de uma transação.

Isso aumentaria o limite de tamanho de um bloco de 1 MB para um pouco menos de 4 MB. Além de aumentar ligeiramente o tamanho dos blocos, o SegWit também resolve o problema do “spoofing”, em que um receptor pode interceptar e modificar o ID de transação do remetente em uma tentativa de extrair mais moedas desse remetente. Visto que a assinatura digital seria separada da entrada, a parte inescrupulosa não teria como alterar o ID da transação sem também anular a assinatura digital.

O grau de escalabilidade é importante porque determina a capacidade eventual de qualquer rede. Dito de outra forma, ele determina o limite superior de quão grande uma rede pode crescer.

Enfim

Como sabemos, ao contrário do petróleo o Bitcoin não é tangível e não tem uso prático no mundo físico. Ele também tem uma oferta limitada. E o protocolo subjacente à blockchain garante que novos Bitcoins sejam produzidos a uma taxa consistente (embora decrescente, chamada de ‘halving‘ – a cada quatro anos a produção é cortada pela metade), independente do poder de computação. Dessa forma, a relação do Bitcoin com a oferta, produção e preço final é completamente diferente das commodities tradicionais. Isso faz sentido, porque, afinal de contas, a intenção original era ser uma moeda completamente diferente.

O poder de reduzir constantemente a oferta pela metade é realmente uma solução elegante, considerando que em 2060 a oferta anual de Bitcoins aumentará apenas na casa das centenas, e não milhões, por ano. Quando essa oferta adicional se tornar insignificante, poderemos ver a volatilidade do preço do bitcoin cair. E só então, talvez, o Bitcoin pare de nos fazer lembrar de commodities e investimentos e realmente se torne o que deveria ter sido desde o início.

Seguimos com atenção aos problemas do Bitcoin e abriremos outras discussões à medida que surgem novos desenvolvimentos.

Finanças Descentralizadas: Oportunidades e Riscos

Por Kevin Werbach, University of Pennsylvania em The Conversation

Defensores fervorosos das criptomoedas [e das blockchains sobre as quais elas funcionam] fizeram um mundo de promessas nos últimos anos. Para eles, essas tecnologias representam a oportunidade de libertação do poder corporativo na Internet, das intrusões do governo na liberdade, da pobreza e de praticamente tudo o mais que aflige a sociedade.

Bitcoin finalmente poderá servir para algo mais que especulação e botões de paletó – AP Photo/Frank Jordans

Mas, até agora, o único resultado tangível dessas altas aspirações foram os diversos episódios de especulação financeira com criptomoedas populares como bitcoin e dogecoin, que disparam e despencam sem controle, com uma regularidade alarmante.

Então, para que servem as criptomoedas e a blockchain?

Como especialista em tecnologias emergentes, acredito que finanças descentralizadas, conhecidas como DeFi [Decentralized Finance], são a primeira resposta sólida a essa pergunta. DeFi se refere a serviços financeiros que operam inteiramente em redes de blockchain, ao invés de intermediários como bancos.

Mas a DeFi também traz uma série de riscos que os desenvolvedores e reguladores precisarão abordar antes que ela se torne popular.

O que é DeFi?

Tradicionalmente, se você deseja emprestar R$ 10.000, primeiro precisa de alguns ativos ou dinheiro que já tem [de preferência no banco] como garantia.

Um funcionário do banco revisa suas finanças e define uma taxa de juros para o reembolso do empréstimo. O banco dá a você o dinheiro de seu pool de depósitos, cobra seu pagamento de juros e pode apreender sua garantia se você não pagar.

Tudo depende do banco: ele fica no meio do processo e controla seu dinheiro.

O mesmo se aplica à negociação de ações, gestão de ativos, seguros e basicamente todas as formas de serviços financeiros hoje. Mesmo quando um aplicativo de tecnologia financeira como Chime, Affirm ou Robinhood automatiza o processo, os bancos ainda desempenham a mesma função de intermediário. Isso aumenta o custo do crédito e limita a flexibilidade do tomador.

DeFi vira esse arranjo de cabeça para baixo ao reconceber os serviços financeiros como aplicativos de software descentralizados, que operam sem nunca assumir a custódia dos fundos do usuário.

Quer um empréstimo? Você pode obter um instantaneamente, simplesmente colocando a criptomoeda como garantia. Isso cria um “contrato inteligente” no qual o dinheiro vem de outras pessoas que o disponibilizaram em um pool de fundos na blockchain. Nenhum representante do banco é necessário.

Tudo é executado nas chamadas stablecoins, que são tokens semelhantes a moedas – normalmente indexados ao dólar americano para evitar a volatilidade do bitcoin e de outras criptomoedas. E as transações são liquidadas automaticamente em uma blockchain – essencialmente um livro-razão digital de transações que é distribuído por uma rede de computadores – em vez de por meio de um banco ou outro intermediário que ganha uma comissão.

Bitcoin pode ser usado como garantia em empréstimos usando DeFi – AP Photo/Charles Krupa

As Oportunidades

As transações feitas dessa forma podem ser mais eficientes, flexíveis, seguras e automatizadas do que nas finanças tradicionais.

Além disso, o DeFi elimina a distinção entre clientes comuns e indivíduos ricos ou instituições – que normalmente têm acesso a muito mais produtos financeiros. Qualquer um pode ingressar em um pool de empréstimos DeFi e emprestar dinheiro a outras pessoas. O risco é maior do que com um fundo de títulos ou CDBs, mas também são grandes os potenciais retornos.

E isso é apenas o começo. Como os serviços DeFi são executados em software de código aberto, eles podem ser combinados e modificados de maneiras quase infinitas. Por exemplo, eles podem alternar automaticamente seus fundos entre diferentes pools de garantias com base nos quais oferecem naquele momento os melhores retornos para o seu perfil de investimento. Como resultado, a rápida inovação observada no comércio eletrônico e nas mídias sociais pode se tornar a norma nos – tradicionalmente conservadores – serviços financeiros.

Esses benefícios ajudam a explicar por que o crescimento de DeFi tem sido meteórico. No recente pico do mercado em maio de 2021, mais de US$ 80 bilhões em criptomoedas estavam represados em contratos DeFi, comparados a menos de US$ 1 bilhão no ano anterior. O valor total do mercado era de US$ 69 bilhões em 3 de agosto de 2021.

Isso é apenas uma gota no balde de US$ 20 trilhões do setor financeiro global, o que sugere que há muito espaço para crescimento.

No momento, os usuários são, em sua maioria, negociantes de criptomoeda experientes – ainda não há espaço para os investidores novatos que migraram para plataformas como o Robinhood. Mesmo entre os detentores de criptomoedas, apenas cerca de 1% já experimentou o DeFi.

A Secretária do Tesouro americano e outros formuladores de políticas estão considerando maneiras de regulamentar as finanças descentralizadas – AP Photo/Charles Krupa

Os Riscos

Embora eu acredite que o potencial do DeFi seja empolgante, também existem sérios motivos de preocupação.

As blockchains não podem eliminar os riscos inerentes ao investimento, que são o corolário necessário do potencial de retorno. Nesse caso, o DeFi pode ampliar a já alta volatilidade das criptomoedas. Muitos serviços DeFi facilitam a alavancagem, na qual os investidores essencialmente tomam dinheiro emprestado para ampliar seus ganhos, mas enfrentam maior risco de perdas.

Além disso, não há nenhum banqueiro ou regulador que possa devolver os fundos transferidos in erro. Nem há necessariamente alguém para indenizar os investidores caso os hackers descubram uma vulnerabilidade nos contratos inteligentes ou em outros aspectos de um serviço DeFi. Quase US$ 300 milhões foram roubados nos últimos dois anos. A única proteção contra perdas inesperadas é o aviso “investidores, cuidado!” – o que nunca se mostrou suficiente em finanças.

Nos Estados Unidos e outras jurisdições, alguns serviços DeFi parecem violar obrigações regulamentares, como não impedir transações por terroristas ou permitir que qualquer membro do público em geral invista em ativos restritos, como derivativos. Não está claro como alguns desses requisitos poderiam ser aplicados no DeFi sem os intermediários tradicionais.

Mesmo os mercados financeiros tradicionais altamente maduros e regulados experimentam ocasionalmente choques e quedas por causa de riscos ocultos, como o mundo viu em 2008, quando a economia global quase derreteu por causa de um canto obscuro de Wall Street. A descentralização financeira torna mais fácil do que nunca criar interconexões ocultas com potencial para explodir espetacularmente.

Reguladores nos EUA e em outros lugares estão, cada vez mais, falando sobre como controlar esses riscos. Por exemplo, eles estão começando a obrigar os serviços DeFi a cumprir os requisitos de combate à lavagem de dinheiro e considerando regulamentar as stablecoins.

Mas até agora eles apenas começaram a arranhar a superfície do que pode ser necessário fazer.

De agentes de viagens a vendedores de automóveis, a Internet solapou repetidamente o poder de estrangulamento dos intermediários. Descentralização Financeira é outro exemplo de como o software baseado em padrões abertos pode potencialmente mudar o jogo de forma dramática. No entanto, tanto os desenvolvedores quanto os reguladores precisarão aumentar seu próprio desempenho para perceber e acompanhar o potencial desse novo ecossistema financeiro.

Adaptado por Bravo MarquesDistribuído sob a licença Creative Commons

Citando o Meio Ambiente, Tesla Adia Planos para o Bitcoin

O preço do Bitcoin despencou depois que Elon Musk disse que a Tesla não aceitaria mais a criptomoeda como método de pagamento. O anúncio foi feito pelo CEO em um comunicado no Twitter na noite de quarta-feira (12/5). Musk levantou preocupações sobre o impacto climático da mineração de Bitcoin.

Musk, que esteve sob os holofotes recentemente por manipular o preço das criptomoedas por meio de tweets, citou como o raciocínio por trás da reviravolta da Tesla a enorme quantidade de energia elétrica necessária para manter o Bitcoin rodando – e os impactos ambientais decorrentes.

Grandes aglomerados de CPUs, em grandes datacenters, são usados para minar Bitcoin, através de um processo chamado ‘prova de trabalho’. A prova de trabalho é computacionalmente complexa, exigindo o cálculo de chaves criptográficas em tempo integral. A complexidade da computação tem uma relação linear com o consumo de energia: mais computação –> mais energia.

“Estamos preocupados com o rápido e crescente uso de combustíveis fósseis para mineração e transações de Bitcoin, especialmente o carvão, que tem as piores emissões de qualquer combustível”, disse o comunicado. Embora a criptomoeda seja uma “boa ideia em muitos níveis”, ela tem um “grande custo para o meio ambiente”, disse Musk.

O preço do Bitcoin caiu quase 13% após o anúncio da Tesla, de acordo com a Coin Metrics. O site de criptomoedas Coindesk mostrou que o valor em dólares do Bitcoin caiu para uma 24-hour low, pouco acima de US$ 46.000, antes de se recuperar ligeiramente para flutuar em torno de US$ 50.000.

Envolvimento Tesla-Bitcoin

A Tesla provocou uma explosão do Bitcoin em fevereiro, após anunciar que investiria cerca de US$ 1,5 bilhão na criptomoeda, com a intenção de permitir que os clientes a usassem para comprar seus carros eletricos.

O valor de mercado total da carteira de Bitcoin da Tesla no final de março era de US$ 2,48 bilhões, como mostraram os registros de títulos. Apesar da movimentação, a Tesla disse que não planeja vender suas participações em Bitcoin.

“A Tesla não venderá nenhum Bitcoin e pretendemos usá-lo para transações tão logo o processo de mineração faça a transição para um modal de energia mais sustentável”, disse o comunicado. A empresa também procura outras opções de criptomoeda, sem os impactos ambientais do Bitcoin, complementa.

Alguns observadores também se refiriram ao recente anúncio de que governos nacionais dariam início a um “enquadramento” da estrutura das criptomoedas para explicar a decisão.

Impacto no meio ambiente

Um estudo realizado em 2019 por pesquisadores da Universidade Técnica de Munique e do MIT descobriu que as emissões de CO2 para toda a rede Bitcoin chegaram a 22,9 milhões de toneladas em 2018. Nessa taxa, a curva de emissões de carbono atribuíveis ao Bitcoin se assemelha à de uma grande cidade de um país rico ou de todo um país em desenvolvimento como o Sri Lanka.

Musk tem mostrado um grande entusiasmo em popularizar o uso de carros elétricos, como os produzidos pela Tesla, atraindo motoristas para longe dos veículos com os motores de combustão interna, que respondem por uma boa parte das mudanças climáticas.

Governos Preparam Blitz Contra as Criptomoedas

Jess Powell, CEO da Kraken, a quarta maior negociadora de criptomoedas do mundo, adverte que governos pelo planeta afora podem estar preparando uma grande blitz contra o uso de Bitcoin e outras criptomoedas. CNBC reporta:

“Acho que pode haver alguma repressão”, disse Jesse Powell em uma entrevista à CNBC. As criptomoedas dispararam em valor ultimamente, com o Bitcoin alcançando um recorde de mais de US$ 61.000 no mês passado. A moeda digital mais valiosa do mundo tem sido negociada ultimamente em torno de US$ 60.105. […] O chefe da Kraken acha que a incerteza regulatória em torno das Criptos não vai dissipar tão cedo. Uma regra contra a lavagem de dinheiro proposta pelo governo dos EUA recentemente exige que as pessoas que mantêm Criptos em uma carteira digital privada passem por verificação de identidade se fizerem transações acima de US$ 3.000. “Algo assim poderia realmente ferir as Criptos e matar o caso de uso original, que era apenas tornar os serviços financeiros acessíveis a todos”, disse Powell.

Foto por Worldspectrum em Pexels.com

As criptomoedas como o Bitcoin têm sido frequentemente associadas a atividades ilícitas devido ao fato de que as pessoas que transacionam com ela são pseudônimas – você pode ver para onde os fundos estão sendo enviados, mas não quem os enviou ou os recebeu. “Espero que agências reguladoras americanas e internacionais não tenham uma visão muito estreita sobre o assunto”, disse Powell. “Outros países, a China especialmente, estão levando Cripto muito a sério e assumindo uma postura de muito longo prazo”.

O CEO de Kraken disse sentir que os EUA são mais “suscetíveis” às pressões de negócios tradicionais em extinção – em outras palavras, os bancos – que “vão perder se as Criptos se tornarem normalizadas”. “Eu acho também que já pode ser tarde demais”, acrescentou Powell. “Talvez o gênio já esteja fora da garrafa e tentar bani-las neste momento só vai torná-las mais atraentes. Certamente enviaria uma mensagem de que o governo as vê como uma alternativa superior à sua própria moeda.”

Link para CNBC (English)