Esse Estranho Capitalismo Virtual

A indústria de Tecnologia, Informação e Comunicação (TIC) tem uma questão interessante, e os economistas profissionais aparentemente não gostam de falar sobre ela.

Imagem: Pexels

Em praticamente todos os setores da economia o preço de um bem sobe mais rápido do que sua utilidade, um fenômeno intrinsecamente “inflacionário”. Portanto, há pouco sentido em adiar uma compra – logo, compre um apartamento ou casa o mais cedo possível.

Agora considere os computadores, um item cujo desempenho (utilidade) historicamente dobrou a cada 18 meses, segundo a progressão conhecida como Lei de Moore. No entanto, o preço deles em moeda fiduciária permaneceu relativamente estável. Ou seja, R$ 1.500 sempre deram acesso a um moderno laptop para consumo ou negócios, ano após ano.

Enquanto isso, a maioria das outras coisas sofria com uma inflação da moeda fiduciária de cerca de 3% ao ano. Portanto, depois de uma década, o que custava $100 agora fora reajustado para ~ $134. Note que com a economia pagando, na melhor das hipóteses, cerca de 2% de rendimento, você só teria ~ $125 guardados na poupança nesse mesmo período.

Assim, quando você quisesse comprar um laptop de ponta, seus $ 1.500 no banco, depois de uma década, teriam chegado a $1.875 ($375 a mais). Contudo, o computador seria 100 vezes mais poderoso. Do ponto de vista econômico, isso representa uma deflação muito séria e muito prejudicial. Portanto, pelas normas da economia clássica, a industria de TIC não deveria existir – nem qualquer outra indústria de eletrônicos de consumo.

O capitalismo virtual

Esse problema estava se espalhando para o mercado automotivo, devido à eletrônica embarcada, o que estava se mostrando prejudicial de várias maneiras.

No entanto, e esse é o novo fenômeno, alguns fabricantes automotivos agora não mais “vendem” carros aos consumidores. Em em vez disso eles agora usam expressões como “buy back” ou “trade up“- uma espécie de leasing rebatizado. Em essência, fazem você pagar uma taxa de uso mensal indefinidamente. Eles apenas te dão outro carro, com cada vez mais componentes eletrônicos, a cada três anos – o que ainda é efetivamente deflacionário pelas regras dos economistas clássicos.

Alguns fabricantes de carros de ponta nem tentam esconder o fato de que os seus produtos vêm com todos os recursos possíveis já embutidos – só que desativados. Se você pagar um pouco a mais a cada mês, eles vão permitir que você os use, bastando apenas uma atualização remota do cṍdigo.

Você não é proprietário legítimo do carro [arrisco dizer que, nessas condições, dar certos comandos de voz em tons mais ríspidos poderia trazer apuros jurídicos].

Além disso, como reza o contrato [que você talvez não tenha lido], você precisa também dar a eles a sua alma, em forma de um dilúvio de informações pessoais.

Um sabor de mercantilismo

As velhas regras da economia estão se tornando menos relevantes à medida que somos forçados a uma economia rentista da qual não se pode escapar. Veja assim o futuro próximo: perca sua renda por algum motivo e eles, remotamente, desligam tudo o que você achava que possuía. Mesmo assim todas as coisas ao seu redor ainda vão continuar a espionar você minuto a minuto, dia a dia – porque para se desconectar é preciso usar uma das funcionalidades que eles desativaram remotamente. Nada como a proverbial “liberdade capitalista”.

De qualquer forma, em um futuro próximo certamente haverá alguma cláusula legal para fazer você pagar um montante adicional para ser excluído da vigilância.

Pelo que me disseram, as telecoms americanas chegaram muito perto desse modelo, ou de algo que serviria de trampolim para ele. O usuário pagaria pelo plano de conectividade – em oposição a um modelo grátis baseado em anúncios – mas mesmo assim as empresas o espionariam e venderiam os dados coletados.

Se você quisesse o plano “sem vigilância”, a ideia era que você teria que pagar mais, com todos os tipos de outros penduricalhos, etc., totalizando algo como $30/mês a mais – eles ainda iriam espionar e coletar dados, mas não “vendê-los” enquanto você continuasse a pagar o “resgate” [como em um sequestro].

Não ficou claro o que eles queriam dizer com “não vender” e não havia garantia de que eles não venderiam todos os seus dados privados em uma data posterior – aparentemente alguém decidiu que o mercado ainda não estava pronto para essa opção, “ainda”.

Post scriptum

O capitalismo tem perdido também outras dimensões. Acabamos de ver aqui como o capitalismo está rapidamente se dissociando da ideia de “propriedade”.

Mas nem é preciso uma análise atenta para ver que o conceito de concorrência está sendo pulverizado por monopólios cada vez mais poderosos. Noções mais abstratas e difusas, como virtude, pudor, modéstia e mérito, tão sagradas à clássica moral capitalista protestante, já foram extintas pela brutal economia da atenção e pelo imediatismo narcisista das redes sociais, em que é possível encontrar completos imbecis a fazer fortunas da noite para o dia, e a ditar o ethos da época [o que alguns chamam de zeitgeist].

Eticamente, o capitalismo está em frangalhos, desta vez muito mais do que esteve em qualquer período da história, e a marcha de sua insensatez parece apenas se acelerar. O capitalismo se parece cada vez mais com o seus antecessores primitivos, o feudalismo e o mercantilismo. A social-democracia de tempos atrás, praticamente extinta, me parece agora um regime muito mais sofisticado e justo – e em 1989 parecia, de fato, ter vencido a História.

Realmente, só se dá valor ao que se perde.

O Merecido Inferno Astral do Facebook

A empresa-mãe do Facebook, Meta, vive uma sequência sem precedentes de dias ruins. Em uma teleconferência de resultados no início do mês, os executivos relataram que, pela primeira vez em sua história, o Facebook havia perdido usuários ativos diários no trimestre anterior – cerca de um milhão deles, para ser exato.

O Facebook transforma empreendedores em mendigosImagem: Pexels

A Meta também gastou bilhões em seus projetos de realidade virtual, que o CEO Mark Zuckerberg apresentou como o futuro da empresa. Na esteira da divulgação sombria, a Meta caiu mais de US$ 237 bilhões em valor no dia 3/2, a maior perda de um dia no mercado de ações dos EUA (isso é mais do que o valor de mercado da Netflix ou do Twitter.) O patrimônio líquido de Zuckerberg também caiu US$ 31 bilhões. Foi uma notícia chocante para uma empresa que declarou números sólidos a fantásticos no passado, mesmo durante períodos de escândalo e ira pública.

Reformar a Big Tech (especificamente o Facebook) parece ser a única coisa com a qual ambos os lados do espectro político concordam em todo o mundo. Os políticos mais sensatos querem proteger os cidadãos dos danos que essas plataformas causam, enquanto políticos controversos de direita, como Ted Cruz [e muitos outros no Brasil], querem se intrometer no Facebook porque acham que a plataforma censura injustamente os pontos de vista conservadores.

A falta de consenso sempre foi o obstáculo para uma reforma significativa. Felizmente, há alguns sinais de encorajamento do lado direito da cena política (nos Estados Unidos), como o senador republicano Dan Sullivan, dizendo que o mundo um dia olhará para este para esse período e perguntará: “O que diabos estávamos pensando?”

Não estávamos pensando

Comparações entre Big Tech e Big Tabacco vêm borbulhando há anos. Mas agora, graças aos Facebook Files do Wall Street Journal, há evidências que mostram claramente os danos causados ​​pelo Facebook e Instagram. Pior ainda, os executivos do Facebook parecem saber exatamente o quão ruim é o problema, porque muitas das evidências são de primeira mão e eles ainda não tomaram nenhuma atitude à altura do problema.

É particularmente preocupante como a chefe de gerenciamento de políticas globais do Facebook, Monika Bickert, tentou distorcer as descobertas, afirmando que “a maioria dos jovens no Instagram está tendo uma boa experiência”.

Bickert estava dobrando a aposta em uma linha de argumento do Facebook, que quer forçar a todo custo a versão de que os resultados de uma pesquisa realizada no mês passado – mostrando que oito em cada 10 usuários adolescentes do Instagram nos EUA disseram que a plataforma os fez se sentir melhor – provou seus méritos.

O que acontece a seguir permanece um mistério. Mas esta semana, eu acho, marca um momento significativo no debate sobre o que fazer com o Facebook.

Pela integridade das pessoas e independência do mercado

Minha relação pessoal com o Facebook não pode ser pior. Para começar, fui um dos primeiros a aderir a plataforma, quando o Orkut era o lugar onde todos estavam. Foi difícil convencer meus amigos a experimentar o Facebook – para que eu tivesse com quem conversar no novo boulevard – que eu considerava menos cafona do que o Orkut com sua interface dantesca. Só muito depois a plataforma finalmente emplacou no Brasil. Eu ainda não sabia, mas naqueles dias minha vida de entrepreneur da web 2.0 iria se chocar contra um zuker-berg.

O Facebook é uma abominação que consumiu toda a Web no Brasil e em outros países do 3º mundo. Para muitos, não ter acesso ao Facebook significa perder a conexão com tudo, incluindo serviços essenciais para a vida offline. Mas nem sempre foi assim

Primeiro, tínhamos aplicativos de desktop (que sempre podiam comunicar dados para servidores de rede). Em seguida, envolvemos os aplicativos no navegador (que é essencialmente um sistema operacional em um sistema operacional), mas tínhamos nossas páginas e sites em servidores independentes, assim como temos nossos blogs em nossos servidores. Trabalhadores da área [eu!] tinham uma vida relativamente boa, construindo sites para empresas de todos os tamanhos, que assim eram donas de seus narizes na web. Eram completamente independentes, retendo com elas todos o valor de seus negócios.

Então inventamos as “redes sociais” e estamos colocando tudo lá.

Poderíamos apenas ter melhorado a tecnologia de aplicativos de desktop (incluindo descoberta, entrega, interoperabilidade, portabilidade e flexibilidade de design de interface do usuário), mas escolhemos os navegadores. Poderíamos parar por aqui, usar a Web padrão e melhorar a experiência de uso de RSS/Atom/RDF/XMPP/etc.

Mas não. Seguimos uma toada enfadonha e insana em direção ao imobilismo e à falta de agência. Rendemos nossas páginas, contatos, assinaturas para o Facebook. Praticamente todas as empresas do mundo agora dependem desse elemento tóxico em suas relações com os consumidores.

No campo da inteligência de negócios as empresas estão prostradas, compartilhando passivamente com os Mestres do Universo o valor principal de seu negócio [que são os bens imateriais proporcionados pelas interações]. O Facebook efetivamente transforma os empreendedores em mendigos a implorar migalhas da economia da atenção.

Os pequenos e médios estúdios e desenvolvedores independentes de software para infraestrutura web, que eram milhões em 2003, estavam aniquilados em 2015. Mesmo em um país da UE muito desenvolvido, as pessoas enfrentam o problema frequente de que algum item está disponível apenas via Facebook. Isso é surreal. Porque as empresas não mais se preocupam em ter seus próprios sites/e-mails/telefones. Isso representa um problema sério – e perturbadoramente óbvio – para a cadeia de suprimentos no médio e longo prazos [para não falar de empregos para a mão de obra qualificada].

Redes sociais precisam de regulamentação anti monopólio

É incrível que tenhamos chegado a um momento na história em que instituições empresariais e pessoas importantes – aparentemente bem sucedidas e inteligentes, voluntariamente contribuem para a hipercentralização da informação [portanto dos negócios] nas mãos de apenas uma corporação, que pode facilmente falhar – intencionalmente ou não. O Facebook está se tornando uma espécie de sistema chinês, em que há apenas uma rede. Os usuários usam aplicativos dentro dessa rede, e para eles, essa é a Internet. Isso é um sonho de controle social para um governo.

Olhando de forma mais ampla, as redes sociais são uma camada desnecessária dentro da arquitetura da web – embora a tendência maliciosa seja envolver as estruturas de comunicação dentro de mais e mais camadas. Este blog é uma prova viva disso [neste momento você não está em uma rede social].

Imagem: Pexels

Por mais liberal que eu possa ser, sou um homem sensato. Eu reconheço o primado do contrato social, que está danificado quase além de possibilidade de reparo, em grande parte por causa apenas dessa empresa de tecnologia. Isso precisa de severa reflexão. Eu esperaria que os governos reconhecessem a gravidade do problema [do monopólio] das redes sociais para a sustentabilidade econômica, para as relações internacionais, para a saúde mental de seus usuários e para a democracia.

Alguns governos já começam a levar as mudanças climáticas cada vez mais a sério. Este problema das redes sociais é o mais recente que enfrentamos e potencialmente pior: são as redes sociais que fomentarão a discórdia e o abandono da razão, que potencialmente nos levarão ao colapso da civilização.

Espero que ao testemunhar os recentes percalços muitas pessoas poderosas tenham se convencido de que o Facebook está, de fato, fora de controle.

Como a Riqueza é Gerada Hoje

Em 1960, a maioria das pessoas que começam uma startup hoje teria ido trabalhar para uma delas. Era possível ficar rico abrindo sua própria empresa em 1890 e em 2020, mas em 1960 isso não era realmente uma opção viável. Você não podia romper os oligopólios para chegar aos mercados. Portanto, a rota de prestígio em 1960 não era começar sua própria empresa, mas subir na escada corporativa em uma empresa já existente.

Transformar as pessoas em funcionários corporativos diminuiu a desigualdade econômica (e todos os outros tipos de desigualdade), mas se tomarmos como modelo de normalidade a metade do século 20, teremos em vista um modelo muito enganador. A economia das grandes corporações acabou sendo apenas uma longa fase e, a partir dos anos 1970, começou a se desintegrar.

Por que a fase acabou? Em parte por senescência. As grandes empresas que tomávamos como modelos de escala e eficiência em 1930 haviam se tornado frouxas e inchadas em 1970. Na década de 1970, a estrutura rígida da economia estava cheia de ninhos aconchegantes que vários grupos haviam construído para se isolar das forças do mercado. Durante o governo Carter, o governo federal americano percebeu que algo estava errado e começou, em um processo que chamaram de “desregulamentação”, a reverter as políticas que sustentavam os oligopólios.

Mas não foi apenas a decadência interna que quebrou a economia dos J. P. Morgans. Também houve pressão de fora, na forma de novas tecnologias, principalmente a microeletrônica. A melhor maneira de visualizar o que aconteceu é imaginar um lago com uma crosta de gelo. Inicialmente, o único caminho do fundo para a superfície é pelas bordas. Mas, à medida que a crosta de gelo enfraquece, você começa a conseguir chegar pelo meio.

As bordas do lago eram pura tecnologia: empresas que de fato se descreviam como sendo do ramo de eletrônicos ou software. Quando você usava a palavra “startup” em 1990, era isso que você queria dizer. Mas agora as startups estão avançando bem no meio da crosta de gelo e deslocando empresas já estabelecidas, como varejistas, redes de TV e montadoras.

Mas embora o colapso da economia industrial clássica tenha criado um novo mundo no sentido tecnológico, houve uma reversão ao normal no sentido social. Se apenas olharmos para meados do século 20, fica nítido que ficar rico abrindo sua própria empresa é um fenômeno recente. Mas se você olhar mais para trás, perceberá que realmente esse é o padrão natural. Portanto, o que devemos esperar no futuro é mais do mesmo. Na verdade, devemos esperar que tanto o número quanto a riqueza dos fundadores de empresas cresçam, porque a cada década fica mais fácil iniciar uma startup.

Parte do motivo pelo qual está ficando mais fácil iniciar uma startup é social. A sociedade está (re) assimilando o conceito de empreender. Se você começar um negócio agora, seus pais não vão pirar como faziam há uma geração, e o conhecimento sobre como fazer isso estará muito mais difundido. Mas a principal razão pela qual é mais fácil iniciar uma startup agora é que é mais barato. A tecnologia reduziu o custo de construção de produtos e aquisição de clientes.

O custo decrescente de iniciar uma startup, por sua vez, mudou o equilíbrio de poder entre fundadores e investidores. Antes, quando começar uma startup significava construir uma fábrica, você precisava da permissão dos investidores para fazer isso. Mas agora os investidores precisam dos fundadores mais do que os fundadores precisam dos investidores, e isso, combinado com a quantidade cada vez maior de capital de risco disponível, aumentou a valorização do setor.

Portanto, o custo decrescente de iniciar uma startup faz aumentar o número de pessoas ricas de duas maneiras: significa que a) mais pessoas iniciam uma empresa, e b) que aqueles que o fazem podem levantar dinheiro em melhores condições.

Mas também há um terceiro fator em ação: as próprias empresas são mais valiosas, porque empresas recém-fundadas crescem mais rápido do que antes. A tecnologia não só tornou mais barato construir e distribuir coisas, mas também tornou isso mais rápido.

Esta tendência já existe há muito tempo. A IBM, fundada em 1896, levou 45 anos para atingir um bilhão de dólares em receita. A Hewlett-Packard, fundada em 1939, demorou 25 anos. A Microsoft, fundada em 1975, demorou 13 anos. Agora, a norma para empresas de rápido crescimento é de 7 ou 8 anos.

O crescimento rápido tem um efeito duplo no valor das ações dos fundadores. O valor de uma empresa é função de sua receita e de sua taxa de crescimento. Portanto, se uma empresa cresce mais rápido, você não apenas atinge um bilhão de dólares em receita mais cedo, mas a empresa é mais valiosa quando atinge esse ponto do que seria se estivesse crescendo mais devagar.

É por isso que os fundadores às vezes ficam tão ricos tão jovens agora. O baixo custo inicial de iniciar uma startup significa que os fundadores podem começar jovens, e o rápido crescimento das empresas hoje significa que, se tiverem sucesso, poderão ser surpreendentemente ricas alguns anos depois.

Hoje é mais fácil do que nunca iniciar e expandir uma empresa. Isso significa que mais pessoas as iniciam, e aquelas que o fazem recebem melhores condições dos investidores e suas empresas se tornam mais valiosas. Depois de entender como esses mecanismos funcionam, e que as startups na verdade foram suprimidas durante a maior parte do século 20, você não precisa recorrer mentalmente à vaga curva à direita que os EUA deram no governo Reagan para explicar por que o coeficiente Gini da América está aumentando. É obvio que o coeficiente Gini está aumentando. Com mais gente começando empresas mais valiosas, como poderia não ser assim?

Uma régua de cálculo de 270 anos

Reportagem do Canberra Times, Australia

Em fevereiro de 2021, um objeto foi encontrado entre caixas doadas a uma certa organização. No começo, foi confundido com um metro dobrável, como aqueles usados em construções. Porém, após consulta com a Sociedade Americana de Oughtred (em honra a William Oughtred, popularizador da régua de cálculo), foi determinado que se tratava de uma régua de cálculo feita em 1753, uma das cinco únicas em existência. Uma descoberta verdadeiramente incrível.

Antes de calculadoras eletrônicas serem inventadas nos anos 1970, as réguas de cálculo eram as calculadoras portáteis do mundo; elas sustentavam a Revolução Industrial. Primeiro máquinas a vapor, depois aeronaves, arranha-céus, os programas espaciais americano e soviético, etc. Foram todos construídos usando réguas de cálculo. Havia uma régua de cálculo a bordo da problemática missão Apollo 13, que foi fundamental para o bom encaminhamento de uma situação potencialmente desastrosa (total pane elétrica).

Imagem: David Whittaker

Acredita-se que a régua de cálculo tenha sido projetada por John Suxspeach e tenha sido chamada inicialmente de Organão Católico ou Régua de Pé Deslizante Universal.

De acordo com o Museu Whipple de História da Ciência da Universidade de Cambridge, Suxspeach foi um Diretor de colégio em Londres que decidiu tornar a régua de cálculo amplamente disponível para o público. Ele foi o primeiro a obter uma patente real para o dispositivo, em 1753.

É certo que não há mais necessidade prática de usá-las na era digital, mas é sempre bom saber como utilizá-las em uma eventualidade. Afinal, os países asiáticos ainda aprendem matemática em ábaco. É sempre importante entender como a tecnologia progride de uma ferramenta para a outra.