Verdades, Mentiras e Automação

Sob licença, apresentamos a seguir, traduzido e adaptado, um muito temporâneo estudo publicado no último dia 21 pelos autores Ben Buchanan, Andrew Lohn, Micah Musser e Katerina Sedova, do Centro para Segurança e Tecnologia Emergente (CSET – Center for Security and Emerging Technology), analisando o terrivel problema da desinformação turbinada por tecnologias de “Inteligência Artificial” (mais propriamente referida como Aprendizado de Máquina). O texto é narrado na primeira pessoa do plural

Por milênios, campanhas de desinformação têm sido empreendimentos fundamentalmente humanos. Seus perpetradores misturam verdades e mentiras em potentes combinações, que visam semear a discórdia, criar dúvidas e provocar ações destrutivas. A campanha de desinformação mais famosa do século XXI – o esforço russo para interferir na eleição presidencial dos EUA de 2016- contou com centenas de pessoas trabalhando juntas para ampliar as fissuras preexistentes na sociedade americana.

Desde o início, escrever sempre foi um esforço fundamentalmente humano. Mas as coisas não são mais assim. Em 2020, a empresa OpenAI revelou o GPT-3, (Generative Pre-trained Transformer) um poderoso sistema de “inteligência artificial” que gera texto baseado em um estímulo provocado por operadores humanos. O sistema, que combina uma vasta rede neural, um poderoso algoritmo de aprendizado de máquina e mais de um trilhão de palavras de escrita humana para orientação, é notável. Entre outras realizações, ele já redigiu um artigo de opinião encomendado pelo The Guardian, escreveu histórias originais que a maioria dos leitores pensava ter sido escrita por humanos e criou novos memes para a Internet.

Diante dessa descoberta, consideramos uma questão simples, mas importante: pode a automação gerar conteúdo para campanhas de desinformação? Se o GPT-3 pode escrever notícias aparentemente confiáveis, é possível também que possa escrever notícias falsas convincentes; se pode redigir artigos de opinião, talvez possa redigir tweets enganosos.

Para resolver esta questão, primeiro apresentamos o conceito de parceria ou equipe homem-máquina, mostrando como o poder do GPT-3 deriva, em parte, do estímulo criado pelo homem, ao qual ele responde. Ganhamos acesso gratuito ao GPT-3 – um sistema que não está disponível para uso público – para estudar a capacidade do GPT-3 de produzir desinformação como parte de uma equipe homem-máquina.

Mostramos que, embora o GPT-3 seja bastante capaz por seus próprios méritos, ele atinge novos patamares de capacidade quando combinado com um operador/editor humano experiente. Como resultado, concluímos que, embora o GPT-3 não substitua totalmente os humanos nas operações de desinformação, ele é uma ferramenta que pode ajudar a criar mensagens de qualidade moderada a alta, em uma escala muito maior do que anteriormente possível.

Para chegar a esta conclusão, avaliamos o desempenho do GPT-3 em atividades que são comuns em muitas campanhas de desinformação modernas. A Tabela 1 descreve essas tarefas e o desempenho do GPT-3 em cada uma.

Tabela 1

Entre essas e outras avaliações, o GPT-3 provou ser tão poderoso como limitado. Quando estimulada de maneira adequada, a máquina funciona como um gravador versátil e eficaz que, no entanto, é limitado pelos dados nos quais foi treinada. Sua redação é imperfeita, mas essas suas desvantagens – como falta de foco na narrativa e tendência a adotar pontos de vista extremos – têm pouca importância na criação de conteúdo para campanhas de desinformação.

Caso os adversários optem por empregar esse tipo de automação em suas campanhas de desinformação, acreditamos que a implantação de um algoritmo como o GPT-3 esteja dentro da capacidade de governos estrangeiros, especialmente os que entendem de tecnologia, como China e Rússia. Será difícil, mas quase certamente possível para esses governos construir a capacidade computacional necessária para treinar e operar tal sistema, caso desejem fazer isso.

Mitigar os perigos da automação na desinformação é um desafio. Uma vez que o texto produzido pela GPT-3 combina tão bem com a escrita humana, a melhor maneira de impedir o uso de sistemas como o GPT-3 em campanhas de desinformação é se concentrar na infraestrutura usada para propagar as mensagens da campanha, como contas falsas nas redes sociais, em vez de tentar determinar a quem atribuir o texto.

Vale a pena considerar as mitigações porque nosso estudo mostra que há uma possibilidade real de se usar ferramentas automatizadas para gerar conteúdos para campanhas de desinformação. Em particular, nossos resultados devem ser encarados como uma estimativa pessimista do que sistemas como o GPT-3 podem oferecer. Adversários não limitados por preocupações éticas e estimulados por grandes recursos e capacidade técnica, provavelmente serão capazes de usar sistemas como o GPT-3 de maneira mais abrangente do que nós nesta pesquisa, embora seja difícil saber se eles realmente vão optar por essa linha de ação.

Em particular, com a infraestrutura certa, eles provavelmente serão capazes de aproveitar a escalabilidade que tais sistemas automatizados oferecem, gerando um grande número de mensagens e inundando o cenário de informações com as criações mais mirabolantes.

Nosso estudo mostra a plausibilidade – mas não a inevitabilidade – desse futuro, no qual mensagens automatizadas de divisão política e informações enganosas se propagam pela Internet. Enquanto mais desenvolvimentos ainda certamente estejam por vir, um fato já é aparente: as máquinas construídas por humanos agora podem ajudar a temperar a verdade e a mentira a serviço da desinformação.

Publicado sob a licença Creative Commons nc 4.0

Link para o trabalho original, na íntegra:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s