A Colisão do Crescimento*

Será a modernidade compatível com os limites do planeta?

Em termos simples, as pessoas querem (e são encorajadas a querer) bens e serviços além de suas necessidades básicas, e os mercados ficam felizes em atender.

Imagem: pexels.com

Uma receita comum para os países alcançarem altos padrões de vida tem sido a combinação de democracia e capitalismo. Na maioria das vezes, as pessoas votam em políticas que prometem melhorar suas circunstâncias, e as corporações tomam decisões visando maximizar os lucros/crescimento. Políticos e financistas comemoram números de crescimento forte (resmungando apenas quando um mercado superaquecido pode sinalizar inflação descontrolada), enquanto lamentam trimestres fracos e praticamente entram em pânico com a perspectiva de um período recessivo.

Hoje, o sistema econômico capitalista financeirizado que domina a atividade humana baseia-se no crescimento econômico constante e na expectativa de um futuro maior, testemunhado em taxas de juros, empréstimos, investimentos, dívidas públicas e privadas maciças e o papel descomunal do sistema bancário. O crescimento é considerado um bem tão indiscutível que o Objetivo nº 8 de Desenvolvimento Sustentável em 2015, da ONU, na verdade exige taxas de crescimento de 7% nos países menos desenvolvidos. Embora esse número seja um alvo a ser alcançado para a diminuição da distribuição desigual da riqueza entre as nações, como sempre a meta ainda é baseada na velha economia movida a combustíveis fósseis.

Imagem: Vox Leone via DreamStudio AI

A contradição embutida no sistema não cede. O crescimento, tanto material quanto econômico, simplesmente não pode continuar indefinidamente em um planeta finito. Economistas – baseados apenas em um curto período de evidência empírica – argumentam que a substituição e a dissociação [não encontro referências em português] são mecanismos que podem permitir um crescimento indefinido, se utilizados. Muitos exemplos do passado reforçam tais argumentos.

Contudo, a evidência que temos não sustenta a ideia de que o funcionamento básico da economia moderna pode acontecer sem um fluxo maciço de material e energia. Na prática, os ganhos de eficiência são amplamente zerados por qualquer crescimento adicional. Lembre-se de que todos os exemplos de progressos passados da era industrial ocorreram no contexto da exploração insustentável de recursos finitos. O futuro não precisa se parecer com o passado recente – na verdade, impactos irreversíveis acumulados significam que ele já não pode mais parecer.

Considere a história do uso de energia nos Estados Unidos nos últimos duzentos anos. A tendência segue de perto uma taxa de crescimento constante de aproximadamente 2,4% ao ano para todo este período, correspondendo convenientemente a um aumento de aproximadamente um fator de 10 a cada século. Aplicando essa taxa à taxa de produção de energia global de hoje – de 18 TW – sugere que o uso de energia da humanidade excederia a produção de todo o Sol em 1300 anos e todas as 100 bilhões de estrelas na Via Láctea em 2400 anos. Continuar com esse crescimento anual de produção de energia claramente não é possível por muito tempo em escalas de tempo relevantes para a civilização.

Pensando de outra forma, os processos de energia na Terra produzem calor que deve ser irradiado para o espaço – o único canal de resfriamento significativo. Não importa qual seja a tecnologia – mesmo permitindo recursos energéticos hipotéticos e não descobertos – a Lei de Stefan-Boltzmann na física prescreve a temperatura de equilíbrio da superfície do planeta em função da energia produzida.

Com um aumento anual contínuo de 2,4% na produção de energia, a superfície da Terra atinge temperaturas de ebulição em cerca de 400 anos e atinge a temperatura da superfície do Sol em 1000 anos. Esses números – que superam o efeito do aquecimento global impulsionado pelo CO2 – são claramente absurdos, acabando com qualquer noção de que o crescimento de energia experimentado nas últimas centenas de anos possa continuar em ritmo acelerado por outras centenas.

Imagem: Vox Leone via DreamStudio AI

Mas por que a cessação do crescimento do consumo de energia deveria significar o fim do crescimento econômico? Afinal, nem toda atividade econômica é intensiva em energia (a ideia de dissociação, como observado acima). Mas algumas atividades sempre consumirão muita energia: água fervente e outras tarefas térmicas; fertilização e colheita de alimentos; processos de fundição de alumínio e outros materiais; e transporte de pessoas e mercadorias.

Muitos deles são itens básicos não negociáveis da atividade humana e serão limitados em escala máxima pelos fatos elencados nos últimos três parágrafos. Por sua vez, a fração da economia “dissociada” – bens/serviços de valor intangível ou estético, por exemplo – deve permanecer modesta, para que os elementos essenciais de sobrevivência não sejam relegados a uma fração insignificante (portanto arbitrariamente barata) do cenário econômico

A cultura humana – os valores, crenças e atitudes das pessoas – está complexamente entrelaçada nessas transições impulsionadas pela energia.


(*) Esta é a minha tradução da Parte 4 – The Growth Collision – do espetacular artigo Modernity is incompatible with planetary limits: Developing a PLAN for the future (Novembro, 2021), que trago aqui invocando “fair use”, e que pode ser lido na íntegra [em inglês] neste link permanente:

https://doi.org/10.1016/j.erss.2021.102239


Segundo depreendo da leitura do artigo, mesmo com o uso de tecnologias limpas o planeta se aqueceria em resposta às atividades humanas, como decorrência natural da citada lei de Stefan-Boltzmann, e apenas ela. Para que haja equilíbrio o calor gerado pela energia produzida deve escapar para o espaço na totalidade. A simples presença de uma atmosfera já garante a retenção do calor que deveria ser irradiado, levando inevitavelmente a um aquecimento global. As leis da física não oferecem solução para o nosso tipo de progresso.

O que os autores propõem, aparentemente, não é nada menos do que um sistema econômico energeticamente vegetativo, sustentando uma população humana pelo menos uma ordem de grandeza (10x) menor do que a que hoje vaga pelo planeta (8 bilhões). As implicações desse argumento — a total renúncia à tecnologia de massa, e, consequentemente ao nosso estilo de vida (iluminismo, democracia, capitalismo) é devastadora e não pode ser esgotada em um simples post de blog.

Eu gostaria de ver um debate substantivo sobre este tema em nossa língua mãe. Esta é uma pequena contribuição. Seguirei a inquirir.

Citando o Meio Ambiente, Tesla Adia Planos para o Bitcoin

O preço do Bitcoin despencou depois que Elon Musk disse que a Tesla não aceitaria mais a criptomoeda como método de pagamento. O anúncio foi feito pelo CEO em um comunicado no Twitter na noite de quarta-feira (12/5). Musk levantou preocupações sobre o impacto climático da mineração de Bitcoin.

Musk, que esteve sob os holofotes recentemente por manipular o preço das criptomoedas por meio de tweets, citou como o raciocínio por trás da reviravolta da Tesla a enorme quantidade de energia elétrica necessária para manter o Bitcoin rodando – e os impactos ambientais decorrentes.

Grandes aglomerados de CPUs, em grandes datacenters, são usados para minar Bitcoin, através de um processo chamado ‘prova de trabalho’. A prova de trabalho é computacionalmente complexa, exigindo o cálculo de chaves criptográficas em tempo integral. A complexidade da computação tem uma relação linear com o consumo de energia: mais computação –> mais energia.

“Estamos preocupados com o rápido e crescente uso de combustíveis fósseis para mineração e transações de Bitcoin, especialmente o carvão, que tem as piores emissões de qualquer combustível”, disse o comunicado. Embora a criptomoeda seja uma “boa ideia em muitos níveis”, ela tem um “grande custo para o meio ambiente”, disse Musk.

O preço do Bitcoin caiu quase 13% após o anúncio da Tesla, de acordo com a Coin Metrics. O site de criptomoedas Coindesk mostrou que o valor em dólares do Bitcoin caiu para uma 24-hour low, pouco acima de US$ 46.000, antes de se recuperar ligeiramente para flutuar em torno de US$ 50.000.

Envolvimento Tesla-Bitcoin

A Tesla provocou uma explosão do Bitcoin em fevereiro, após anunciar que investiria cerca de US$ 1,5 bilhão na criptomoeda, com a intenção de permitir que os clientes a usassem para comprar seus carros eletricos.

O valor de mercado total da carteira de Bitcoin da Tesla no final de março era de US$ 2,48 bilhões, como mostraram os registros de títulos. Apesar da movimentação, a Tesla disse que não planeja vender suas participações em Bitcoin.

“A Tesla não venderá nenhum Bitcoin e pretendemos usá-lo para transações tão logo o processo de mineração faça a transição para um modal de energia mais sustentável”, disse o comunicado. A empresa também procura outras opções de criptomoeda, sem os impactos ambientais do Bitcoin, complementa.

Alguns observadores também se refiriram ao recente anúncio de que governos nacionais dariam início a um “enquadramento” da estrutura das criptomoedas para explicar a decisão.

Impacto no meio ambiente

Um estudo realizado em 2019 por pesquisadores da Universidade Técnica de Munique e do MIT descobriu que as emissões de CO2 para toda a rede Bitcoin chegaram a 22,9 milhões de toneladas em 2018. Nessa taxa, a curva de emissões de carbono atribuíveis ao Bitcoin se assemelha à de uma grande cidade de um país rico ou de todo um país em desenvolvimento como o Sri Lanka.

Musk tem mostrado um grande entusiasmo em popularizar o uso de carros elétricos, como os produzidos pela Tesla, atraindo motoristas para longe dos veículos com os motores de combustão interna, que respondem por uma boa parte das mudanças climáticas.

Sem Paris: Risco de Degelo Antártico Descontrolado

Como dizem por aí, e a maioria diz que a maioria diz, o mundo corre um risco crescente de desencadear um aumento acelerado e potencialmente incontrolável do nível do mar a partir do derretimento do manto de gelo da Antártica, se as emissões de gases de efeito estufa não forem rigorosamente reduzidas. No entanto, esse destino pode ser evitado se as metas do Acordo de Paris forem cumpridas, de acordo com dois novos estudos publicados nesta quarta-feira (05/05).

Plataforma de gelo se parte no Mar de Weddel, Antártica, formando um cânion de 100 m de altura e largura crescente.

Está em jogo a viabilidade de megacidades costeiras como Xangai, Manila e Nova York, bem como de nações inteiras como as Maldivas. A gravidade do aumento do nível do mar depende muito do ritmo e da extensão do derretimento das duas maiores massas de gelo do mundo: Antártica e Groenlândia.

O Acordo de Paris, alcançado em 2015 depois de muitas negociações, prevê limitar o aquecimento adicional do planeta a “bem abaixo” de 2°C e que os países se esforcem para manter o aquecimento em 2100 a não mais que 1,5°C acima dos níveis pré-industriais.

Mas o globo já aqueceu cerca de 1,2°C em comparação com a era pré-industrial, e as promessas modestas dos países em Paris, até agora, nos colocam em curso para cerca de 3°C de aquecimento até 2100.

Já há evidências de que o aquecimento está desestabilizando partes da Antártica. As plataformas de gelo flutuantes que sustentam partes do manto de gelo continental da Antártica Ocidental estão se afinando à medida que a água quente do oceano se esgueira por baixo, enquanto as altas temperaturas do ar as corroem por cima. À medida que as massas de gelo terrestre perdem o apoio desse gelo oceânico, elas aceleram o fluxo do interior para o mar, como se removêssemos o calço de uma porta.

O climatologista Rob DeConto, da Universidade de Massachusetts em Amherst – autor de um dos novos estudos, bem como outros cientistas, mostraram que há também a possibilidade de que enormes penhascos de gelo, maciços e instáveis, ​​possam se formar na borda das geleiras – e entrar em colapso repentino.

Geleira derrete na Antártica. Em vermelho, o derretimento mais intenso

Os estudos, ambos publicados na revista Nature, mostram que as taxas futuras de aumento do nível do mar estão intimamente ligadas à rapidez [ou falta de] com que as emissões de gases de efeito estufa serão reduzidas no curto prazo.

Ambos os trabalhos concordam que se o aquecimento se limitar às metas de Paris – uma grande incógnita, dadas as tendências recentes de emissões – o aumento do nível do mar na Antártica continuará no mesmo ritmo de hoje até 2100.

Nessa altura, o continente terá contribuído com cerca de nove centímetros para o aumento global do nível do mar.

Contudo, se o aquecimento seguir o cenário de 3°C ou mais, a elevação do nível do mar pode começar a acelerar irreversivelmente logo em 2060, mostra o trabalho liderado pelo DeConto, e atingir 15 a 34 centímetros, em 2100.

Magnitudes muito maiores de aumento do nível do mar ocorreriam após 2100, da ordem de vários metros, se as emissões continuassem altas até o próximo século, mostra o estudo. “Esse é um tipo de mudança ambiental catastrófica, que vai alterar totalmente o mundo”, disse DeConto.

DeConto e seus colegas usaram centenas de simulações do comportamento do manto de gelo em modelos de computador, para recriar perdas de gelo e elevação do nível do mar (históricas e recentes) e fazer projeções futuras.

Realmente não estamos encontrando nos dados nenhuma maneira de desacelerar as coisas, depois que a camada de gelo começar a derreter rapidamente

Os pesquisadores descartaram as projeções inconsistentes com observações e dados históricos. Eles também incorporaram 16 anos de imagens de satélite detalhadas, para ajudar a tornar a modelagem o mais precisa possível. Nas simulações, eles limitaram os parâmetros de instabilidade dos penhascos de gelo ao que é realmente observado nas geleiras na Groenlândia. Contudo, DeConto observou que essa instabilidade continua sendo um fator – ainda desconhecido – que pode acelerar dramaticamente a perda de gelo da Antártica.

O outro estudo, liderado por Tamsin Edwards do Kings College no Reino Unido, analisou a perda de gelo terrestre em todo o mundo e descobriu que limitar o aquecimento global a 1,5°C cortaria pela metade a contribuição do gelo terrestre para o aumento do nível do mar em comparação com o ritmo atual.

O estudo conduzido por Edwards não inclui a plataforma glacial oceânica, nem as instabilidades dos penhascos de gelo – que podem aumentar drasticamente o derretimento da Antártica. Ele adverte que a perda de gelo daquele continente pode estar sendo até cinco vezes maior do que a registrada, o que aumentaria a contribuição para o aumento do nível do mar para até meio metro em 2100.

Devido em grande parte à instabilidade das plataformas de gelo e à baixa altitude das áreas do interior da Antártica ocidental, essa parte da camada de gelo constitui um dos muitos – e temidos – “pontos de inflexão” das mudanças climáticas. “Realmente não estamos encontrando nenhuma maneira de desacelerar as coisas, depois que a camada de gelo começar a derreter rapidamente”, disse DeConto.

DeConto e seus colegas descobriram que o degelo descontrolado ocorreria mesmo se tecnologias para descarbonizar a atmosfera – que ainda estão em sua infância – fossem empregadas no final deste século.

“Este estudo é um lembrete gritante de que são necessários cortes profundos e sustentados nas emissões de gases de efeito estufa”, diz a co-autora do estudo Andrea Dutton, da Universidade de Wisconsin-Madison.

Dutton observou que a taxa de aumento do nível do mar pode saltar rápida e acentuadamente, incluindo no futuro próximo entre 2050 e 2070, se as emissões permanecerem altas, anulando os esforços dos residentes das regiões costeiras para lidar com o aumento das inundações.

Conclusão: os novos estudos mostram que limitar o aquecimento global por meio de cortes de emissões agora evita efeitos dispendiosos e disruptivos no futuro.