Splinternet: a Crescente Ameaça de Fragmentação da Rede

Você tenta usar seu cartão de crédito, mas ele não funciona. Na verdade, o cartão de crédito de ninguém funciona. Você tenta ir a alguns sites de notícias para descobrir o que está acontecendo, mas também não consegue acessar nenhum deles. Nem mais ninguém consegue. Logo as pessoas estão em pânico fazendo compras de itens essenciais e esvaziando caixas eletrônicos.

Imagem: iStock

Esse tipo de colapso catastrófico da pan-Internet é mais provável do que a maioria das pessoas imagina. O Projeto Atlas da Internet[1], da Universidade da Califórnia, Berkeley, tem como objetivo produzir indicadores dos pontos fracos, gargalos e vulnerabilidades que ameaçam a estabilidade da Internet, tornando mais claros os riscos de longo prazo.

Por exemplo, onde estão os pontos de fragilidade na conectividade global de cabos? Cabos físicos submarinos fornecem 95% do tráfego de voz e dados da Internet. Mas devido a problemas de infraestrutura, alguns países, como Tonga, se conectam a apenas um outro país, o que os torna vulneráveis ​​a ataques de grampeamento de cabos.

Outro exemplo são as redes de distribuição de conteúdo, que os sites usam para disponibilizar prontamente seu conteúdo a um grande número de usuários. Para ilustrar o problema, uma interrupção na rede de distribuição de conteúdo [Content Delivery Network – CDN] Fastly em 8 de junho de 2021, interrompeu brevemente o acesso aos sites da Amazon, CNN, PayPal, Reddit, Spotify, The New York Times e do governo do Reino Unido.

Atualmente, a Internet enfrenta perigos duplos. Por um lado, existe a ameaça de consolidação total. O poder sobre a Internet tem se concentrado cada vez mais, notadamente nas mãos de algumas organizações sediadas nos Estados Unidos. Por outro lado, nota-se uma crescente fragmentação. As tentativas de desafiar o status quo, especialmente por parte da Rússia e da China, ameaçam desestabilizar a Internet globalmente.

Para quem a Internet está se tornando mais confiável e para quem ela está se tornando mais instável? Estas são as questões críticas. Cerca de 3,4 bilhões de pessoas agora estão se conectando à Internet em países como Fiji, Tonga e Vanuatu. Que tipo de Internet eles herdarão? Uma Internet controlada pelos EUA.

Desde pelo menos 2015, os principais serviços que alimentam a internet estão cada vez mais centralizados nas mãos de empresas americanas. Estima-se que as corporações, organizações sem fins lucrativos e agências governamentais dos EUA poderiam bloquear um total de 96% do conteúdo da Internet global de alguma forma.

O Departamento de Justiça dos EUA costumeiramente usa ordens judiciais destinadas aos fornecedores de tecnologia [Google, Facebook, etc] para bloquear o acesso global a conteúdos ilegais nos EUA, como violações de direitos autorais. Ultimamente, porém, o governo federal dos EUA tem estendido sua jurisdição de forma mais agressiva. Em junho, o DOJ usou uma ordem judicial para suspender brevemente um site de notícias iraniano que o departamento alegou estar espalhando desinformação.

Devido às interdependências da web – como das redes de distribuição de conteúdo – um passo em falso na aplicação desses procedimentos pode derrubar uma peça-chave qualquer da infraestrutura da Internet, tornando mais provável um apagão generalizado.

Nesse meio-tempo, não apenas o governo, mas empresas de tecnologia com sede nos EUA também correm o risco de causar estragos pelo mundo. Considere a recente briga da Austrália com o Facebook sobre o pagamento às agências de notícias por seu conteúdo. A certa altura, o Facebook bloqueou todas as notícias em sua plataforma na Austrália.

Uma consequência foi que muitas pessoas em Fiji, Nauru, Papua Nova Guiné, Samoa, Tonga e Vanuatu perderam temporariamente uma fonte importante de notícias, porque dependem de planos de celular pré-pagos que oferecem acesso com desconto ao Facebook [mas não a sites de informação]. À medida que essas escaramuças aumentam de frequência, os países em todo o mundo estarão cada vez mais sujeitos a interrupções em seu acesso à Internet.

Uma ‘Splinternet’

Naturalmente, nem todo mundo está feliz com essa Internet liderada pelos EUA. A Rússia estrangula o tráfego do Twitter. A China bloqueia o acesso ao Google.

Essas manobras domésticas ameaçam colapsos localizados [a Índia agora se acostumou a fechar a Internet regionalmente durante distúrbios civis]. Tomados em conjunto, esses movimentos representam uma ameaça global: a fragmentação da Internet. Uma Internet fragmentada ameaça a expressão individual, o comércio e a cooperação global na ciência.

Esse estado de coisas também aumenta o risco de ataques ao coração da Internet. Em uma Internet aberta global, os ataques à infraestrutura prejudicam a todos. As internets nacionais isoladas, entretanto, seriam mais resistentes. Por exemplo, a Rússia possui a capacidade de se desconectar do resto da Internet mundial, mantendo o serviço internamente. Dispondo dessa capacidade, ela poderia ser tentada a atacar a infraestrutura central da Internet global com menos risco de perturbar sua população doméstica. Um ataque sofisticado contra uma empresa-chave dos Estados Unidos [qualquer uma] pode causar uma interrupção de grande escala na Internet.

O Futuro da Internet

Durante grande parte de sua história, a Internet foi imperfeitamente, mas amplamente aberta. O conteúdo pode ser acessado em qualquer lugar, além das fronteiras nacionais. Talvez essa abertura seja por causa, e não apesar, do domínio de uma grande democracia liberal como os EUA sobre a internet.

Quer essa teoria seja válida ou não, é improvável que o domínio dos EUA sobre a Internet persista indefinidamente. O status quo enfrenta desafios colocados pelos adversários dos EUA, seus aliados históricos e suas próprias empresas nacionais de tecnologia. Se não houver uma ação coordenada, o mundo ficará com uma mistura de poder norte-americano sem controle e um distópico mundo de escaramuças descentralizadas ad-hoc.

Nesse ambiente, construir uma internet estável e transnacional para as gerações futuras é um desafio. Requer delicadeza e precisão. É aí que um trabalho de análise como o do Projeto Atlas faz a diferença. Para tornar a Internet mais estável globalmente, as pessoas e instituições precisam de medições precisas para entender seus pontos de estrangulamento e suas vulnerabilidades. Assim como os bancos centrais observam as métricas de inflação e emprego quando decidem como estabelecer taxas, a governança da Internet também deve se basear em indicadores – por mais imperfeitos que sejam.

* * *

[1] O Internet Atlas mede os riscos estruturais de longo prazo para a Internet global. Ele produz indicadores reproduzíveis e disponibilizados de forma aberta para identificar pontos fortes e fracos em vários níveis da “pilha” da Internet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s