Arroz-feijão? Sim. E Funciona? Pode Apostar

Em servidores Linux, pode ser incrivelmente difícil qualquer processo se completar se o disco estiver sem espaço. Comandos de cópia e até mesmo as exclusões podem falhar ou demorar, quando a memória tenta “swap” para um disco que está cheio e há pouco a se fazer para liberar grandes lotes de espaço. Mas, e se houvesse uma maneira de liberar um grande espaço em disco nos momentos em que você realmente precisa? A resposta: Digite o comando dd[1].

Red beans and rice – prato do sul dos EUA

Como decisão de ano-novo, todos os meus servidores têm agora um arquivo espacer.img de 6 a10 GB vazio, que não faz absolutamente nada, exceto ocupar espaço. Dessa forma, em um momento de crise de disco cheio, posso simplesmente excluí-lo e ganhar algum tempo crítico para depurar e corrigir o problema. Oito Giga é uma quantidade significativa de espaço, mas o armazenamento é tão barato nos dias de hoje que acumular esse espaço vazio é basicamente imperceptível… um volume pequeno para se notar normalmente, mas que faz toda a diferença do mundo quando se precisa.

Então é isso. É por isso que eu mantenho um arquivo inútil no disco em todos os momentos: para poder um dia deletá-lo. Esta solução é super simples, trivial para implementar e fácil de utilizar. Verdadeiro arroz-feijão. Obviamente, a solução real é não deixar o servidor de banco de dados sem espaço, mas, como todo administrador sabe, às vezes os servidores ficam cheios devido a erros simples ou falhas inesperadas de design. Quando chega a hora, é bom ter um plano B, porque, caso contrário, você está enrolado com um disco cheio e um dia muito ruim pela frente.

[1] dd é um utilitário de linha-de-comando para sistema UNIX e derivados, cujo propósito é converter e copiar arquivos;

Para criar uma imagem de um HD: Em vez de fazer um backup do disco, você pode criar um arquivo de imagem do disco, como sugerido acima, e salvá-lo em outros dispositivos de armazenamento. Há muitas vantagens em fazer o backup de seus dados para uma imagem de disco, sendo uma a facilidade de uso. Este método é tipicamente mais rápido que outros tipos de backups, permitindo que você restaure rapidamente os dados após uma catástrofe inesperada. Exemplo:

dd if = /dev/hda of = ~/hdadisk.img

Criando e Editando Música com Linux

Sou um aventureiro no mundo da música, minha segunda paixão, e sempre procurei maneiras de construir pontes entre ela e minha primeira paixão, a computação. Em um passado mais ou menos recente andei fazendo experimentações com composição musical digital, usando software como Sybellius e outros (com resultados discutíveis ), e hoje estou sempre atento a oportunidades de usar meus conhecimentos computacionais no campo da produção musical. Pensando no assunto, resolvi fazer um post enfocando o tema, abordando o uso de software livre, notadamente Linux. Sei que meus leitores (conheço todos :)) vão apreciar.

Existem tem muitas opções quando se trata de editores de áudio para o Sistema Operacional Linux. Não importa se você é um produtor profissional ou quer apenas aprender a criar música, os aplicativos editores de áudio serão sempre fundamentais.

Para uso profissional, uma EAD/DAW (Estação de Áudio Digital – Digital Audio Workstation) é sempre recomendada. No entanto, quase ninguém precisa de todas as funcionalidades de uma estação completa; portanto é sempre bom conhecer também alguns dos editores mais simples.

Neste post, falaremos sobre algumas EADs e editores básicos de áudio que estão disponíveis como soluções de código aberto gratuito para Linux e (provavelmente) para outros sistemas operacionais. Não nos concentraremos em todas as funcionalidades que as EADs oferecem, mas sim nas capacidades básicas de edição. De uma certa maneira, você pode considerar este post como a lista das cinco melhores EADs para o LinuxOS.

Instruções de instalação: você encontrará (espero) todos os editores de áudio mencionados aqui no seu AppCenter, centro de software ou gerenciador de pacotes. Não é do escopo deste texto abordar os processos de instalação de cada um deles. No caso de você não os encontrar documentados, dirija-se ao site oficial para informações.

  1. Audacity

Audacity é um dos editores de áudio mais básicos e capazes ainda disponíveis para o Linux. É uma ferramenta multi-plataforma, livre (free as in freedom) e de código aberto. Talvez você já a conheça.

Melhorou muito se comparado a quando começou a ser ‘trending’. Eu já o utilizei para “tentar” fazer karaokes removendo a voz de trilhas de áudio. Ainda é possível fazer isso nas versões ativas – dependendo da fonte dos dados.

Características:

Suporta plug-ins VST (Virtual Studio Technology) que incluem efeitos. Contudo, não espere que ele suporte instrumentos VST.

Gravação de áudio ao vivo através de um microfone ou um mixer.
Capacidade de exportação / importação de múltiplos formatos e vários arquivos ao mesmo tempo.
Suporte de plugin: ladspa, lv2, nyquist, vst e plug-ins de efeitos de áudio.
Edição fácil com funções cortar, colar, excluir e copiar.
Modo de visualização tipo espectrograma, para análise de frequências.

Visite o site

  1. LMMS

A LMMS é uma estação de trabalho digital gratuita multi-plataforma. Inclui todas as funcionalidades básicas de edição de áudio, bem como muitos recursos avançados.

É possível mixar sons, organizá-los ou criá-los usando instrumentos VST. Além disso, o pacote inclui algumas amostras, predefinições, instrumentos VST e efeitos para começar a aprender. Além disso, você também recebe um analisador de espectro para (alguma) edição avançada de áudio.

Características:

Playback via MIDI.
Suporte a instrumentos VST.
Suporte nativo multi-amostra.
Compressor embutido, limitador, delay, reverb, distorção e potenciador.

Visite o site

  1. Ardour

Ardour é outra estação de trabalho de áudio digital livre e aberta. Qualquer que seja a interface de áudio de seu sistema, o Ardour irá suportá-la. É possível adicionar faixas multicanais ilimitadas. As faixas multicanais também podem ser encaminhadas para diferentes mixers para facilidade de edição e gravação.

Você também pode importar um vídeo para editar o áudio, e exportar a coisa toda. Ele vem com muitos plugins embutidos e também suporta plugins VST.

Características:

Edição não linear.
Empilhamento vertical das janelas de trabalho para facilidade de navegação.
Strip silence (removedor de infrassom), push-pull trimming (alternador de fase para eliminar distorção), e o plugin Rhythm Ferret para edição transiente e de gate.

Visite o site

  1. Cecilia

Cecilia não é um software editor de áudio comum. Ele é indicado para designers de som profissionais (ou para você, se estiver no processo de se tornar um). É, tecnicamente, um ambiente de processamento de sinal de áudio. Ele permite que você crie sons de (literalmente) torcer o ouvido.

Ele vem com módulos e plugins para construção de efeitos sonoros e síntese. É adaptado para um uso bem específico – se é isso que você estava procurando, não procure mais!

Características:

Módulos avançados:
UltimateGrainer – um processador de granulação de última geração,
RandomAcumulador – acumulador de gravação de velocidade variável,
UpDistoRes – Distorção com Upsampling e filtro Lowpass ressonante.
Salvamento automático de modulações.

Visite o site

  1. MIXXX

Se você quer mixar e gravar enquanto pilota um Virtual DJ, o Mixxx é uma ferramenta perfeita para a tarefa. Você monitora os BPMs, a chave, e utiliza o recurso Master Sync para sincronizar ritmo e batidas da música.

Suporta equipamento DJ personalizado também. Logo, se você tiver um (ou um midi), você pode gravar mixagens ao vivo usando esta ferramenta.

Características:

Transmissão e gravação de mixes DJ.
Capacidade de conectar equipamento e executar ao vivo.
Detecção de chave e BPM.

Visite o site