Verdades, Mentiras e Automação

Sob licença, apresentamos a seguir, traduzido e adaptado, um muito temporâneo estudo publicado no último dia 21 pelos autores Ben Buchanan, Andrew Lohn, Micah Musser e Katerina Sedova, do Centro para Segurança e Tecnologia Emergente (CSET – Center for Security and Emerging Technology), analisando o terrivel problema da desinformação turbinada por tecnologias de “Inteligência Artificial” (mais propriamente referida como Aprendizado de Máquina). O texto é narrado na primeira pessoa do plural

Por milênios, campanhas de desinformação têm sido empreendimentos fundamentalmente humanos. Seus perpetradores misturam verdades e mentiras em potentes combinações, que visam semear a discórdia, criar dúvidas e provocar ações destrutivas. A campanha de desinformação mais famosa do século XXI – o esforço russo para interferir na eleição presidencial dos EUA de 2016- contou com centenas de pessoas trabalhando juntas para ampliar as fissuras preexistentes na sociedade americana.

Desde o início, escrever sempre foi um esforço fundamentalmente humano. Mas as coisas não são mais assim. Em 2020, a empresa OpenAI revelou o GPT-3, (Generative Pre-trained Transformer) um poderoso sistema de “inteligência artificial” que gera texto baseado em um estímulo provocado por operadores humanos. O sistema, que combina uma vasta rede neural, um poderoso algoritmo de aprendizado de máquina e mais de um trilhão de palavras de escrita humana para orientação, é notável. Entre outras realizações, ele já redigiu um artigo de opinião encomendado pelo The Guardian, escreveu histórias originais que a maioria dos leitores pensava ter sido escrita por humanos e criou novos memes para a Internet.

Diante dessa descoberta, consideramos uma questão simples, mas importante: pode a automação gerar conteúdo para campanhas de desinformação? Se o GPT-3 pode escrever notícias aparentemente confiáveis, é possível também que possa escrever notícias falsas convincentes; se pode redigir artigos de opinião, talvez possa redigir tweets enganosos.

Para resolver esta questão, primeiro apresentamos o conceito de parceria ou equipe homem-máquina, mostrando como o poder do GPT-3 deriva, em parte, do estímulo criado pelo homem, ao qual ele responde. Ganhamos acesso gratuito ao GPT-3 – um sistema que não está disponível para uso público – para estudar a capacidade do GPT-3 de produzir desinformação como parte de uma equipe homem-máquina.

Mostramos que, embora o GPT-3 seja bastante capaz por seus próprios méritos, ele atinge novos patamares de capacidade quando combinado com um operador/editor humano experiente. Como resultado, concluímos que, embora o GPT-3 não substitua totalmente os humanos nas operações de desinformação, ele é uma ferramenta que pode ajudar a criar mensagens de qualidade moderada a alta, em uma escala muito maior do que anteriormente possível.

Para chegar a esta conclusão, avaliamos o desempenho do GPT-3 em atividades que são comuns em muitas campanhas de desinformação modernas. A Tabela 1 descreve essas tarefas e o desempenho do GPT-3 em cada uma.

Tabela 1

Entre essas e outras avaliações, o GPT-3 provou ser tão poderoso como limitado. Quando estimulada de maneira adequada, a máquina funciona como um gravador versátil e eficaz que, no entanto, é limitado pelos dados nos quais foi treinada. Sua redação é imperfeita, mas essas suas desvantagens – como falta de foco na narrativa e tendência a adotar pontos de vista extremos – têm pouca importância na criação de conteúdo para campanhas de desinformação.

Caso os adversários optem por empregar esse tipo de automação em suas campanhas de desinformação, acreditamos que a implantação de um algoritmo como o GPT-3 esteja dentro da capacidade de governos estrangeiros, especialmente os que entendem de tecnologia, como China e Rússia. Será difícil, mas quase certamente possível para esses governos construir a capacidade computacional necessária para treinar e operar tal sistema, caso desejem fazer isso.

Mitigar os perigos da automação na desinformação é um desafio. Uma vez que o texto produzido pela GPT-3 combina tão bem com a escrita humana, a melhor maneira de impedir o uso de sistemas como o GPT-3 em campanhas de desinformação é se concentrar na infraestrutura usada para propagar as mensagens da campanha, como contas falsas nas redes sociais, em vez de tentar determinar a quem atribuir o texto.

Vale a pena considerar as mitigações porque nosso estudo mostra que há uma possibilidade real de se usar ferramentas automatizadas para gerar conteúdos para campanhas de desinformação. Em particular, nossos resultados devem ser encarados como uma estimativa pessimista do que sistemas como o GPT-3 podem oferecer. Adversários não limitados por preocupações éticas e estimulados por grandes recursos e capacidade técnica, provavelmente serão capazes de usar sistemas como o GPT-3 de maneira mais abrangente do que nós nesta pesquisa, embora seja difícil saber se eles realmente vão optar por essa linha de ação.

Em particular, com a infraestrutura certa, eles provavelmente serão capazes de aproveitar a escalabilidade que tais sistemas automatizados oferecem, gerando um grande número de mensagens e inundando o cenário de informações com as criações mais mirabolantes.

Nosso estudo mostra a plausibilidade – mas não a inevitabilidade – desse futuro, no qual mensagens automatizadas de divisão política e informações enganosas se propagam pela Internet. Enquanto mais desenvolvimentos ainda certamente estejam por vir, um fato já é aparente: as máquinas construídas por humanos agora podem ajudar a temperar a verdade e a mentira a serviço da desinformação.

Publicado sob a licença Creative Commons nc 4.0

Link para o trabalho original, na íntegra:

Sobre Democracia, Fake News e Amigos

Sou um racionalista hard-core, com um espírito curioso, voltado à honesta busca da verdade final. A existência desse conceito absurdo de “notícia falsa” (tal como o conhecemos agora) em pleno século vinte e um, é algo que literalmente me deprime e me faz duvidar de minha fé na humanidade. Com a evolução da crise da Covid, e depois de perder um número proibitivamente alto de amigos em virtude das controvérsias geradas por elas, sinto que o problema começa a afetar seriamente a minha esfera pessoal. Paladino da Ciência que sou, e para acalmar os meus sentidos, decidi empreender uma pesquisa – que eu chamaria de sistemática – da literatura sobre Fake News, a qual compartilho a seguir, no mui adequado formato de ‘prosa blogueana’.

As fake news costumam ser estudadas ao longo de quatro linhas principais: caracterização, criação, circulação e combate. O exato modelo de como caracterizar notícias falsas tem sido muito debatido na academia, uma vez que a definição do termo é ainda controversa. Diferentes tipos de noticias falsas têm diferentes gradações entre intenção e facticidade. Quanto às outras linhas de pesquisa, aquelas voltadas à criação dizem respeito à produção de notícias falsas, frequentemente com motivação financeira, política ou social. As dedicadas à circulação de notícias falsas referem-se às diferentes maneiras pelas quais as informações falsas são disseminadas e amplificadas, geralmente por meio de tecnologias de comunicação, como mídias sociais e mecanismos de busca. Por último, o combate às notícias falsas aborda a multiplicidade de técnicas para detectar e combatê-las em diferentes níveis, levando-se em conta desde os aspectos jurídicos, financeiros e técnicos até a alfabetização individual em mídia e informação e novos serviços de verificação de fatos.

Fake News foi eleita a palavra [ou expressão] do ano em 2017 pelo Dicionário Collins. Em 2017, o uso do termo havia aumentado 365% com relação à 2016 (Dicionário Collins, 2017). A eleição presidencial americana em 2016 colocara o fenômeno na agenda internacional.

Mas embora o termo pareça relativamente novo, os fenômenos que ele cobre são antigos. Manipulação, desinformação, falsidade, rumores, teorias da conspiração – ações e comportamentos frequentemente associados ao termo – existem desde que os humanos se comunicam. A novidade do termo, neste contexto, está relacionada à forma como as informações falsas ou enganosas são produzidas, distribuídas e consumidas por meio da tecnologia de comunicação digital.

Fiz um apanhado da literatura, e inúmeros trabalhos sobre o tema, escritos desde o início do século vinte, vieram à tona – que, por brevidade, limito aqui a poucos exemplos:

.Em uma coluna publicada no The Atlantic em 1919, Walter Lippmann expôs uma visão abrangente dos problemas que a propaganda representava para a sociedade ocidental moderna (Sproule, 1997).

.Lippmann argumentou que a função básica da democracia era proteger as notícias – a fonte da opinião pública – da mácula da propaganda. Nenhuma sociedade moderna sem meios adequados para detectar mentiras pode se considerar livre (Lippmann, 1922).

.Sem informações confiáveis, será difícil para as democracias continuarem a funcionar. Notícias falsas e desinformação são símbolos de um problema social mais amplo: a manipulação da opinião pública para infuenciar o mundo real (Gu, Kropotov e Yarochkin, 2017).

Mas mesmo que a desinformação seja a esta altura um fenômeno histórico, cada nova tecnologia de comunicação permite novas maneiras de manipular notícias e amplificar rumores. Manter o passo alinhado com as novas tecnologias de informação digital requer novas maneiras de enfrentar os desafios; um certo pensar-fora-da-caixa. Informações falsas disfarçadas de notícias já criaram sérias preocupações materiais e humanas em muitos países. Diferentes pesquisadores a chamaram por diferentes nomes:

.Poluição da informação (Wardle & Hossein, 2017),

.Manipulação da mídia (Warwick & Lewis, 2017) ou

.Guerra de informação (Khaldarova & Pantti, 2016).

Em minhas conversas e vivências, noto que um ponto comum entre as pessoas que têm uma vida intelectual é um certo desconforto existencial, a sensação íntima e presente, de que informações falsas poluem a esfera pública e podem prejudicar a democracia de maneira imprevisivel. Conforme argumentado por Warwick e Lewis, “a manipulação das redes sociais pode contribuir para a diminuição da confiança na mídia convencional, aumento da desinformação e maior radicalização” (2017).

Além de tudo isso, políticos e outros atores poderosos se apropriaram do termo para caracterizar a cobertura negativa da mídia sobre suas ações. Mais notoriamente, e mais de uma vez, o presidente americano Donald Trump rotulou meios de comunicação como a CNN ou o The New York Times como fake news. O mesmo se dá aqui no Brasil, com o presidente engajado em uma jihad pessoal contra a mídia tradicional. Conforme relatado pelo New York Times, em países onde a liberdade de imprensa é restrita ou está sob considerável ameaça – como Rússia, China, Turquia, Líbia, Polônia, Hungria, Tailândia, Somália e outros [ahem, Brasil] – os líderes políticos já invocaram as fake news como justificativa para repelir o escrutínio da mídia. Ao sugerir que as notícias não podem ser confiáveis e ao rotulá-las como notícias falsas, os políticos deliberadamente minam a confiança no jornalismo e nos meios de comunicação, uma das principais instituições em nações democráticas baseadas na liberdade de expressão e de imprensa.

Mais pesquisas sobre a escala e o escopo da desinformação em diferentes países são necessárias para descrever com precisão a magnitude e as características do problema. Para os estudantes de jornalismo, este recente debate sobre a desinformação tem sido uma evocação valiosa das raízes de sua profissão: avaliação crítica de informações e fontes; responsabilidade e códigos de conduta ética. O aumento dos esforços pela transparência, tanto na ecologia das plataformas de informação quanto nos métodos jornalísticos, pode, a longo prazo, aumentar a confiança do público em relação a como a informação é tratada e amplificada tanto pelas plataformas sociais quanto pelas redações da mídia profissional.

Novas ferramentas e métodos – incluindo alfabetização midiática e informacional – para identificar e detectar conteúdo manipulado, seja ele texto, imagens, vídeos ou áudio, são necessários, se queremos conter as tentativas de manipulação de diferentes atores. Em vez de tentar legislar sobre o problema – que se tornou por demais politizado – ou ceder ao ímpeto repressivo, os atores políticos e as instituições devem reconhecer que têm um papel importante a desempenhar na melhoria da qualidade do ecossistema de informações, por meio do financiamento à pesquisa e do apoio à mídia independente e pelo compartilhamento de dados com o público.

* * *

(*) Este post foi editado em 13/05 para correções de digitação e pequenos ajustes de estilo.

Facebook Pede Que Usuários do iOS Permitam Rastreamento (para permanecer grátis)

Em uma tentativa de combater o novo recurso de privacidade App Tracking Transparency da Apple, o Facebook está insistindo para que os usuários continuem a permitir que o gigante da tecnologia rastreie o uso do aplicativo, alertando que essa é a única maneira de manter os serviços “gratuitos”.

O site MacRumors dá conta de que o Facebook e o Instagram começaram a enviar mensagens notificando usuários do iOS 14.5 de que eles devem obrigatoriamente ativar o rastreamento no dispositivo, se quiserem ajudar a manter o Facebook e o Instagram “gratuitos”.

A Apple lançou recentemente seu novo recurso de privacidade, a ATT – App Tracking Transparency [Transparência no Rastreamento de Applicativo], como parte da atualização mais recente do iOS 14.5 para iPhones e iPads. A atualização agora exigirá que os aplicativos mostrem aos usuários um prompt solicitando seu consentimento para rastreá-los em outros aplicativos e sites.

Uma grande parte do modelo de negócios do Facebook é baseada na venda de anúncios em seus aplicativos e serviços. Os clientes pagantes podem usar as ferramentas de publicidade fornecidas pelo Facebook para alcançar pessoas ou obter dados demográficos específicos. No entanto, com o lançamento do iOS 14.5, os usuários podem optar por cancelar o rastreamento de suas atividades. Consequentemente, o Facebook terá acesso a menos dados para usar na segmentação de seus anúncios personalizados.

A atualização do iOS foi lançada ao público na semana passada e, desde então, mais aplicativos estão começando a exibir o prompt da ATT aos usuários. Um usuário do Twitter, Ashkan Soltani, foi o primeiro a observar que o Facebook atualizou seu prompt para incluir um aviso dizendo “Ajude a manter o Facebook gratuito”. Isso muda radicalmente a posição clássica do Facebook (“sempre será gratuito”). Muitos observadores na Internet vêem o movimento como uma “tática do medo” por parte da rede social. Ao mesmo tempo, fornece uma indicação indireta de que a política de privacidade da Apple é de fato a mais robusta do mercado, já que incomoda tanto o conglomerado de Zuckerberg.

Em uma postagem de blog atualizada recentemente, o Facebook chama o prompt de “tela educacional” que “ajudará as pessoas a tomar uma decisão informada sobre como suas informações são usadas”. O Instagram, que é propriedade do Facebook, também mostrará um aviso semelhante aos usuários.

A postagem do blog do Facebook diz:

Como a Apple afirmou que é permitido fornecer contexto adicional [aos usuários], mostraremos uma tela educacional antes de apresentar a solicitação da Apple, para ajudar as pessoas a tomar uma decisão informada sobre como suas informações serão usadas. Essa tela fornece detalhes adicionais sobre como usamos os dados para anúncios personalizados, bem como as maneiras como limitamos o uso de atividades que outros aplicativos e sites nos enviam se as pessoas não ativarem esta configuração do dispositivo. Nossa tela também permite que as pessoas saibam que estão vendo o prompt da Apple devido aos requisitos da Apple para iOS 14.5.

O Facebook planeja lançar o prompt com a notificação para mais usuários nos próximos dias e semanas.

Futebol Inglês Faz Boicote às Mídias Sociais Neste Fim de Semana

Equipes e organizações de futebol inglesas estão desativando suas contas do Facebook, Twitter e Instagram para este fim de semana como parte de um apagão massivo de mídias sociais para defender melhores políticas em relação à discriminação e abuso que jogadores e membros de clubes recebem nessas plataformas.

O futebol inglês se unirá para um boicote às redes sociais das 15h00 de sexta-feira, 30 de abril às 23h59, de segunda-feira, 3 de maio, em resposta ao abuso discriminatório incessante recebido online por jogadores e outras pessoas ligadas ao esporte.

https://t.co/GYTAuWAEgN pic.twitter.com/dNLuv62nw5 – Porta-voz FA (@FAspokesperson) 24 de abril de 2021

Os grupos que participarão do apagão incluem a Premier League, a English Football League, a Professional Footballers ’Association, a Football Association, a League Managers Association, a Football Supporters’ Association e mais. Os clubes que fazem parte da Premier League, EFL, Barclays FA Women’s Super League e Women’s Championship vão fechar seus canais sociais no fim de semana como parte do protesto.

O apagão ocorre depois que várias organizações de futebol inglesas se uniram em fevereiro para solicitar mudanças ao CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, e ao CEO do Twitter, Jack Dorsey, em uma carta aberta solicitando que as empresas tomassem medidas mais firmes contra comentários discriminatórios e racistas.

Estamos desativando nossos canais de mídia social a partir das 15h de sexta-feira, 30 de abril, até as 23h59 de segunda-feira, 3 de maio, em resposta ao abuso on-line incessante. #Enough | #StopOnlineAbuse pic.twitter.com/toiIg3FfWW

Raheem Sterling (@sterling7) 30 de abril de 2021

Especificamente, os grupos de futebol defendem quatro melhorias: que as postagens sejam bloqueadas ou filtradas se contiverem material racista ou discriminatório; que as postagens abusivas sejam removidas por meio de “medidas robustas, transparentes e rápidas”; que haja processos de verificação aprimorados para permitir que a polícia identifique usuários e impeça que postadores abusivos façam novas contas; e que as plataformas trabalhem em estreita colaboração com as polícias para identificar pessoas que postam conteúdo discriminatório nos casos que infringem a lei.

As ligas esperam que o boicote deste fim de semana fortaleça esse movimento, observando que, embora tenha havido progresso, jogadores, times e outros membros do mundo do futebol inglês ainda sentem que há muito mais que o Facebook e o Twitter poderiam fazer para ajudar a impedir o abuso na Internet.

Moderadores do Facebook: ‘Somos as Amídalas da Internet’

Na manhã do último dia 14 de abril, um repórter Senior de notícias de tecnologia do Buzzfeed compartilhou o que parecia ser um relato angustiante do que é trabalhar como um moderador de conteúdo no Facebook.

A nota interna anônima sinalizando a renúncia do empregado foi lançada no Twitter por Ryan Mac em uma série de nove prints. O suposto funcionário em questão é baseado em Austin, TX e trabalha para a Accenture, uma empresa que fornece funcionários para moderação de conteúdo no Facebook.

Um moderador de conteúdo do Facebook contratado pela Accenture em Austin se demitiu esta manhã com uma ácida nota interna. Eu digitei na íntegra para que as pessoas possam ler por si mesmas.

A mensagem descreve a moderação de conteúdo como um trabalho desgastante tanto do ponto de vista mental como físico, que levou alguns de seus colegas de trabalho a entrar em medicação psiquiátrica pela primeira vez ou se auto-medicar com álcool e drogas.

As experiências traumatizantes dos moderadores de conteúdo são bem documentadas ao longo dos anos em publicações como Wired Magazine.

O funcionário em questão alegou que o Facebook fez melhorias em seu programa de bem-estar, mas sustenta que elas ainda são inadequadas, afirmando que “os gerentes vêem os cérebros dos funcionários como máquinas”, em vez de levar em conta as conseqüências do estresse no ambiente de trabalho.

“A questão real, no entanto, não é o impacto persistente de imagens individuais; é o acúmulo de milhares delas ao longo do tempo”, escreve o moderador anônimo. “Os analistas de conteúdo são pagos para olhar o pior da humanidade por oito horas por dia. Somos as amígdalas da Internet, uma primeira linha de defesa – constantemente bombardeada – contra potenciais traumas para a base de usuários.”

O empregado logo descobre que o contrato de confidencialidade, assinado por todos os funcionários quando entram na empresa, torna difícil manter a saúde mental, bem como se candidatar a outros empregos, uma vez que eles não podem discutir os detalhes de sua atividade como moderadores de conteúdo. Soluções propostas incluem treinamento em saúde mental para gerentes, mais tempo em atividades de bem-estar e capacidade de acesso a terapia, entre várias outras sugestões.

O repórter do Buzzfeed propôs que, se executivos como Mark Zuckerberg passassem um tempo experimentando pessoalmente o trabalho de moderação de conteúdo, eles talvez pudessem ficar mais dispostos a fazer melhorias. No entanto, quando questionado em 2019 pela congressista americana Katie Porter, Zuckerberg disse que esse não seria o melhor uso de seu tempo.

Facebook Não Planeja Notificar os Afetados por Vazamentos

Facebook Inc não notificou os mais de 530 milhões de usuários quando detalhes pessoais foram obtidos por crackers antes de 2019 através do uso indevido de um recurso. Esses dados foram recentemente tornados públicos, e novamente Facebook não tem planos para qualquer notificação, disse um porta-voz da empresa na quarta-feira, 7 de abril.

A revista Business Insider relatou na semana passada que números de telefone e outros detalhes dos perfis de usuários estavam disponíveis em um banco de dados público. Facebook disse em um post de blog na terça-feira que “atores maliciosos” obtiveram os dados antes de setembro de 2019 pelo método da “raspagem” (scraping) de perfis, usando uma vulnerabilidade na ferramenta nativa da plataforma para sincronização de contatos.

Essa justificativa é idêntica à dada em 2018, quando foi revelado que o Facebook havia liberado à Cambridge Analytica os dados de 87 milhões de usuários para uso em anúncios políticos, sem sua permissão. Facebook continua explicando que as pessoas que coletaram esses dados – desculpe, “rasparam” esses dados – o fizeram abusando um recurso projetado para ajudar novos usuários a encontrar amigos na plataforma.

Ver post relacionado no blog.

Será Que Fui Facebookado?

O que aconteceu?

Em abril de 2021, um enorme conjunto de dados pessoais que inclui detalhes de mais de 500 milhões de usuários foi publicado on-line. Os hackers provavelmente estiveram em posse dos dados por alguns meses, mas aparentemente só decidiram publicar suas descobertas agora. As maiores ameaças, caso seus dados estejam neste lote: phishing e assédio pessoal.

Quais dados foram vazados?

Junto com números de telefone, os seguintes dados foram vazados:

  • ID da conta do Facebook
  • Nome completo
  • Gênero
  • Status de relacionamento
  • Endereço residencial e localização de nascimento
  • Ambiente de trabalho

O Facebook ainda é seguro para usar?

No momento ainda não se sabe se o Facebook corrigiu a vulnerabilidade, uma vez que a empresa não divulgou nenhuma declaração sobre o vazamento.

Todas essas informações sobre sua conta podem ser checadas no site:

https://haveibeenfacebooked.com/

Escolha o código de país e entre com o número de seu telefone.

NOTA:
Recomendamos, como sempre, extrema cautela ao usar a referida rede social. Nós, por princípio, não recomendamos o uso de redes centralizadas como o Facebook e similares.

O site que linkamos é de autoria de Marco Aceti e Fumax (dados disponíveis no GitHub). Neste post, adaptamos o conteúdo para o português usando a licença MIT, que reproduzimos abaixo, conforme requerido.

MIT License

Copyright (c) 2021 Marco Aceti

Permission is hereby granted, free of charge, to any person obtaining a copy
of this software and associated documentation files (the "Software"), to deal
in the Software without restriction, including without limitation the rights
to use, copy, modify, merge, publish, distribute, sublicense, and/or sell
copies of the Software, and to permit persons to whom the Software is
furnished to do so, subject to the following conditions:

The above copyright notice and this permission notice shall be included in all
copies or substantial portions of the Software.

THE SOFTWARE IS PROVIDED "AS IS", WITHOUT WARRANTY OF ANY KIND, EXPRESS OR
IMPLIED, INCLUDING BUT NOT LIMITED TO THE WARRANTIES OF MERCHANTABILITY,
FITNESS FOR A PARTICULAR PURPOSE AND NONINFRINGEMENT. IN NO EVENT SHALL THE
AUTHORS OR COPYRIGHT HOLDERS BE LIABLE FOR ANY CLAIM, DAMAGES OR OTHER
LIABILITY, WHETHER IN AN ACTION OF CONTRACT, TORT OR OTHERWISE, ARISING FROM,
OUT OF OR IN CONNECTION WITH THE SOFTWARE OR THE USE OR OTHER DEALINGS IN THE
SOFTWARE.

Monetize Sua Imagem – De Olhos Bem Abertos

À primeira vista, o BitClout parece um cruzamento primitivo entre o Twitter e o Robinhood, incluindo um feed de mensagens e botões para “curtir” ou compartilhar o que outras pessoas postam. Qualquer pessoa pode criar um perfil e começar a participar da rede fornecendo um número de telefone. Mas o interessante é que, em pouco tempo, o BitClout já criou 15.000 perfis com base em personalidades populares do Twitter, incluindo Elon Musk e outros influenciadores do mundo das cripto-moedas – todos sem pedir a devida permissão. Diamondhands [o homem por trás do Bitclout, que se manifesta sob anonimato, embora sua identidade real seja bem conhecida] alega que o BitClout criou os perfis de famosos para evitar que impostores criassem contas falsas e se apropriassem das personalidades dessas celebridades.

Cada conta do BitClout também é ligada a uma “moeda” que sobe e cai de valor, dependendo de quantas pessoas a usam. Qualquer pessoa pode seguir uma determinada conta – como no Twitter ou no Instagram – mas a existência da moeda significa que elas também podem possuir um ativo ligado à reputação pública do dono da conta sendo seguida. “O que você começa a fazer é se automonetizar”, diz Diamondhands. “Todas as coisas positivas que você coloca no mundo vão fazer com que as pessoas gostem de você e comprem sua moeda. Assim, você pode monetizar o entusiasmo por sua imagem, e deixar os fãs viajarem na sua nave.”

Os usuários normais do BitClout que se sentirem à vontade para serem comprados e vendidos desta maneira podem criar um perfil para ganhar uma parte das moedas associadas à sua imagem. No caso das personalidades do Twitter, que foram adicionadas à plataforma “à força”, elas podem reivindicar seu perfil no BitClout (e uma parte das moedas associadas a ele) simplesmente twitando que eles se juntaram à rede – um requisito que convenientemente fornece marketing gratuito para o BitClout. Já até apareceu um site de rastreamento chamado BitClout Pulse para rastrear o valor das moedas mais populares.

Esse cavalo-de-pau incomum do BitClout no conceito de redes sociais se estende além da adição de pessoas sem sua permissão. O projeto também se destaca por suas operações técnicas, que dependem de dezenas de nós de blockchain autônomos espalhados pelo mundo – uma arquitetura muito diferente do Instagram ou Twitter, que se baseiam em servidores centralizados para manter suas redes em execução. Cada mensagem ou transação é registrada na blockchain do BitClout – que Diamondhands descreve vagamente como “software desenvolvido de forma personalizada, semelhante ao Bitcoin, mas com maior funcionalidade de rede social”.

Ele diz que o código do BitClout é aberto e que a equipe vai publicá-lo em breve. Tudo isso, diz Diamondhands, eventualmente levará empresas de marca a hospedar seus próprios nós do BitClout, que exibirão feeds direcionados a vários interesses segmentados. Por exemplo, a ESPN poderia manter um nó exibindo um feed recheado com atrações esportivas, enquanto a Bloomberg pode fazer o mesmo com foco no mercado de ações. Mas a estrutura em nó do BitClout também significa que ele não terá políticas de moderação centralizadas, como as encontradas em plataformas como Twitter ou Instagram. Isso representa outro conjunto de problemas que precisa de respostas adequadas.

Descentralização das redes é o futuro, mas este caso demonstra que ainda é preciso cuidado e profissionalismo na adoção dessas novas tecnologias e na seleção dos atores com quem vamos hospedar nossa infraestrutura e estabelecer nossas parcerias.

Editado para incluir:

No jargão das criptomoedas, qualquer moeda cuja oferta pode ser aumentada com facilidade é chamada shitcoin – o que não é o caso de moedas como Ouro e Bitcoin, que são baseadas no clássico princípio da escassez.

— o —

(*)NOTA – Nesta fase inicial do desenvolvimento do Blog nós vamos evitar colocar links ativos nos artigos. Embora os links sejam a pedra fundamental do hipertexto, links para fora do site afetam negativamente seu ranking nos motores de pesquisa. Os links de interesse para o crescimento da visibilidade do site são os que vêm de fora, e é por isso que conclamamos os que apreciam o site a compartilhar o post. Isso aumenta as chances de nosso blog ser linkado por outros sites já influentes, levando ao aumento de nosso Page Rank.

Palavras-chave para pesquisar este assunto na rede:

bitclout, bitclout pulse, bitcoin, blockchain, monetização

Pânico Moral e Extremismo na Rede

Em conversa com um grupo de desenvolvimento de software em um dos fóruns da Web, o assunto acabou descambando para o fenômeno do extremismo na rede, que leva à atual polarização política. À medida que a conversa evoluia, começaram a ser apontados alguns alguns paralelos históricos com o momento presente, como os repetidos episódios de pânico moral que o mundo enfrentou em vários momentos de mudanças culturais chave.

O tema básico da conversa pode ser resumido na segunte premissa: Uma vez que o extremismo assume o comando, não há limite para até que ponto ele chegará, até que toda a comunidade imploda.

Em primeiro lugar, uma definição de pânico moral: pânico moral é um medo generalizado, na maioria das vezes irracional, de que alguém ou um grupo é uma ameaça aos valores, segurança e interesses de uma comunidade ou sociedade em geral. Normalmente, o pânico moral é perpetuado pela mídia de notícias, alimentado por políticos e muitas vezes resulta na passagem de novas leis ou políticas que visam a fonte do pânico (minorias em geral). O pânico moral sempre promove polarização política e o aumento do controle social.

Para ser justos na abordagem do tema, temos que reconhecer que pessoas são apenas humanos sendo humanos. Um olhar superficial pela história revela que esta é a norma do mundo. De um ponto de vista evolucionário, nós sentimos pânico moral para cimentar nosso lugar nos nossos respectivos grupos sociais, e temos uma necessidade quase obsessiva de ter um grupo de “outros” a quem culpar os problemas da sociedade. Sejam eles creches satânicas, comunistas, ateus, bruxas, racistas, transfóbicos, católicos, protestantes… claramente, e eu quero dizer claramente, isso é o que os humanos fazem. Pelo menos um grande número de nós. É um fato incrivelmente consistente e repetido através da história.

O que é fascinante é que cada geração se convence de que ela progrediu além desse traço profundamente humano, e insiste em que nesta geração, e só desta vez, seu preconceito pelos outros é nobre e existe para servir um bem social maior. “Todos os outros fanáticos estavam errados, mas desta vez, nós conseguimos fazer certo! O Preconceito finalmente curará o preconceito! Espere e você verá! “

Claro que isso nunca acontece, e quando a poeira se instala depois dos debates e das lutas, a maioria dos apóstolos do pânico moral sente algum constrangimento e tenta se distanciar do seu comportamento passado. Eles na verdade estavam viciados na liberação de dopamina que estar no grupo com poder propiciava. Para não mencionar que, com tantas outras pessoas para culpar, eles não precisavam reconhecer nenhuma de suas próprias falhas. Afinal, pelo menos, eles não são “outros”.

Central para o pânico moral é o pensamento preto/branco que o perpetua. Você é muito bom ou muito ruim. Não há área cinzenta. Se a pessoa tem a opinião x, não mais importa o que ela faz. Ela é má.

É um tipo de histeria em massa e exemplos do passado se contam às centenas, se não milhares. Infelizmente, faz parte do comportamento da massa humana.

O que mudou, é que tal comportamento costumava ser mais fortemente praticado pelos religiosos. Desta vez, os poderes do mundo mudaram seu método: ao invés de explorar o medo, exploram o narcisismo, e têm agora até os mais educados da sociedade sob controle.

Isso é desalentador, pois parece que não temos mais nenhum grupo com resistência cognitiva ou pensamento crítico sólido, à medida em que mais e mais pessoas assumem uma atitude de total sinalização de virtude (em oposição à verdadeira ação virtuosa), alienação e servilismo ao pensamento grupal.

O que no fim de tudo acontece é que, à medida em que mais e mais pessoas se tornam incapazes de manter a ilusão – e todos os apóstolos do pânico moral são iludidos, em diferentes graus – o custo de manter a identidade grupal torna-se muito inconveniente frente à realidade da situação, e uma inevitável reação toma lugar. Então as desculpas começam… “Nossa, eu nunca pensei que a Gestapo fosse tão má… Ei, e não fui o único que sinalizou virtude para eles… “

Então, outro bicho-papão é escolhido e o ciclo recomeça. O que você está testemunhando é a condição humana fazendo o que faz.

O “engajamento” nas redes sociais

Há algo sobre as mídias sociais que os seres humanos não são psicologicamente preparados para lidar. Elas são uma abstração perversa e não natural da comunidade social humana a que nosso cérebro não reage bem. Como um fac-simile da genuína humanidade, ela nos mergulha em algo parecido com uma sala de espelhos, o “uncanny valley” para interações sociais. Pode ser, por tudo o que sabemos, que a principal razão pela qual alguém posta na mídia social seja a raiva. Se um estudo adequado fosse feito, é possivel que ele revelasse exatamente isso.

Quarentenas e lockdowns forçam as pessoas a ficar dentro de casa mergulhadas nas mídias sociais. De repente, todo mundo está no hábito diário de um solipsismo insalubre e irracional. Contudo, sabemos que os seres humanos, em algum nível fundamental como criaturas sociais, precisam interagir na comunidade cara-a-cara,

Quando o Facebook diz que quer “tornar o mundo mais aberto e conectado”, ele quer, na verdade, se tornar O MEIO para toda a interação interpessoal. Ao olhar para trás a esta era, o ser humano futuro talvez dirá: “Como eles podiam ficar na frente de uma tela o dia todo? Eles não sabiam o que isso estava fazendo com eles?”

Como um desenvolvedor de interface do usuário por profissão, eu posso identificar precisamente as obscuras tríades das escolhas de design de interface do usuário que viciou as pessoas à mídia social.

A rolagem infinita, o arquétipo dos esquemas de “engajamento” usado por quase todas as redes sociais, é problemática porque faz os usuários ficarem conectados por mais tempo. O resultado é que os usuários se mantêm ligado em seu feed, sem pensar, por um período de tempo muito mais longo do que ficavam anos atrás , o que aumenta o lucro para a empresa que executa o aplicativo. O usuário não tem ideia de que esses conteúdos são projetados para gerar padrões de uso viciantes para melhorar os lucros da Big Tech,

Entres as coisas mais dramáticas estão os “pontos acumulados” nos mais diversos sites. No Reddit, isso é chamado de karma. No Twitter, são os likes e retweets. Essa pontuação numérica simples exibe a atitude geral da comunidade em relação a um determinado conteúdo. À primeira vista, isso parece ser um conceito radicalmente democrático; todo mundo pode votar! A realidade, porém, é muito diferente. Reddit, por exemplo, sempre obfuscou a verdadeira pontuação do karma (“para evitar a brigadização de votos”). Além disso, a posição de um pedaço de conteúdo dentro do seu feed pode ser intencionalmente decidida pelo Home Office, não pela Comunidade (algoritmo). Isso é incrivelmente sinistro, embora não pareça aos olhos não-treinados

A parte mais bizarra da mídia social é o vício químico. Quando você clica em um ícone para mostrar sua apreciação ou reação a um conteúdo, você recebe um “shot” de dopamina. Isso adiciona valor à interação, e faz com que o usuário se sinta bem. Isso traz, literalmente, um componente quimicamente viciante à mídia social.

O Reddit criou um algoritmo que tece a comunidade de tal modo que parece ser democrático em seu funcionamento geral, mas na verdade é realmente especificamente curado para um conjunto determinado de fins políticos e sociais. Ele promove um sentimento de exclusão a qualquer um que se atreva a discordar do que “todos” já acreditam.

O grande fantasma assombrando o século XXI não será um tipo de “-ismo”. Será a grande besta da Tecnocracia Global, e o Big Brother não será exatamente um governo. Pelo contrário, os ministérios da verdade, paz, amor e abundância serão entidades privadas (ou negociadas publicamente).

Desta forma, nenhuma constituição, ou Magna Carta, ou qualquer outro documento fundamental destinado a manter a tirania do governo à distância, será capaz de operar como pretendido. Não será “o governo privando-nos de nossos direitos”. Serão empresas privadas com seus próprios termos de serviço. Até agora, podemos viver sem Twitter ou Reddit ou Facebook se realmente quisermos. Em breve, provavelmente não seremos capazes de desativar a ditadura tecnocrática a que todos estamos sujeitos.