O Smartwatch e o Autoconhecimento

Na filosofia, ainda não é uma questão decidida que o ‘mandamento’ “conhece a ti mesmo” possa ser realmente seguido, uma vez que não está claro que haja algo para conhecer.

Imagem: Pexels

No final de tudo, o “eu” [link] pode muito bem ser o pote de ouro no fim do arco-íris: pode simplesmente não existir. O eu pode ser uma ilusão, como sustentava a maioria das correntes da filosofia budista clássica; ou pode ser um “buraco de ser no coração do Ser”, como sugeriu Jean-Paul Sartre um tanto desconsoladamente; ou pode ser perfeitamente real, mas, por definição, além dos limites da cognoscibilidade.

A religião do corpo

Se você se convencer de que o mundo é complexo demais para a razão humana – como querem os adeptos da terra plana e outros milhões de infelizes sem luz que vagam pela redes, e que para você ele é definitivamente opaco ao conhecimento, sujeito aos desígnios de um Deus irascível, existem várias maneiras diferentes de reagir para superar o sentimento de frustração. Você pode decidir “seguir o fluxo”; viver seus dias na feliz ignorância de sua “verdadeira” natureza, mas em harmonia sentimental com o mundo ao seu redor.

Ou você pode voltar sua atenção para o seu corpo, como a coisa mais próxima que você vai chegar do próprio eu, e tentar aprender tudo o que puder sobre ele. Tentar encontrar seu equilíbrio e livrá-lo da decadência e da impermanência. Ao fazer isso, com o tempo você e seus pares podem vir a acreditar que as informações derivadas desse tipo de investigação podem ser consideradas realmente como autoconhecimento no sentido mais amplo.

Essa impressão de que o conhecimento das “estatísticas vitais” do corpo (velocidade, resistência, elasticidade, etc.) é um bem em si mesmo se torna particularmente atraente quando é apresentada não apenas como algo útil, mas como algo agradável. E não há maneira mais eficaz de tornar o aprendizado agradável do que transformá-lo em um game; fazê-lo depender da intermediação de algum dispositivo novo, prático e elegante, uma mistura de tecnologia e novidade – um gadget que não existia apenas alguns anos antes.

Em um mundo inundado com esses novos dispositivos, não é de todo surpreendente descobrir que o autoconhecimento que muitas pessoas buscam agora não é nada mais do que pode ser revelado pelo AppleWatch ou pelo Fitbit.

Anexar alguma recompensa tangível – como o progresso nas etapas de um videogame – a atividades cotidianas, como caminhar ou correr, parece estar muito de acordo com os interesses das empresas de tecnologia – com a benção de todos os governos – que querem a todo custo que você integre completamente o produto deles à sua vida e interaja com esse produto o tanto quanto possível.

Na China já se atribui “créditos sociais” (ou os deduz, no caso daqueles corajosos o suficiente para se opor ao governo) a tarefas mundanas, como participar de sessões de ioga, ou visitar um parente idoso. Esse crédito é instrumental na hora de adquirir uma casa ou usufruir certos privilégios. Nada se transaciona sem uma consulta a esse banco de dados.

Aplicando o manual aperfeiçoado pela China, governos e corporações de todo o mundo usam a psicologia comportamental e a neurociência para manipular as pessoas das mais variadas maneiras. Os algoritmos subtraem a liberdade de nossas mentes misteriosas e insondáveis, mantendo-as cativas e firmemente focadas na torrente de informação que sai das pequenas telas dos smartphones, simulacro da realidade do mundo exterior.

Neste ponto, devo anotar, confesso que eu não tenho certeza de que devamos abandonar totalmente a psicologia comportamental. Alguma “gameficação” na vida pode ser divertida e útil. Por exemplo, quando faço um curso online [como é usual nestes tempos pandêmicos], não posso negar que gosto muito de ganhar pontos, de subir de nível e das medalhas, e acho que isso de alguma forma ajuda a aprender melhor, mais rápido e com mais prazer. Mas minha posição é a de que a neurociência não deve ser praticada à custa do nosso mundo íntimo, misterioso e invisível ao de fora.

Conhece a ti mesmo

A opinião de Nietzsche sobre “conhece ti mesmo” é interessante: “Uma coisa conhecida é uma coisa que não é mais preocupante.” Assim, na visão nietzscheana, a expressão “conhece a ti mesmo” pode ser interpretada como uma injunção para se tornar objetivo e direcionar a atenção quase inteiramente para o mundo exterior, para a realidade crua dos fatos.

Mas tenho para mim que essa Máxima Délfica, tal como usada por Sócrates, tem um cunho mais literal. Ele era um filósofo e, como tal, praticava o que talvez seja o único método confiável para ter sucesso em um empreendimento: um mergulho profundo no perigoso inconsciente. Um empreendimento que, ao mesmo tempo em que envolve uma transformação interior, também traz o Céu à Terra.

Infelizmente, essa parece ser uma tarefa quase impossível na era das redes sociais, de emoções fáceis induzidas pelos torpes algoritmos e quase completa incapacidade de foco e raciocínio. Alguns sustentam que Napoleão chegou a sentir um chamado para a filosofia – notadamente de Maquiavel, mas mesmo naquela época amigável à introspecção pareceu mais fácil para ele partir para conquistar o mundo, em vez de enfrentar o reino interior.

Portanto, um mergulho profundo no inconsciente – hoje negligenciado – não é para todos, a menos que se esteja a procura de alívio para aflições mentais ou fazendo um balanço da vida na hora da morte (ou coisa pior). Se o seu Fitbit está a dizer que você precisa de uma corrida na praia [e dos consequentes likes dos seus seguidores], não há tempo a perder em aventuras introspectivas.

A pulsão coletiva de mergulhar no materialismo digital das redes destrói qualquer capacidade de apreciação da consciência fenomenológica, arriscada e cheia de nuances. Especialmente nestes momentos históricos em que os grandes do mundo se preparam para guiar as massas em direção a gloriosos planaltos.

Notas Sobre o Twitter e a Liberdade de Expressão

Eu não estava interessado no Twitter antes e não estou agora, mas o comentário gerado pela recente mudança na administração do site é muito interessante, e estarei a acompanhar os desenvolvimentos bem de perto.

Imagem: Pexels

Em primeiro lugar, porque é realmente muito engraçado assistir de fora. Cenário: o Twitter, de longe a mais tóxica de todas as plataformas, está sendo vendido para um empreendedor rebelde e imprevisível e os usuários estão surtando porque têm medo de o “Twitter se tornar tóxico”. Não é uma maravilhosa ironia?

Escusado será dizer que as plataformas sociais não podem ser absolutamente livres para todos: a liberdade de expressão sempre esteve sujeita a limites e Elon Musk não parece questionar isso de forma alguma.

Ele apenas entende que as vozes daqueles que foram considerados “deploráveis”, ou “tóxicos”, ou “inaceitáveis” pela elite atual – ainda que o que eles digam esteja dentro dos limites da lei – também têm o direito de serem ouvidas.

Liberdade de expressão

Em minha filosofia pessoal, o direito de falar/escrever/expressar uma opinião, desde que esteja dentro dos limites da lei, supera o direito de qualquer progressista a um ”espaço virtual seguro”. A liberdade de expressão é muito mais importante do que Harry e Meghan se sentirem ameaçados em sua fachada pública. É deveras preocupante que isso tenha se tornado um assunto controverso.

Uma democracia saudável precisa de um debate indisciplinado e o tipo de restrição à expressão pessoal [não se trata de censura pelo fato de não envolver o estado ou o espaço público real] que parece estar acontecendo no Twitter [expulsar Donald enquanto o Talibã pode manter sua conta] está nos afastando disso. O equilíbrio precisa ser restabelecido de alguma forma.

O problema é que a grande massa historicamente excluída agora dispõe de meios poderosos de auto expressão e comunicação. Todos têm agora algo análogo a uma bomba atômica em uma maleta. Para ser totalmente franco, eu mesmo cheguei a flertar com fantasias Butlerianas. Até recentemente eu acreditava que a democratização da computação e seu poder de amplificação da experiência humana tinha sido um erro, que acabou por gerar uma ameaça existencial para a espécie. A solução, portanto, seria o confisco dessa capacidade e a limitação do poder de computação acessível ao usuário comum.

É fácil ver que a “solução” acarretaria problemas ainda maiores, o que faz as palavras de meu estimado correspondente Clive Robinson se destacarem como um verdadeiro axioma: “problemas sociais não podem ser resolvidos pela tecnologia”. Será preciso firmeza institucional e muita educação pública para que seja possível superar este momento delicado da trajetória humana.

Nota lateral: minha própria orientação política mudou nos últimos anos, de centro-esquerda para centro-direita. Vários são os fatores que causaram isso, mas comentários como os de Hillary Clinton sobre os “deploráveis” [sou hétero] não ajudaram a aumentar minha simpatia. Aquilo cristalizou a hipocrisia absoluta do lado em que eu pensava estar – alegando ser tolerante mas ainda abusando e desrespeitando pessoas que pensam diferente. O Twitter de hoje é simplesmente uma manifestação online da atitude mental a partir da qual comentários como aquele floresceram.

Aspectos pouco discutidos

Uma parte desta aquisição industrial que parece ser ignorada em favor das implicações da guerra cultural são os aspectos financeiros. O Twitter é um negócio viável? Será capaz de gerar um lucro substancial para Musk? Não faço ideia.

A outra parte da história que não foi considerada [pelo menos não que eu tenha visto] é a reação dos funcionários progressistas do Twitter. Li em algum lugar que alguns deles chegaram a chorar quando a notícia da aquisição foi divulgada (sim, eu ri). Mas como eles vão se comportar quando Musk estiver totalmente no controle? Eles vão se demitir em massa? Ou eles vão permanecer na empresa e assim minar sua própria agenda? Elon vai reequipar toda a organização com pessoas de outra matriz ideológica?

Me parece que quando Elon Musk insiste na questão da ‘liberdade de expressão’ o que ele quer dizer realmente é que “o Twitter favoreceu demais a Elite progressista, e eu não vou mais fazer isso”. É possível argumentar que a chamada Elite progressista é servida por verdadeiras ‘guildas’ para impor sua posição de dominância – as guildas, neste caso, sendo instituições como a CNN, a Rede Globo, e as Mídias Sociais, além dos sumos sacerdotes da intelligensia. A compra do Twitter por alguém aparentemente “fora da Elite” tem, portanto, uma desconfortável sensação de deslocamento.

De fato, a atmosfera pública exala, em pleno 2022, uma alarmante fragrância de fin-de-siècle oitocentista.

Da Wikipedia sobre o fin-de-siècle: O principal tema político da época era a revolta contra o materialismo, o racionalismo, o positivismo, a sociedade burguesa e a democracia liberal. A geração do fin-de-siècle apoiou o emocionalismo, o irracionalismo, o subjetivismo e o vitalismo, enquanto a mentalidade da época via a civilização como estando em uma crise que exigia uma solução massiva e total.

Liberalismo versus coletivismo

Além disso, a própria ideia contemporânea [notadamente nos EUA] de que os marxistas são “liberais” – uma filosofia fantástica que tem sido construída pelas melhores mentes acadêmicas do Ocidente por décadas – é uma falácia. No século passado os marxistas foram perseguidos, cancelados, odiados por causa das coisas horríveis que os marxistas de todo o mundo faziam.

Tanto para revidar quanto para formular um rótulo aceitável para se adaptar ao sistema político [ou mesmo para se esconder], eles inventaram uma “nova filosofia”, na verdade apenas uma regurgitação do marxismo, e a chamaram de “liberalismo progressista” como se fosse simplesmente um novo ramo do estimado liberalismo clássico.

É claro que não era nada disso – e qualquer um que se desse ao trabalho de examinar perceberia rapidamente que era a total antítese do liberalismo. Era coletivismo versus individualismo; governo grande versus governo pequeno; resultados iguais versus oportunidades iguais. E o mais importante de tudo, propagou-se um certo “imperativo moral” de violar os direitos de certas pessoas em nome de um objetivo indefinível de “justiça social” [já ouvimos isso antes?].

Infelizmente, o estratagema funcionou. A rede de professores marxistas em universidades de todos os países começou a alardear o “liberalismo progressista” como o novo eufemismo para o marxismo. Para os de fora, soava como liberalismo. Mas, as coisas sempre desandam quando, por ideologia, a palavra ‘justiça’ aparece na frente da palavra ‘social’. O resultado é sempre a negação do que se pretende: “NÃO Liberalismo” [iliberalismo] e “injustiça”.

Todos os totalitários precisam, para atingir seus objetivos, mentir perpetuamente. Do contrário seria obviamente impossível concordar com os objetivos que eles realmente querem atingir. Até cerca de 2010, havia um equilíbrio entre as pessoas que amavam a liberdade versus aqueles que queriam um governo draconiano em seu alcance social, com as diferenças geralmente sendo nuanças. Hoje, a divisão é quase perfeita – com amantes da liberdade e os progressistas cripto-totalitários em lados claramente opostos.

Vale a pena notar que Milton Friedman e F. A. Hayek, ambos odiados pelos “liberais progressistas” de hoje, que os consideram cães raivosos da direita, se recusaram a desistir do termo “liberal” em favor do termo “conservador”, referindo-se a si mesmos como “liberais clássicos”. F. A. Hayek chegou a escrever um artigo chamado “Por Que Não Sou Conservador” em um esforço para reabilitar o termo, apontando que a raiz etimológica da palavra liberal é liberdade.

A Miséria da Internet em 2022

Há muito tempo deixei de gostar dessa coisa absurda que internet se tornou. Posso talvez não ser o único, embora eu não encontre meus iguais nestas terras torturadas.

Imagem: Pexels

Mas, para além da desilusão, ainda gosto muito do meu trabalho em computação [agora em tempos de recomeço!]. Gosto de projetar e me deixar absorver pelos detalhes dos sistemas, hora a hora, minuto a minuto, e deixar as preocupações da vida de lado; gosto de pesquisar defeitos e descobrir o que está acontecendo de errado; gosto de aprender coisas novas; eu gosto muito dos insights sobre dados proporcionados por tecnologias como Python. Gosto até mesmo de web design, algumas vezes.

Mas aqui está a minha verdade: em algum lugar ao longo do caminho, eu perdi totalmente o interesse por essa web que as outras pessoas consomem, e principalmente pelas abjetas redes sociais.

Em 2022 eu: não assisto a vídeos em computadores; não ouço podcasts; não tenho o sócio-linfoma [o câncer mental induzido pelas redes anti-sociais]; não tenho Netflix nem Spotify; não uso Uber; não tenho nem quero uma Alexa [e tenho raiva de quem tem]; não quero meus interruptores de luz conectados à internet; nem minha geladeira; nem meu fogão; nem realmente qualquer coisa, exceto meu(s) computador(es).

As tecnologias que fazem a alegria dos corintianos e flamenguistas; que os fazem se sentir importantes e “acolhidos”; que dão aos idiotas fama e um desproporcional poder de fogo; que sequestram a capacidade crítica dos Josés e das Marias… essas coisas para mim não têm nenhuma graça. De fato as considero nefastas, considerando que não são, como outrora, tecnologias libertadoras.

A tecnologia de rede se tornou absolutamente desumana quando, por volta de 2003, passou a servir cada vez mais os interesses das oligarquias e dos governos ao se degradar em vigilância e controle mental das massas. Não é mais divertido. Não é bonito [a fealdade das pessoas e das coisas parece ser outra marca definitiva do século 21]. Não vou colaborar com esse sistema.

Computadores – incluindo celulares, tablets, o que for – não são meu “hobby”. Não paro de trabalhar e vou jogar na internet “para me distrair”. Eu geralmente paro de trabalhar e quero fazer algo que não envolva a internet. Eu gosto de ler. Eu gosto de ouvir Miles Davis. Gosto de comer fora, em restaurantes, à moda antiga. Eu gosto de dirigir meu carro e ir a lugares.

Um dos meus principais critérios para comprar coisas é se elas funcionam sem uma conexão de rede. Fora do trabalho eu uso computadores para… bem, ler coisas. Ou seja, realmente ler. Texto. Fotos também, se for preciso. Eu os uso para mergulhar em temas profundos e tentar ver além do que a visão me mostra.

Não é mais 1998. Não é o ano do “Linux no desktop” – nunca haverá o ano do Linux no desktop. Sequer será o ano do desktop. Hoje em dia computar é simplesmente o que eu faço. Porque é o que eu faço.

Minha história

Aprendi a programar Basic em um CP-300 (48k de RAM!) – um lixo gestado durante a infame reserva de mercado para computadores nacionais, da desditosa ditadura militar [que a malta inculta quer reviver, agora sob a liderança idiocrática do palhaço Javoltar Barrigonaro]. Passei por alguns sistemas menos limitados de 8 bits e aprendi FORTRAN alguns anos depois.

Depois trabalhei em uma companhia multinacional, onde lidar com computadores não era minha atividade-fim. Em 1999 eu finalmente consegui penetrar nos mistérios do Linux [SUSE, se me lembro]. De repente eu não precisava mais programar sozinho. Qualquer coisa era de código aberto. Eu apenas dava uma espiada no código- fonte, mudava alguma coisa e recompilava em algo novo. Aquilo era a vida!

Fiquei encantado com alguns desenvolvimentos realmente engenhosos. Adorei como a computação pareceu mais completa depois disso – pode ter sido minha imaginação, mas foi o que senti. Eu ainda era principalmente um usuário, mas senti que estava no controle e entendi muito bem o que estava por baixo do capô. E se não entendesse, eu sempre soube onde procurar a iluminação – e sempre havia um blog com a iluminação.

Muitos anos depois, já na primeira década do século, já empresário do ramo, eu realmente continuava a me aprofundar. Chegava a Web 2.0 e eu não percebi na época que eu era um dos últimos dinossauros. A excelência do código aberto começava a perder terreno para as plataformas “na nuvem”, baseadas em código proprietário e uso intensivo de dados capturados dos usuários – que mais tarde dariam origem ao atual sistema vicioso e predatório do capitalismo de vigilância.

Hoje quase nenhum usuário sabe como a tecnologia funciona. Quinze anos atrás ainda sabíamos apreciar a arte de uma applet Java, de uma library ou mesmo de um framework. Mas hoje quase ninguém mais. Tudo o que consumimos são produtos ruins com um pequeno ciclo de atualização antes que a obsolescência planejada entre em ação e você tenha que comprar a versão mais recente – e o melhor hardware – novamente. O software é na maioria das vezes escrito por algum chimpanzé que encara a programação apenas como um trabalho e acha que quanto mais linhas de código escrever melhor ele vai ficar com seu supervisor [que via de regra não é muito melhor que ele]. Existem exceções, mas esse é o balanço das coisas.

Marketing em lugar da Engenharia

Os departamentos de marketing [sociopatas de fala mansa, como Steve Jobs] substituíram a engenharia [pesquise “the curse of Boeing”] no controle do que chega ao mercado, e tudo indica que não vão abrir mão desse controle. Os técnicos cederam à pressão do time-to-market. Isso vale para qualquer smartphone, qualquer receptor, qualquer roteador. Muitos até rodam Linux, mas mesmo assim a maioria ainda é muito ruim. Mesmo o acesso básico à Internet hoje vem com termos de serviço com os quais realmente ninguém com uma mente sã poderia concordar.

Acho que o que desempenha um papel importante na falta de entusiasmo tecnológico atual [além do analfabetismo funcional de toda a sociedade, incluindo a sedizente “elite”] é que, em 1998, a perspectiva de uma rede livre rodando software livre em computadores cada vez mais poderosos nos os quais podíamos mexer, alterar, estender, etc, prometia um futuro lindo pela frente. Eu adorava estar a viver [uma saudação aos irmãos de Angola e da lusofonia!] nos míticos anos 2000.

Vinte anos se passaram, e que o que temos em vez da utopia tecnológica que produziria cientistas-filósofos é a desgraça deprimente das redes sociais, que transformou grande parte da humanidade em zumbis consumidores, depravados, alienados, incivilizados e animalescos. Os Mestres do Universo – banqueiros, nababos da mídia, ONG’s com relações incestuosas com o poder, capitalistas da vigilância e outros parasitas – se divertem ao ver a massa cada vez mais dócil, fotografando e compartilhando seu caminho rumo à obliteração. A vida feliz das ovelhas a caminho do abatedouro.

Eu queria não ter tomado a pílula vermelha.


(*) Tentei buscar referências sobre a reserva de mercado para computadores no Brasil da década de setenta e não encontrei. Isso comprova meu ponto sobre a futilidade, o atraso e o inaceitável baixo nível intelectual da Internet em português. Culpa do referido sócio-linfoma.

Cyberfront: Gigante Russo Kaspersky Tenta Manter a Neutralidade

A revista Motherboard deu conta, ontem (1/3), que no mesmo momento em que forças russas lançavam um ataque de foguetes em uma praça em Kharkiv, a segunda maior cidade da Ucrânia, matando e ferindo um número ainda desconhecido de pessoas, Eugene Kaspersky, CEO da empresa russa de segurança cibernética homônima, twittou singelamente que esperava que as negociações entre a Ucrânia e a Rússia levem a “um compromisso”.

Imagem: Pexels

A declaração resume a posição da empresa desde que a Rússia invadiu a Ucrânia há seis dias: a de uma tentativa de neutralidade em uma guerra onde ficar em silêncio ou em cima do muro significa estar implicitamente do lado das forças russas. Em outra declaração à Motherboard, na segunda-feira (28/3), a empresa disse que “como provedora de serviços de tecnologia e segurança cibernética, a empresa não está em posição de comentar ou especular sobre desenvolvimentos geopolíticos fora de sua área de especialização”.

A Kaspersky é uma das empresas russas mais conhecidas e há anos seu produto antivírus está entre os mais usados ​​no mundo. O software antivírus também coleta dados de telemetria para os pesquisadores da Kaspersky, que podem usá-los – alegadamente – para identificar e combater novas ameaças. Seus pesquisadores são alguns dos melhores do mundo, com sua Equipe de Pesquisa e Análise Global (Global Research & Analysis Team – GReAT) publicando regularmente pesquisas importantes sobre várias operações de malware de vários governos.

Notoriamente, a empresa foi a primeira a revelar a existência e detalhes de um grupo de hackers do governo dos EUA, que apelidou de Equation Group. A Kaspersky também pesquisou supostos hackers ligados ao governo russo.

O tweet de Eugene também traz outro assunto à tona novamente: quanto a Kaspersky, a empresa, é influenciada pelo governo russo, mesmo que indiretamente? É lícito supor que, como uma empresa russa que opera em Moscou sob as leis russas, ela pode sentir pressão para estar em linha com as questões russas.

A declaração na segunda-feira acrescentou que “a Kaspersky está focada em sua missão de construir um mundo mais seguro para governos e consumidores em todo o mundo. As operações comerciais da Kaspersky permanecem estáveis. A empresa garante o cumprimento de suas obrigações com parceiros e clientes – incluindo entrega e suporte de produtos e continuidade de transações financeiras. A equipe de gerenciamento global está monitorando a situação cuidadosamente e está pronta para agir muito rapidamente, se necessário.”

A Kaspersky pode não se sentir em posição de especular ou tomar uma posição sobre a invasão da Ucrânia. Mas com um comboio militar russo de 70 km de comprimento a caminho de Kyiv e com a perspectiva de mais ataques cibernéticos desempenhando um importante papel na invasão, a Kaspersky pode ser obrigada a escolher um lado.

O Merecido Inferno Astral do Facebook

A empresa-mãe do Facebook, Meta, vive uma sequência sem precedentes de dias ruins. Em uma teleconferência de resultados no início do mês, os executivos relataram que, pela primeira vez em sua história, o Facebook havia perdido usuários ativos diários no trimestre anterior – cerca de um milhão deles, para ser exato.

O Facebook transforma empreendedores em mendigosImagem: Pexels

A Meta também gastou bilhões em seus projetos de realidade virtual, que o CEO Mark Zuckerberg apresentou como o futuro da empresa. Na esteira da divulgação sombria, a Meta caiu mais de US$ 237 bilhões em valor no dia 3/2, a maior perda de um dia no mercado de ações dos EUA (isso é mais do que o valor de mercado da Netflix ou do Twitter.) O patrimônio líquido de Zuckerberg também caiu US$ 31 bilhões. Foi uma notícia chocante para uma empresa que declarou números sólidos a fantásticos no passado, mesmo durante períodos de escândalo e ira pública.

Reformar a Big Tech (especificamente o Facebook) parece ser a única coisa com a qual ambos os lados do espectro político concordam em todo o mundo. Os políticos mais sensatos querem proteger os cidadãos dos danos que essas plataformas causam, enquanto políticos controversos de direita, como Ted Cruz [e muitos outros no Brasil], querem se intrometer no Facebook porque acham que a plataforma censura injustamente os pontos de vista conservadores.

A falta de consenso sempre foi o obstáculo para uma reforma significativa. Felizmente, há alguns sinais de encorajamento do lado direito da cena política (nos Estados Unidos), como o senador republicano Dan Sullivan, dizendo que o mundo um dia olhará para este para esse período e perguntará: “O que diabos estávamos pensando?”

Não estávamos pensando

Comparações entre Big Tech e Big Tabacco vêm borbulhando há anos. Mas agora, graças aos Facebook Files do Wall Street Journal, há evidências que mostram claramente os danos causados ​​pelo Facebook e Instagram. Pior ainda, os executivos do Facebook parecem saber exatamente o quão ruim é o problema, porque muitas das evidências são de primeira mão e eles ainda não tomaram nenhuma atitude à altura do problema.

É particularmente preocupante como a chefe de gerenciamento de políticas globais do Facebook, Monika Bickert, tentou distorcer as descobertas, afirmando que “a maioria dos jovens no Instagram está tendo uma boa experiência”.

Bickert estava dobrando a aposta em uma linha de argumento do Facebook, que quer forçar a todo custo a versão de que os resultados de uma pesquisa realizada no mês passado – mostrando que oito em cada 10 usuários adolescentes do Instagram nos EUA disseram que a plataforma os fez se sentir melhor – provou seus méritos.

O que acontece a seguir permanece um mistério. Mas esta semana, eu acho, marca um momento significativo no debate sobre o que fazer com o Facebook.

Pela integridade das pessoas e independência do mercado

Minha relação pessoal com o Facebook não pode ser pior. Para começar, fui um dos primeiros a aderir a plataforma, quando o Orkut era o lugar onde todos estavam. Foi difícil convencer meus amigos a experimentar o Facebook – para que eu tivesse com quem conversar no novo boulevard – que eu considerava menos cafona do que o Orkut com sua interface dantesca. Só muito depois a plataforma finalmente emplacou no Brasil. Eu ainda não sabia, mas naqueles dias minha vida de entrepreneur da web 2.0 iria se chocar contra um zuker-berg.

O Facebook é uma abominação que consumiu toda a Web no Brasil e em outros países do 3º mundo. Para muitos, não ter acesso ao Facebook significa perder a conexão com tudo, incluindo serviços essenciais para a vida offline. Mas nem sempre foi assim

Primeiro, tínhamos aplicativos de desktop (que sempre podiam comunicar dados para servidores de rede). Em seguida, envolvemos os aplicativos no navegador (que é essencialmente um sistema operacional em um sistema operacional), mas tínhamos nossas páginas e sites em servidores independentes, assim como temos nossos blogs em nossos servidores. Trabalhadores da área [eu!] tinham uma vida relativamente boa, construindo sites para empresas de todos os tamanhos, que assim eram donas de seus narizes na web. Eram completamente independentes, retendo com elas todos o valor de seus negócios.

Então inventamos as “redes sociais” e estamos colocando tudo lá.

Poderíamos apenas ter melhorado a tecnologia de aplicativos de desktop (incluindo descoberta, entrega, interoperabilidade, portabilidade e flexibilidade de design de interface do usuário), mas escolhemos os navegadores. Poderíamos parar por aqui, usar a Web padrão e melhorar a experiência de uso de RSS/Atom/RDF/XMPP/etc.

Mas não. Seguimos uma toada enfadonha e insana em direção ao imobilismo e à falta de agência. Rendemos nossas páginas, contatos, assinaturas para o Facebook. Praticamente todas as empresas do mundo agora dependem desse elemento tóxico em suas relações com os consumidores.

No campo da inteligência de negócios as empresas estão prostradas, compartilhando passivamente com os Mestres do Universo o valor principal de seu negócio [que são os bens imateriais proporcionados pelas interações]. O Facebook efetivamente transforma os empreendedores em mendigos a implorar migalhas da economia da atenção.

Os pequenos e médios estúdios e desenvolvedores independentes de software para infraestrutura web, que eram milhões em 2003, estavam aniquilados em 2015. Mesmo em um país da UE muito desenvolvido, as pessoas enfrentam o problema frequente de que algum item está disponível apenas via Facebook. Isso é surreal. Porque as empresas não mais se preocupam em ter seus próprios sites/e-mails/telefones. Isso representa um problema sério – e perturbadoramente óbvio – para a cadeia de suprimentos no médio e longo prazos [para não falar de empregos para a mão de obra qualificada].

Redes sociais precisam de regulamentação anti monopólio

É incrível que tenhamos chegado a um momento na história em que instituições empresariais e pessoas importantes – aparentemente bem sucedidas e inteligentes, voluntariamente contribuem para a hipercentralização da informação [portanto dos negócios] nas mãos de apenas uma corporação, que pode facilmente falhar – intencionalmente ou não. O Facebook está se tornando uma espécie de sistema chinês, em que há apenas uma rede. Os usuários usam aplicativos dentro dessa rede, e para eles, essa é a Internet. Isso é um sonho de controle social para um governo.

Olhando de forma mais ampla, as redes sociais são uma camada desnecessária dentro da arquitetura da web – embora a tendência maliciosa seja envolver as estruturas de comunicação dentro de mais e mais camadas. Este blog é uma prova viva disso [neste momento você não está em uma rede social].

Imagem: Pexels

Por mais liberal que eu possa ser, sou um homem sensato. Eu reconheço o primado do contrato social, que está danificado quase além de possibilidade de reparo, em grande parte por causa apenas dessa empresa de tecnologia. Isso precisa de severa reflexão. Eu esperaria que os governos reconhecessem a gravidade do problema [do monopólio] das redes sociais para a sustentabilidade econômica, para as relações internacionais, para a saúde mental de seus usuários e para a democracia.

Alguns governos já começam a levar as mudanças climáticas cada vez mais a sério. Este problema das redes sociais é o mais recente que enfrentamos e potencialmente pior: são as redes sociais que fomentarão a discórdia e o abandono da razão, que potencialmente nos levarão ao colapso da civilização.

Espero que ao testemunhar os recentes percalços muitas pessoas poderosas tenham se convencido de que o Facebook está, de fato, fora de controle.