Finanças Descentralizadas: Oportunidades e Riscos

Por Kevin Werbach, University of Pennsylvania em The Conversation

Defensores fervorosos das criptomoedas [e das blockchains sobre as quais elas funcionam] fizeram um mundo de promessas nos últimos anos. Para eles, essas tecnologias representam a oportunidade de libertação do poder corporativo na Internet, das intrusões do governo na liberdade, da pobreza e de praticamente tudo o mais que aflige a sociedade.

Bitcoin finalmente poderá servir para algo mais que especulação e botões de paletó – AP Photo/Frank Jordans

Mas, até agora, o único resultado tangível dessas altas aspirações foram os diversos episódios de especulação financeira com criptomoedas populares como bitcoin e dogecoin, que disparam e despencam sem controle, com uma regularidade alarmante.

Então, para que servem as criptomoedas e a blockchain?

Como especialista em tecnologias emergentes, acredito que finanças descentralizadas, conhecidas como DeFi [Decentralized Finance], são a primeira resposta sólida a essa pergunta. DeFi se refere a serviços financeiros que operam inteiramente em redes de blockchain, ao invés de intermediários como bancos.

Mas a DeFi também traz uma série de riscos que os desenvolvedores e reguladores precisarão abordar antes que ela se torne popular.

O que é DeFi?

Tradicionalmente, se você deseja emprestar R$ 10.000, primeiro precisa de alguns ativos ou dinheiro que já tem [de preferência no banco] como garantia.

Um funcionário do banco revisa suas finanças e define uma taxa de juros para o reembolso do empréstimo. O banco dá a você o dinheiro de seu pool de depósitos, cobra seu pagamento de juros e pode apreender sua garantia se você não pagar.

Tudo depende do banco: ele fica no meio do processo e controla seu dinheiro.

O mesmo se aplica à negociação de ações, gestão de ativos, seguros e basicamente todas as formas de serviços financeiros hoje. Mesmo quando um aplicativo de tecnologia financeira como Chime, Affirm ou Robinhood automatiza o processo, os bancos ainda desempenham a mesma função de intermediário. Isso aumenta o custo do crédito e limita a flexibilidade do tomador.

DeFi vira esse arranjo de cabeça para baixo ao reconceber os serviços financeiros como aplicativos de software descentralizados, que operam sem nunca assumir a custódia dos fundos do usuário.

Quer um empréstimo? Você pode obter um instantaneamente, simplesmente colocando a criptomoeda como garantia. Isso cria um “contrato inteligente” no qual o dinheiro vem de outras pessoas que o disponibilizaram em um pool de fundos na blockchain. Nenhum representante do banco é necessário.

Tudo é executado nas chamadas stablecoins, que são tokens semelhantes a moedas – normalmente indexados ao dólar americano para evitar a volatilidade do bitcoin e de outras criptomoedas. E as transações são liquidadas automaticamente em uma blockchain – essencialmente um livro-razão digital de transações que é distribuído por uma rede de computadores – em vez de por meio de um banco ou outro intermediário que ganha uma comissão.

Bitcoin pode ser usado como garantia em empréstimos usando DeFi – AP Photo/Charles Krupa

As Oportunidades

As transações feitas dessa forma podem ser mais eficientes, flexíveis, seguras e automatizadas do que nas finanças tradicionais.

Além disso, o DeFi elimina a distinção entre clientes comuns e indivíduos ricos ou instituições – que normalmente têm acesso a muito mais produtos financeiros. Qualquer um pode ingressar em um pool de empréstimos DeFi e emprestar dinheiro a outras pessoas. O risco é maior do que com um fundo de títulos ou CDBs, mas também são grandes os potenciais retornos.

E isso é apenas o começo. Como os serviços DeFi são executados em software de código aberto, eles podem ser combinados e modificados de maneiras quase infinitas. Por exemplo, eles podem alternar automaticamente seus fundos entre diferentes pools de garantias com base nos quais oferecem naquele momento os melhores retornos para o seu perfil de investimento. Como resultado, a rápida inovação observada no comércio eletrônico e nas mídias sociais pode se tornar a norma nos – tradicionalmente conservadores – serviços financeiros.

Esses benefícios ajudam a explicar por que o crescimento de DeFi tem sido meteórico. No recente pico do mercado em maio de 2021, mais de US$ 80 bilhões em criptomoedas estavam represados em contratos DeFi, comparados a menos de US$ 1 bilhão no ano anterior. O valor total do mercado era de US$ 69 bilhões em 3 de agosto de 2021.

Isso é apenas uma gota no balde de US$ 20 trilhões do setor financeiro global, o que sugere que há muito espaço para crescimento.

No momento, os usuários são, em sua maioria, negociantes de criptomoeda experientes – ainda não há espaço para os investidores novatos que migraram para plataformas como o Robinhood. Mesmo entre os detentores de criptomoedas, apenas cerca de 1% já experimentou o DeFi.

A Secretária do Tesouro americano e outros formuladores de políticas estão considerando maneiras de regulamentar as finanças descentralizadas – AP Photo/Charles Krupa

Os Riscos

Embora eu acredite que o potencial do DeFi seja empolgante, também existem sérios motivos de preocupação.

As blockchains não podem eliminar os riscos inerentes ao investimento, que são o corolário necessário do potencial de retorno. Nesse caso, o DeFi pode ampliar a já alta volatilidade das criptomoedas. Muitos serviços DeFi facilitam a alavancagem, na qual os investidores essencialmente tomam dinheiro emprestado para ampliar seus ganhos, mas enfrentam maior risco de perdas.

Além disso, não há nenhum banqueiro ou regulador que possa devolver os fundos transferidos in erro. Nem há necessariamente alguém para indenizar os investidores caso os hackers descubram uma vulnerabilidade nos contratos inteligentes ou em outros aspectos de um serviço DeFi. Quase US$ 300 milhões foram roubados nos últimos dois anos. A única proteção contra perdas inesperadas é o aviso “investidores, cuidado!” – o que nunca se mostrou suficiente em finanças.

Nos Estados Unidos e outras jurisdições, alguns serviços DeFi parecem violar obrigações regulamentares, como não impedir transações por terroristas ou permitir que qualquer membro do público em geral invista em ativos restritos, como derivativos. Não está claro como alguns desses requisitos poderiam ser aplicados no DeFi sem os intermediários tradicionais.

Mesmo os mercados financeiros tradicionais altamente maduros e regulados experimentam ocasionalmente choques e quedas por causa de riscos ocultos, como o mundo viu em 2008, quando a economia global quase derreteu por causa de um canto obscuro de Wall Street. A descentralização financeira torna mais fácil do que nunca criar interconexões ocultas com potencial para explodir espetacularmente.

Reguladores nos EUA e em outros lugares estão, cada vez mais, falando sobre como controlar esses riscos. Por exemplo, eles estão começando a obrigar os serviços DeFi a cumprir os requisitos de combate à lavagem de dinheiro e considerando regulamentar as stablecoins.

Mas até agora eles apenas começaram a arranhar a superfície do que pode ser necessário fazer.

De agentes de viagens a vendedores de automóveis, a Internet solapou repetidamente o poder de estrangulamento dos intermediários. Descentralização Financeira é outro exemplo de como o software baseado em padrões abertos pode potencialmente mudar o jogo de forma dramática. No entanto, tanto os desenvolvedores quanto os reguladores precisarão aumentar seu próprio desempenho para perceber e acompanhar o potencial desse novo ecossistema financeiro.

Adaptado por Bravo MarquesDistribuído sob a licença Creative Commons

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s