Ômicron: a Vacina que não Soubemos Fazer?

A medida que a Ômicron avança, eu começo a ver argumentos surpreendentes (e um pouco perturbadores) sobre como proceder daqui em diante em face da… epidemia?

Imagem: Pexels

O fluxo de informação na genética é muito mais complexo do que pode parecer em uma análise superficial, um ponto ilustrado de forma travessa por um pequeno factóide: pesquisadores descobriram que, cortando a cabeça e a cauda de um verme e aplicando uma corrente elétrica – o que interrompe o fluxo de informações no crescimento celular – você pode obter um verme com cabeça em ambas as extremidades. Se você cortar esse novo verme ao meio, você terá dois novos vermes de duas cabeças, mesmo que tenham exatamente o mesmo DNA do verme original de uma cabeça.

Tudo isso demonstra que há algo mais do que o DNA se escondendo nas leis da genética. É a chamada epigenética. Na biologia, a epigenética é o estudo das mudanças hereditárias do fenótipo que não envolvem alterações na sequência de DNA.

A evolução leva tempo, mas é brutal em sua seletividade. O indivíduo de uma espécie, seja qual for, dos humanos aos vírus, sempre surge como um “ponto ideal” entre variáveis independentes e caóticas. Tanto a otimização excessiva quanto a sub-otimização são prejudiciais a esses sistemas compostos de partes menores, embora cada parte tenha otimizações diferentes e pareça surgir de fundamentos muito básicos através do caminho da “complexidade”.

Como sabemos, a maioria dos sistemas biológicos podem, acima de um certo nível de complexidade, copiar a si mesmos. Qualquer erro nesse processo de cópia – se não for corrigido – vai resultar em uma variante genética. Se essa mudança aleatória causar um aumento marginal na longevidade ou na capacidade de reprodução do indivíduo, ela será favorecida e passada adiante. Daí a noção de “evolução” ser fundamental para o que acontece nas mutações genéticas.

O resultado é sempre uma especialização que dá vantagem ao organismo que, por isso, acaba se tornando predominante. Até que a mutação se torne menos vantajosa ou outra variante ganhe uma vantagem diferente.

Podemos ver isso em ação em “tempo real” atualmente com as variantes do SarsCov: a Delta foi substituída pela Ômicron, que por sua vez está sendo substituída por outra variante da Ômicron. No final do atual processo, portanto, presume-se que um sistema simbiótico eficaz se desenvolverá e o SarsCov2 se tornará, como os outros vírus Corona que infectam humanos [como o resfriado comum], um oportunista de fundo.

Os jovens vão contaminar todo o mundo

Então, o resumo de tudo é que, vendo o desenrolar dos fatos, em minha situação eu tenho pouca escolha. Vou me infectar, assim como todos os outros que não vivem em uma bolha isolada.

Na verdade, minhas escolhas se limitam a:

  • 1. Continuar empurrando a pedra ladeira acima – que no fim vai acabar rolando de volta.
  • 2. Facilitar o contágio inevitável – relativamente benigno para uma pessoa totalmente vacinada.

Tão pouca escolha se torna uma escolha real. Os itens 1 e 2 se traduzem da seguinte forma:

  • 1. Viver em uma bolha que eventualmente irá estourar, sabendo que a cada dia que passa minha imunidade está diminuindo. Então, quanto mais eu evitar, pior será nos meses à frente. Poderá ainda haver uma variante consideravelmente mais patogênica.
  • 2. Aceitar o inevitável, enquanto eu ainda tenho alguma proteção vacinal – e a variante atual é relativamente benigna para uma pessoa com esquema vacinal completo.

A Dinamarca suspendeu todas as restrições com base no que parece ser uma evidência científica sensata. Somam-se a isso profissionais de saúde com expertise na área dizendo, a “Ômicron é a vacina que não pudemos fazer ou distribuir”.

Você tem que perguntar o que isso realmente significa, não apenas em um nível social, mas individual.

Sem escolha

Nenhuma ação que as pessoas tomem é isenta de riscos – mesmo ficar na cama tem riscos significativos para a saúde. Assim, surge a questão não apenas do “risco comparado”, mas também do “risco nominal”.

No momento tenho alguma imunidade da vacina, mas isso está diminuindo. Essa imunidade pode não estar presente em algumas semanas, quando uma nova variante inevitavelmente surgir.

A auto-contaminação é um risco calculado que eu não assumiria em nenhuma outra circunstância. Mas está claro que os políticos querem qualquer desculpa para “abrir tudo de cambulhada”. Então a minha escolha foi removida, já há algum tempo.

Eu serei infectado, não porque eu deseje/queira, mas porque minha escolha foi tirada de mim. Evitar todos que possam estar infectados é impraticável, então em algum momento eu – provavelmente – ficarei infectado e sintomático – mas espero que não no nível que exija internação hospitalar.

Imitando o fraseado do pérfido Bolsonaro, no tocante (argh!) à patogenicidade, ela está no nível mais baixo em dois anos.

A próxima variante será menos patogênica? Eu não tenho ideia. Mas é mais provável ser mais para cima do que para baixo do que está sendo dito. Vou deixar os outros lutarem com essa questão.

O que eu sei é que minha imunidade, como a de todo mundo, está em contagem regressiva…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s