Sexta de Leão: A Varinha Mágica da Hitachi

Por Christopher Trout – em Engadget

1968. Foi o ano da Ofensiva do Tet no Vietnam; dos assassinatos de Martin Luther King Jr. e Robert Kennedy; dos motins da Convenção Nacional Democrática no EUA. Foi também a primeira vez que os humanos fotografaram a Terra do espaço profundo. Foi um ano de grande inovação e devastação.

Os valores americanos estavam em convulsão e a revolução sexual estava bem encaminhada, questionando estereótipos sexuais antiquados. No meio de tudo isso, uma estrela improvável nasceu.

O Escritório de Marcas e Patentes dos EUA lista o primeiro lançamento da Varinha Mágica Hitachi no comércio como 25 de abril de 1968. Nos 53 anos desde então, este grande pedaço de plástico branco, que tem alguma semelhança com um martelo de bumbo, chegou para introduzir uma dualidade estranha para muitos americanos. É comercializado e vendido como um massageador pessoal em lojas de departamentos e farmácias, ao mesmo tempo que serve como um confiável auxiliar de masturbação feminina.

A Varinha Mágica não é o que você esperaria de um brinquedo sexual moderno. Na verdade, poderia muito bem ser o vibrador da sua avó. Ele pesa 1,2 quilo, mede 30 centímetros da base à ponta e tem uma cabeça bulbosa do tamanho de uma bola de tênis. É feito de plástico rígido, tem duas velocidades – alta (6.000 vibrações por minuto) e baixa (5.000 vibrações por minuto) – e se conecta a uma tomada elétrica por meio de um cabo de 2 metros. Não é à prova d’água e tem tendência a superaquecer após 25 minutos de uso. Deficiências à parte, a Varinha Mágica continua a vender mais que concorrentes mais avançados tecnologicamente, mesmo que a empresa que a criou tente se distanciar daquele que se tornou um dos brinquedos sexuais mais icônicos que existem.

A caixa Hitachi Magic Wand antes e depois de sua reestilização de 2013 – Imagem: Engadget

No mesmo ano em que a Varinha Mágica apareceu no mercado, uma artista residente em Nova York chamada Betty Dodson fez sua primeira exposição sexualmente explícita de uma mulher na Wickersham Gallery na Madison Avenue. De acordo com Dodson, a estréia da instalação marcou sua incursão na educação sexual. Quatro anos depois, ela lançou uma série de palestras chamadas Bodysex Workshops, nas quais usava vibradores para ensinar mulheres sobre masturbação, e em 1974 ela lançou seu primeiro livro, Liberating Masturbation. Dodson, como tantas mulheres na época, procurava brinquedos sexuais em locais bastante convencionais.

“Vibradores elétricos eram vendidos como máquinas de massagem e eu os comprei na seção de eletrodomésticos da Macy’s”

Betty Dodson

Enquanto Liberating Masturbation era vendido junto com a Magic Wand no Eve’s Garden – uma nova e um tanto subversiva sex shop que atendia especificamente às mulheres – Dodson optou pela Panasonic Panabrator em suas primeiras demos. Em 1975 ela o substituiu pela Varinha Mágica. De acordo com Dian Hanson, ex-editora da Juggs, Leg Show e várias outras revistas masculinas, e atual Sexy Book Editor da Taschen Publishing, Dodson a iniciou na Wand em 1977 e desde então ela tem sido uma devota.

“Ela me disse para comprar uma Varinha Mágica Hitachi, mas para ter cuidado com seu poder, tanto físico quanto psicológico, já que é um agente viciante equivalente à heroína”, disse Hanson. “Minha única experiência anterior com um vibrador era uma coisa de plástico rosa que continha duas baterias de célula D; a Hitachi era um mundo totalmente diferente.”

A reação de Hanson à Varinha Mágica não é única. A Internet está inundada de relatos sobre sua força, versatilidade e poder de permanência. É comumente referido como o Cadillac dos vibradores e tem sido um best-seller na sex shop progressiva Good Vibrations desde sua inauguração em 1977. Ele evoluiu de tímidos anúncios na parte de trás da revista política liberal Mother Jones nos anos 80 para ser piada em programas humorísticos na televisão e Internet. Nesse ínterim, tornou-se regular nas páginas de revistas femininas como Cosmo, apareceu como fiel ajudante em filmes adultos e gerou um exército de cópias não autorizadas. Nos mais de 50 anos desde seu lançamento, os avanços tecnológicos levaram a saltos massivos na tecnologia de consumo, mas a Varinha Mágica permaneceu praticamente inalterada.

“Ela me disse para comprar uma Varinha Mágica Hitachi, mas para ter cuidado com seu poder, tanto físico quanto psicológico, já que é um agente viciante logo atrás da heroína”

Dian Hanson

Isto é, até 2013. A Hitachi abandonou a velha embalagem dos anos 1980, reformulou os materiais para um produto mais leve e durável e trocou a placa de circuito. Para os não iniciados, parecia a velha Varinha Mágica da mamãe, com uma notável exceção: o nome Hitachi não aparecia na embalagem.

A Varinha Mágica ocupa um lugar especial na história da sexualidade feminina e dos eletrônicos de consumo, mas não é o primeiro dispositivo desse tipo a ser comercializado como um massageador pessoal, nem o primeiro produzido por um líder na indústria de eletrônicos. A GE também comercializou o seu modelo, assim como a Panasonic e a Oster (mais conhecido por seus liquidificadores).

De acordo com The Technology of Orgasm, de Rachel P. Manes, o primeiro vibrador eletrônico apareceu em 1878, antes do rádio, da televisão e de uma série de outras tecnologias inovadoras. Maines descreve um dispositivo, alimentado por uma bateria enorme, inventado por um médico inglês chamado Joseph Mortimer Granville e fabricado pela Weiss, uma fabricante de instrumentos médicos.

O folião motorizado da Weiss foi usado pela primeira vez para tratar a histeria, uma antiquada condição médica [que nunca existiu] que se pensava ser curada pelo orgasmo feminino. Como destaca Maines, no início dos anos 1900, havia dezenas de modelos no mercado e seus usos se expandiram para incluir tratamento para tudo, desde artrite e prisão de ventre até dores musculares.

The Rabbit Habit, outro vibrador popular distribuído pela Vibratex – Imagem: Engadget

Desde que Mortimer Granville inventou o primeiro vibrador elétrico, esses ‘gadgets’ penetraram com sucesso no entretenimento, com aparições nos principais filmes, programas de TV populares e revistas de moda. Mesmo Oprah Winfrey não tem medo de falar o que pensa sobre o assunto. (Aparentemente, a “grande O” prefere algo do tamanho de um “pulverizador de perfume” a massageadores de costas descomunais, como a Varinha Mágica.) As atitudes em relação ao sexo e aos brinquedos sexuais mudaram drasticamente, mas nenhum outro vibrador capturou a imaginação convencional como a Varinha Mágica, exceto para talvez o “multipontas” Rabbit, que foi o centro das atenções em um episódio de Sex and the City.

Com a ajuda da grande mídia, discussões sérias sobre a masturbação passaram dos confins das oficinas de sexualidade feminina para o nível da cultura popular. Em 1994, a então “Surgeon General” dos EUA, Joycelyn Elders, já à época uma figura controversa, foi forçada a renunciar após sugerir que os alunos fossem ensinados a se masturbar para conter a disseminação da AIDS.

Percorremos um longo caminho desde a renúncia de Elders; leis arcaicas que restringiam a venda de brinquedos sexuais lentamente caíram dos códigos legais e figuras públicas como Oprah legitimaram o assunto na grande mídia. Mas a masturbação e seus acessórios ainda são tabu. Na verdade, é difícil obter informações sobre a Magic Wand fora das anedotas pessoais e do site oficial do dispositivo. MagicWandOriginal.com contém uma lista de especificações, análises de usuários e uma vaga história do aparelho, mas nenhuma menção às suas origens.

É comumente referido como o Cadillac dos vibradores e tem sido um best-seller na sex shop progressiva Good Vibrations desde sua inauguração em 1977 – Imagem: Hitachi

Parece que o silêncio é proposital. Entramos em contato com a Hitachi várias vezes enquanto pesquisávamos essa história e não recebemos resposta. Na verdade, de acordo com Eddie Romero, diretor de operações da Vibratex, a principal importadora americana do dispositivo, a Hitachi planejava descontinuar o produto antes do redesenho de 2013. Segundo ele, a Hitachi é uma empresa japonesa “muito tradicional” e não queria que seu nome fosse vinculado ao que é essencialmente o brinquedo sexual mais conhecido da Terra. A Vibratex, ainda não preparada para perder seu maior sucesso de vendas (250.000 por ano), convenceu a Hitachi a continuar produzindo-o sob o nome Magic Wand Original [Varinha Mágica Original].

“Evidentemente, o Sr. Hitachi (Senior). não gostou da ideia de que sua máquina de massagem estava proporcionando orgasmos a milhões de mulheres”, disse Dodson. “Que merda! Ele continua sendo meu vibrador favorito até hoje.”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s