Citando o Meio Ambiente, Tesla Adia Planos para o Bitcoin

O preço do Bitcoin despencou depois que Elon Musk disse que a Tesla não aceitaria mais a criptomoeda como método de pagamento. O anúncio foi feito pelo CEO em um comunicado no Twitter na noite de quarta-feira (12/5). Musk levantou preocupações sobre o impacto climático da mineração de Bitcoin.

Musk, que esteve sob os holofotes recentemente por manipular o preço das criptomoedas por meio de tweets, citou como o raciocínio por trás da reviravolta da Tesla a enorme quantidade de energia elétrica necessária para manter o Bitcoin rodando – e os impactos ambientais decorrentes.

Grandes aglomerados de CPUs, em grandes datacenters, são usados para minar Bitcoin, através de um processo chamado ‘prova de trabalho’. A prova de trabalho é computacionalmente complexa, exigindo o cálculo de chaves criptográficas em tempo integral. A complexidade da computação tem uma relação linear com o consumo de energia: mais computação –> mais energia.

“Estamos preocupados com o rápido e crescente uso de combustíveis fósseis para mineração e transações de Bitcoin, especialmente o carvão, que tem as piores emissões de qualquer combustível”, disse o comunicado. Embora a criptomoeda seja uma “boa ideia em muitos níveis”, ela tem um “grande custo para o meio ambiente”, disse Musk.

O preço do Bitcoin caiu quase 13% após o anúncio da Tesla, de acordo com a Coin Metrics. O site de criptomoedas Coindesk mostrou que o valor em dólares do Bitcoin caiu para uma 24-hour low, pouco acima de US$ 46.000, antes de se recuperar ligeiramente para flutuar em torno de US$ 50.000.

Envolvimento Tesla-Bitcoin

A Tesla provocou uma explosão do Bitcoin em fevereiro, após anunciar que investiria cerca de US$ 1,5 bilhão na criptomoeda, com a intenção de permitir que os clientes a usassem para comprar seus carros eletricos.

O valor de mercado total da carteira de Bitcoin da Tesla no final de março era de US$ 2,48 bilhões, como mostraram os registros de títulos. Apesar da movimentação, a Tesla disse que não planeja vender suas participações em Bitcoin.

“A Tesla não venderá nenhum Bitcoin e pretendemos usá-lo para transações tão logo o processo de mineração faça a transição para um modal de energia mais sustentável”, disse o comunicado. A empresa também procura outras opções de criptomoeda, sem os impactos ambientais do Bitcoin, complementa.

Alguns observadores também se refiriram ao recente anúncio de que governos nacionais dariam início a um “enquadramento” da estrutura das criptomoedas para explicar a decisão.

Impacto no meio ambiente

Um estudo realizado em 2019 por pesquisadores da Universidade Técnica de Munique e do MIT descobriu que as emissões de CO2 para toda a rede Bitcoin chegaram a 22,9 milhões de toneladas em 2018. Nessa taxa, a curva de emissões de carbono atribuíveis ao Bitcoin se assemelha à de uma grande cidade de um país rico ou de todo um país em desenvolvimento como o Sri Lanka.

Musk tem mostrado um grande entusiasmo em popularizar o uso de carros elétricos, como os produzidos pela Tesla, atraindo motoristas para longe dos veículos com os motores de combustão interna, que respondem por uma boa parte das mudanças climáticas.

Governos Preparam Blitz Contra as Criptomoedas

Jess Powell, CEO da Kraken, a quarta maior negociadora de criptomoedas do mundo, adverte que governos pelo planeta afora podem estar preparando uma grande blitz contra o uso de Bitcoin e outras criptomoedas. CNBC reporta:

“Acho que pode haver alguma repressão”, disse Jesse Powell em uma entrevista à CNBC. As criptomoedas dispararam em valor ultimamente, com o Bitcoin alcançando um recorde de mais de US$ 61.000 no mês passado. A moeda digital mais valiosa do mundo tem sido negociada ultimamente em torno de US$ 60.105. […] O chefe da Kraken acha que a incerteza regulatória em torno das Criptos não vai dissipar tão cedo. Uma regra contra a lavagem de dinheiro proposta pelo governo dos EUA recentemente exige que as pessoas que mantêm Criptos em uma carteira digital privada passem por verificação de identidade se fizerem transações acima de US$ 3.000. “Algo assim poderia realmente ferir as Criptos e matar o caso de uso original, que era apenas tornar os serviços financeiros acessíveis a todos”, disse Powell.

Foto por Worldspectrum em Pexels.com

As criptomoedas como o Bitcoin têm sido frequentemente associadas a atividades ilícitas devido ao fato de que as pessoas que transacionam com ela são pseudônimas – você pode ver para onde os fundos estão sendo enviados, mas não quem os enviou ou os recebeu. “Espero que agências reguladoras americanas e internacionais não tenham uma visão muito estreita sobre o assunto”, disse Powell. “Outros países, a China especialmente, estão levando Cripto muito a sério e assumindo uma postura de muito longo prazo”.

O CEO de Kraken disse sentir que os EUA são mais “suscetíveis” às pressões de negócios tradicionais em extinção – em outras palavras, os bancos – que “vão perder se as Criptos se tornarem normalizadas”. “Eu acho também que já pode ser tarde demais”, acrescentou Powell. “Talvez o gênio já esteja fora da garrafa e tentar bani-las neste momento só vai torná-las mais atraentes. Certamente enviaria uma mensagem de que o governo as vê como uma alternativa superior à sua própria moeda.”

Link para CNBC (English)