Citando o Meio Ambiente, Tesla Adia Planos para o Bitcoin

O preço do Bitcoin despencou depois que Elon Musk disse que a Tesla não aceitaria mais a criptomoeda como método de pagamento. O anúncio foi feito pelo CEO em um comunicado no Twitter na noite de quarta-feira (12/5). Musk levantou preocupações sobre o impacto climático da mineração de Bitcoin.

Musk, que esteve sob os holofotes recentemente por manipular o preço das criptomoedas por meio de tweets, citou como o raciocínio por trás da reviravolta da Tesla a enorme quantidade de energia elétrica necessária para manter o Bitcoin rodando – e os impactos ambientais decorrentes.

Grandes aglomerados de CPUs, em grandes datacenters, são usados para minar Bitcoin, através de um processo chamado ‘prova de trabalho’. A prova de trabalho é computacionalmente complexa, exigindo o cálculo de chaves criptográficas em tempo integral. A complexidade da computação tem uma relação linear com o consumo de energia: mais computação –> mais energia.

“Estamos preocupados com o rápido e crescente uso de combustíveis fósseis para mineração e transações de Bitcoin, especialmente o carvão, que tem as piores emissões de qualquer combustível”, disse o comunicado. Embora a criptomoeda seja uma “boa ideia em muitos níveis”, ela tem um “grande custo para o meio ambiente”, disse Musk.

O preço do Bitcoin caiu quase 13% após o anúncio da Tesla, de acordo com a Coin Metrics. O site de criptomoedas Coindesk mostrou que o valor em dólares do Bitcoin caiu para uma 24-hour low, pouco acima de US$ 46.000, antes de se recuperar ligeiramente para flutuar em torno de US$ 50.000.

Envolvimento Tesla-Bitcoin

A Tesla provocou uma explosão do Bitcoin em fevereiro, após anunciar que investiria cerca de US$ 1,5 bilhão na criptomoeda, com a intenção de permitir que os clientes a usassem para comprar seus carros eletricos.

O valor de mercado total da carteira de Bitcoin da Tesla no final de março era de US$ 2,48 bilhões, como mostraram os registros de títulos. Apesar da movimentação, a Tesla disse que não planeja vender suas participações em Bitcoin.

“A Tesla não venderá nenhum Bitcoin e pretendemos usá-lo para transações tão logo o processo de mineração faça a transição para um modal de energia mais sustentável”, disse o comunicado. A empresa também procura outras opções de criptomoeda, sem os impactos ambientais do Bitcoin, complementa.

Alguns observadores também se refiriram ao recente anúncio de que governos nacionais dariam início a um “enquadramento” da estrutura das criptomoedas para explicar a decisão.

Impacto no meio ambiente

Um estudo realizado em 2019 por pesquisadores da Universidade Técnica de Munique e do MIT descobriu que as emissões de CO2 para toda a rede Bitcoin chegaram a 22,9 milhões de toneladas em 2018. Nessa taxa, a curva de emissões de carbono atribuíveis ao Bitcoin se assemelha à de uma grande cidade de um país rico ou de todo um país em desenvolvimento como o Sri Lanka.

Musk tem mostrado um grande entusiasmo em popularizar o uso de carros elétricos, como os produzidos pela Tesla, atraindo motoristas para longe dos veículos com os motores de combustão interna, que respondem por uma boa parte das mudanças climáticas.

Tesla Motors Mostra um Caminho para a Privacidade Online

Em meio às intrusões de privacidade da vida digital moderna, poucas são tão onipresentes e alarmantes quanto as perpetradas pelos profissionais de marketing. A economia de toda uma indústria é construída com ferramentas obtidas nos cantos sombrios da Internet e nos espreita com olhos de aço enquanto nos envolvemos com informação, produtos, amigos e até amantes online, coletando dados em todos os lugares nos quais nossos celulares e navegadores ousarem estar.

Photo by Craig Adderley on Pexels.com

Esse modelo de marketing digital – desenvolvido há três décadas e premissado na ideia de que é ok para terceiros reunir nossos dados privados e usá-los de qualquer maneira que quiserem – vai crescer ao status de uma indústria de US $ 77 bilhões nos EUA este ano, de acordo com a Research Forrester.

Nuvens de tempestade estão se formando em torno do setor, no entanto, e há novas questões sendo levantadas sobre a viabilidade da coleta de dados sub-reptícios como modelo de negócios sustentável. Dois fatores são tipicamente citados: a) os reguladores na Europa já começaram, e b) aqueles nos EUA também estão prontos para começar a cercar as mais intrusivas dessas práticas de marketing. Adicionalmente, o crescimento da Internet móvel e a dependência em aplicativos em vez de navegadores (para 85% da nossa atividade on-line), tornaram mais difícil coletar dados do usuário.

E há, então, a Tesla Motors e seu modelo de marketing avesso à publicidade, que não usa dados de terceiros para aumentar a conscientização e o interesse por sua marca, impulsionar o desejo por seus produtos ou estimular ações por seus clientes. Em vez disso, a montadora elétrica depende do “cultural branding” para fazer o trabalho pesado de marketing que levou a marca ao topo do mercado de veículos elétricos. E embora a Tesla não seja a única marca se engajando na cultura digital da multidão e evitando a coleta de dados de terceiros, seu sucesso está causando a maior consternação dentro das fileiras dos marqueteiros de intrusão.

Os formuladores de políticas na Europa e nos EUA, procurando responder à preocupação do setor de que a regulamentação da privacidade sufocaria o marketing digital, deveriam observar o recente sucesso da Tesla no marketing de seu modelo 3. O veículo, que pretende ser um primo do luxuoso Tesla S para as massas , atraiu 500.000 clientes nas semanas após sua apresentação em 2016. Cada um daqueles clientes fez um depósito de US $ 1.000 para garantir um lugar na fila para adquirir um carro em algum momento nos próximos 24 meses.

Para atingir este triunfo de marketing, a Tesla não comprou anúncios digitais de mercados on-line que usam dados de terceiros para identificar clientes em potencial. Ela não se intrometeu, de nenhuma forma aparente, na privacidade de seus potenciais clientes, coletando sub-repticiamente informações sobre suas atividades on-line. O que ela fez foi demonstrar persuasivamente que as marcas podem alcançar um grande sucesso sem usar métodos abusivos ao cliente na coleta de dados.

Modelos de marketing baseados em dados de terceiros, utilizam informações detalhadas sobre clientes em potencial para direcionar a sua futura publicidade online. Esse conceito de mercado foi aprimorado pelo Google em 2008, quando comprou a DoubleClick e combinou a tecnologia de anúncios da empresa com seu próprio conhecimento do comportamento online do consumidor. Outros grandes “players”, como o OpenX, o Microsoft AD Exchange e o Netketplace AppNEXUS, também usam informações profundas e temporâneas sobre as atividades online dos usuários para vender anúncios digitais para marcas. O Facebook também adaptou esse modelo dentro de seu ambiente cativo. Neste momento, o Google e o Facebook controlam 64% dos dólares publicitários digitais gastos nos EUA.

Em contraste, o modelo de cultura digital das multidões não requer resposta a anúncios on-line em forma de click. Ele absorve energia não do acúmulo de dados digitais privados, mas sim da autenticidade das informações recebidas de membros confiáveis ​​da multidão digital, em forma de cultura (como este blog).

Uma marca que atinge sucesso dessa maneira tem o potencial para criar um fenômeno cultural poderoso e democrático e tem também o direito adicional de se gabar por ser um cidadão corporativo responsável que não viola a privacidade do cliente.