ChatGPT, o Grande Ceifador de Carreiras

Eu ainda não experimentei o aterrorizante ChatGPT, que dominou a pauta da mídia tecnológica nos últimos dias – e por um bom motivo.

Imagem: pexels.com

Tenho comentado sobre outros desenvolvimentos igualmente notáveis no campo da pesquisa de redes neurais, tentando acompanhar a sucessão de anúncios de implementações cada vez mais sofisticadas. Contudo, o ChaGPT supera qualquer tecnologia de inteligência artificial discutida aqui por uma ampla margem, com seu enorme potencial para desagregar a sociedade como a conhecemos.

Experimentos

Talvez do interesse de alguns leitores do blog. Um amigo que trabalha em um grupo de desenvolvedores de software excepcionalmente brilhantes e talentosos (chamarei de “Grupo”), me contou que passou algum tempo fazendo experimentos com o ChatGPT (chamarei de “Bot”).

Caso A

Eles pré-selecionaram um determinado grupo de candidatos a emprego em sua empresa com uma série de desafios de programação. Isso é procedimento padrão em empresas de tecnologia nos EUA, onde os experimentos aconteceram.

Bot passou nos testes com honras. Concluíram que a menos que haja um temporizador de digitação no sistema, não é possível distinguir os candidatos humanos dos bots.

Claro, alguém já deve ter um simulador de digitação humana para camuflar o copiar-colar do Bot.

Caso B

O empregador do Grupo tem uma equipe de desenvolvedores dedicada à manutenção de software legado, ou mesmo “morto”. O Grupo alimentou o Bot com módulos reais de algumas aplicações da empresa, configurando os prompts para certas ações literais (“modificar para…”) a serem executadas nos códigos de baixo desempenho.

O Bot executou atualizações do software e fez correções nas falhas.

Caso C

Alguém do Grupo solicitou ao Bot o código de uma função para realizar uma determinada computação. Embora a função necessária não seja muito complexa, ela requer um conhecimento altamente específico do domínio.

Depois de várias tentativas, o Grupo conseguiu que o Bot escrevesse a função correta, usando prompts apenas para orientação, sem revelar à máquina o necessário saber para escrever a função.


A opinião do meu amigo é que, para muitas tarefas básicas na codificação de software, pedir ao Bot para escrever uma função para um humano depois corrigi-la ou ampliá-la conforme necessário vai, em breve, fazer parte de qualquer processo eficiente de desenvolvimento de software — e será inevitavelmente incorporada ao fluxo de trabalho de praticamente todas as atividades do setor de serviços.

Separadamente, meu amigo gosta de escrever ficção. Ele deu ao Bot uma passagem, pedindo-lhe que a reescrevesse “no estilo de” vários autores publicados.

Depois de completada a tarefa, ele olhou para as versões e julgou que algumas das mudanças melhoraram o fluxo ou a expressividade do texto de uma forma que ele mesmo não havia considerado.

Ele descreve o Bot como “uma tecnologia altamente disruptiva”. “Se pensarmos que isso não vai mudar – ou até extinguir – nossas carreiras, podemos nos surpreender.”

Se você pode ler isto, você é a Resistência

De agora em diante, temos que tratar tudo o que vemos na Internet como potencial lixo de IA. A galeria de fotos de um artista? A resposta que parece perfeita no StackOverflow? Aquele artigo inspirador no jornal? Aquele videozinho viral? O livro na Amazon? Eles são todos lixo de IA em potencial. Lixo fascinante, mas lixo mesmo assim.

A invasão dos robôs começou há 15 anos, na maior parte despercebida. Estávamos esperando robôs assassinos, mas não percebemos que lentamente afogávamos em lixo midiático gerado por IA. Nunca lutaremos contra Exterminadores usando laser. Em vez disso, nos sujeitamos diariamente a algoritmos que nos tornam estúpidos o suficiente para lutar uns contra os outros.

Talvez seja a hora de entrar para a resistência; de ser e agir como seres humanos decentes. Desconectar. Ir para fora. Iniciar discussões humanas. Recusar a tomar como certo “o que foi postado na Internet”. Encontrar pessoas. Toque. Cheiro. Construir negócios locais. Fugir dos monopólios. Recusar-se a compartilhar por impulso. Parar de chamar perfis de desconhecidos “comunidade”. Juntar-se a web rings e à blogosfera humana – enquanto ainda se pode distinguir. Acho.

Como reconhecer verdadeiras comunidades humanas livres de interferências algorítmicas?

Não sei. Eu nem sei se sobrou alguma. Isso é assustador. Mas, enquanto pudermos desligar o plugue, podemos resistir. Desconectar!

2 comentários sobre “ChatGPT, o Grande Ceifador de Carreiras

    1. Dê uma olhada no blog, Felipe, usando as tags. Infelizmente, o material de qualidade ainda está em inglês. Tentamos preencher essa lacuna aqui, mas somos poucos.

      Para te responder eu fiz uma rápida pesquisa usando “Recursos Inteligencia Artificial”. Nenhum resultado educativo apareceu. Cuidado com os textos compostos por… Inteligencia Artificial! 🙂

      [Material do Blog sobre Pesquisa de AI:](https://voxleone.com/tag/pesquisa-de-ai/)

      Boa sorte, abraços!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s