O Trabalho Remoto Veio Para Ficar (e isso é bom)

Até o presente momento, o escritório do futuro se parece muito com o escritório que você deixou há muitos meses e não o vê desde então. A maioria das pessoas que conseguiram trabalhar em casa durante a pandemia não voltou para o escritório e não quer voltar até que haja vacinação em massa.

Não está claro quando, ou se algum dia – o que é precisamente o ponto deste post – os escritórios retornarão ao nível anterior de atividade. Até o último mês de março pouco menos de 15% dos trabalhadores de escritório haviam retornado à cidade de Nova York, o maior mercado de escritórios dos Estados Unidos. Nas grandes cidades daquele grande país, as taxas de ocupação de prédios comerciais estão oscilando em torno de 25% em média, já que muitos trabalhadores permanecem presos no limbo. Ainda não é seguro retornar à capacidade total e não está claro se escritórios operando em capacidade parcial são uma solução melhor do que pessoas trabalhando em casa.

O aluguel de imóveis também diminuiu rapidamente, já que os trabalhadores administrativos / criativos passaram a trabalhar em suas salas de estar, varandas e dormitórios. Os Leviatãs da tecnologia, como Facebook e Microsoft estão oferecendo aos funcionários a oportunidade de trabalhar remotamente para sempre. Enquanto isso, empresas com menos experiência digital estão avaliando o futuro de seus imóveis e a localização de seus funcionários.

Todo o panorama do trabalho de escritório mudou, mas os próprios espaços físicos de trabalho ainda precisam mudar muito. A planta aberta ainda predomina na paisagem do escritório, e robôs exterminadores de germes ainda pertencem aos sonhos dos bloguistas tecno-científicos. Em vez disso, para estimular a volta dos trabalhadores aos escritórios, muitos empregadores adotaram uma série de pequenas precauções para torná-los mais seguros – ou para dar a aparência de segurança – mas a maioria adiou grandes e dispendiosas alterações em suas instalações até que haja mais certeza sobre a questão da imunização, o que em última análise irá definir o futuro do escritório como o conhecemos. Podemos dizer que, se depender do estudo da Universidade de Chicago do qual traduzimos o resumo abaixo, esse futuro nunca esteve tão ameaçado.

* * *

Por Que Trabalhar em Casa Vai Pegar

Jose Maria Barrero, Nicholas Bloom, Steven J. Davis

Resumo

A COVID-19 levou a um experimento social em massa sobre trabalhar em casa (TEC). Pesquisamos mais de 30.000 americanos nas várias ondas da doença, para investigar se o TEC vai durar e por quê. Nossos dados dizem que, após o fim da pandemia, 20% dos dias de trabalho completos serão executados de casa, em comparação com apenas 5% antes. Desenvolvemos evidências sobre cinco razões para esta grande mudança: experiências de home office melhores do que a esperada; novos investimentos em capital físico e humano que permitem o trabalho em casa; estigma muito reduzido associado ao trabalho em casa; preocupações persistentes sobre multidões e riscos de contágio e um surto de inovações tecnológicas possibilitadas pela pandemia que agora suportam o home office.

Também usamos os dados da nossa pesquisa para projetar três consequências: Primeiro, os funcionários desfrutarão de grandes benefícios com mais trabalho remoto, especialmente aqueles com rendimentos mais altos. Em segundo lugar, a mudança para TEC reduzirá diretamente os gastos nos grandes centros das cidades em pelo menos 5 a 10% em relação à situação pré-pandêmica. Terceiro, nossos dados sobre o planejamento do empregador e a produtividade relativa do trabalho em casa implicam em um aumento de 5% na produtividade na economia pós-pandemia devido a re-arranjos otimizados de trabalho. Apenas um quinto desse ganho de produtividade vai aparecer nas métricas de produtividade convencionais, porque elas não capturam a economia de tempo possibilitada por menos deslocamento físico.

Na íntegra em bfi.uchicago.edu, incorporada abaixo.

Nascido para ser Remoto

Eu tenho trabalhado remotamente por duas décadas. Programador / desenvolvedor / consultor autônomo… Em média, meus clientes trabalham comigo durante 5-10 anos. Alguns deles eu rotineiramente passo par de anos sem ver ao vivo [posso falar porque todos eles sabem que meu suporte remoto é fantástico]. Nos últimos cinco anos, apresentações em escritório, treinamento, discussões, simplesmente não foram do interesse de ninguém. Simplesmente não aconteceu. Portanto, estou muito acostumado com a rotina remota. De fato, estou em meu ambiente natural.

Photo by iStock

Ao invés de grandes reuniões, conversas em pé, no corredor, ainda são (ou eram, pelo menos antes da Covid-19) grande parte da minha rotina nas visitas de manutenção e de cortesia que faço (fazia?) aos clientes.

Claro, posso estar trabalhando em um projeto para o departamento de marketing, distanciado, no modo automático, por muitos meses, mas sempre vai haver a necessidade de conversar. E tenho que atender o projeto do ano passado, quando fiz alguma coisa para o departamento de vendas. E do ano retrasado, algo do departamento de expedição. E o departamento de TI, que também mexe com algo que eu fiz…

Então, toda semana, eu ligo para algum lugar: como tá indo? Esse sistema ainda funciona como esperado? Teve problemas esta semana? Como foi aquele curry de beringela que você fez na semana passada? Seus gatos estão soltando muito pelo esta semana? Você entendeu a ideia.

No meu trabalho, as coisas evoluem totalmente não-planejadas e sem script.

As conversas mais lucrativas geralmente vêm do mais junior dos contatos – o que não é surpresa, já que são eles que usam minhas coisas diretamente. A partir dessas conversas, ou eles levam as modificações para seu chefe – e eles parecem ótimos fazendo isso, ou eu tenho a obrigação de intervir presencialmente com a administração superior para dizer que a empresa vai extrair mais produtividade do departamento adicionando esse ou aquele recurso, conforme mostrado ao gerente – e eu pareço ótimo em ter os detalhes do assunto no qual o gerente está encontrando dificuldade.

E sim, em uma empresa-cliente de 50 funcionários, 3 Diretores, 5 Gerentes de departamento e 15 assistentes, mesmo à distância é melhor você saber quem gosta das receitas vegetarianas, quem têm animais de estimação, etc.

A coisa mais importante ao telefone, o que levei muito tempo e coragem para desenvolver, é ter conversas amigáveis, com assuntos fora do trabalho, durante um dia de trabalho muito ocupado (para eles).

Dica rápida: comece a falar de coisas pessoais no final do telefonema, nunca no começo. E quanto mais pesado o assunto, mais cedo ele deve entrar na conversa.

  1. Precisamos falar sobre isso;
  2. Como esse sistema está funcionando para você?
  3. Existe mais algum problema que você queira discutir?
  4. Como estão seus gatinhos?

Funciona para mim. Seus resultados podem variar.