Estamos Vivendo em Uma Realidade Simulada?

Dezenas de posts e artigos parecidos com este abundam na Internet brasileira. Mas a qualidade é, em geral, duvidosa para dizer o mínimo. Muito do material disponível é entremeado de pseudo-ciência e verborragia da Nova Era. Meu blog nasceu para ajudar no combate à superstição e ao pensamento mágico. Ele não estaria completo sem uma versão caseira dessa discussão, feita à minha maneira. De qualquer forma, o debate sobre esse tópico não avançou muito desde 2003, e todos, no fim, ainda falam praticamente a mesma coisa. Fica como meu registro particular.

Imagem: iStock

Estamos vivendo em uma simulação? Embora tenha havido uma boa quantidade de reflexões secundárias e propostas mal elaboradas em torno da hipótese, há na verdade um grupo significativo de respeitáveis ​​filósofos e físicos contemporâneos que estão considerando seriamente a ideia e suas implicações.

O argumento como o conhecemos hoje apareceu pela primeira vez em um artigo do filósofo sueco Nick Bostrom, em 2003, que se posicionou tanto a favor quanto contra a proposição de um universo simulado e então explorou uma série de consequências que resultam da proposição. Os pontos principais aparecem no início do argumento, no qual Bostrom afirma que pelo menos uma das seguintes premissas é verdadeira:

  • É muito provável que a espécie humana extinga-se antes de atingir um estágio “pós-humano”.
  • É extremamente improvável que qualquer civilização pós-humana execute um número significativo de simulações de sua história evolutiva (ou variações dela).
  • Quase certamente estamos vivendo em uma simulação de computador.

Bostrom chama isso de trilema. Estaremos revisitando esses pontos à medida que exploramos os argumentos.

O Trilema de Bostrom

Bostrom é indeciso sobre a validade da hipótese da simulação, embora seja o propositor original e um dos seus principais defensores. Ele acredita que há uma chance significativa de que um dia haja entidades pós-humanas, talvez nossos descendentes, capazes de criar uma simulação de seus ancestrais – implicando que isso já pode ter acontecido e somos nós a simulação.

Bostrom aceita o argumento, mas rejeita a hipótese da simulação. Ele afirma:

“Pessoalmente, atribuo menos de 50 por cento de probabilidade à hipótese de simulação – algo em torno de 20 por cento, talvez. No entanto, esta estimativa é uma opinião pessoal subjetiva e não faz parte do argumento da simulação. Meu raciocínio é que não temos evidências fortes a favor ou contra qualquer um dos três disjuntos (1) a (3). Portanto faz sentido atribuir a cada um deles uma probabilidade significativa. “

Ele prossegue dizendo que embora alguns filósofos aceitem o argumento da simulação, as razões deles para isso diferem de várias maneiras. Bostrom é rápido em apontar que esta não é uma variante do famoso experimento mental do cérebro-em-uma-cuba de Descartes.

… o argumento da simulação é fundamentalmente diferente desses argumentos filosóficos tradicionais … O propósito do argumento da simulação é diferente: não é estabelecer um problema cético como um desafio às teorias epistemológicas e ao senso comum [como fez Descartes], mas sim argumentar que temos razões empíricas para acreditar que uma certa afirmação disjuntiva sobre o mundo é verdadeira.

Seu argumento da simulação depende de capacidades tecnológicas hipotéticas e de seu emprego na criação de um universo – e um mundo – perfeitamente simulado, que incluiria nossas mentes e as experiências do que consideramos “realidade”.

Descobrimos as Leis da Simulação?

Em uma discussão abrangente e elucidativa, alguns anos atrás, Max Tegmark, cosmologista do MIT, apresentou alguns argumentos sobre a natureza da simulação, comparando-a a um videogame.

Se eu fosse um personagem de um jogo de computador, eu também acabaria descobrindo em algum momento que as regras a que eu estivesse submetido pareceriam completamente rígidas e matemáticas. Isso refletiria o código de computador em que o jogo foi escrito.

O seu ponto é que as leis fundamentais da física acabarão nos concedendo a capacidade de criar computadores cada vez mais poderosos, muito além de nossa capacidade atual. Essas estruturas poderão ser do tamanho de sistemas solares, talvez até de galáxias. Com tanto poder de computação, poderíamos facilmente simular mentes – se de fato isso já não acontece.

Sob a suposição de que estamos em um sistema supercomplexo que roda em computadores do tamanho de uma galáxia, alguns detratores da hipótese argumentam que deveríamos, então, ser capazes de detectar algumas “falhas na Matriz”, como os riscos e manchas que vemos em um filme.

Bostrom é rápido em apontar que qualquer falha que viéssemos a encontrar poderia ser atribuída a perturbações de nossa mente. Isso inclui alucinações, ilusões e outros tipos de eventos psiquiátricos. Se qualquer tipo de falha ocorresse, o que é esperado em um sistema de computação, Bostrom acredita que os simuladores – vastamente inteligentes – seriam capazes de contornar o problema:

… ter a capacidade de impedir que as criaturas simuladas percebam anomalias na simulação. Isso poderia ser feito evitando por completo a ocorrência de anomalias, ou impedindo que as anomalias tivessem ramificações macroscópicas perceptíveis, ou ainda editando retrospectivamente os estados cerebrais dos observadores que testemunhassem algo suspeito. Se os simuladores não quiserem que saibamos que estamos sendo simulados, eles poderão facilmente nos impedir de descobrir.

Bostrom passa a considerar que ter essa capacidade de editar a realidade percebida não é uma coisa tão absurda, visto que nossos cérebros orgânicos já fazem isso: quando estamos no meio de um sonho fantástico, geralmente não percebemos que estamos sonhando e esse truque simples é realizado por nosso cérebro sem nenhuma ajuda tecnológica.

Testando Experimentalmente a Hipótese da Simulação

Imagem: iStock

Zohreh Davoudi, física da Universidade de Maryland, acredita que podemos testar empiricamente se estamos ou não em uma simulação.

“Se considerarmos que uma simulação subjacente do universo tem o mesmo problema de recursos computacionais finitos que nós temos, então as leis da física desse universo devem ser comprimidas em um conjunto finito de pontos dentro de um volume também finito. Daí então, fazemos experimentos e tentamos verificar se as assinaturas que detectamos nos revelam se estamos ou não inseridos em um espaço-tempo não contínuo.”

A evidência que provaria que estamos vivendo em uma simulação poderia vir de uma distribuição incomum de raios cósmicos atingindo a Terra, sugerindo que o espaço-tempo não é contínuo, mas sim feito de pontos discretos – embora o problema de provar que você está em simulação implique que qualquer evidência encontrada também pode ser simulada.

Davoudi traz à tona um antigo ponto teológico com uma premissa atualizada e moderna.

… O que é chamado de simulação são apenas parâmetros iniciais que você insere em um modelo e o universo, a natureza e as leis da física emergem naturalmente, como resultado. Você não tenta fazer parecer que algo está acontecendo. Você não interfere com o que você criou. Você apenas insere algo bem fundamental e deixa a coisa evoluir – exatamente como nosso universo.

Outros comentaristas observaram que essa conceitualização é semelhante ao teísmo, a ideia de que “deus” foi a causa primeira que colocou o universo em movimento, mas não interferiu nele depois. Da simplicidade dessas leis da física emergem processos complexos que parecem ter continuado a crescer e evoluir à medida que o universo envelhece.

Argumentos Contra a Hipótese da Simulação

A física teórica Sabine Hossenfelder, da Goethe University Frankfurt, está no grupo que acredita que a hipótese da simulação é simplesmente uma bobagem. Hossenfelder também tem problemas com a natureza do argumento e a maneira como a teoria é apresentada. Ela diz:

Proclamar que ‘o supremo programador fez’ não apenas não explica nada; isso nos remete de volta à era da mitologia. A hipótese da simulação me incomoda porque se intromete no terreno dos físicos. É uma afirmação ousada sobre as leis da natureza que, no entanto, não se submete ao que sabemos sobre as leis da natureza.

Hossenfelder acredita que há uma maneira trivial de dizer que o argumento da simulação está, sim, correto:

“Você poderia simplesmente interpretar as teorias atualmente aceitas como significando que nosso universo ‘calcula’ as leis da natureza. Logo, é tautologicamente verdade que vivemos em uma simulação de computador. É também uma afirmação totalmente sem consequência.”

Saindo do reino da lógica linguística e entrando na matemática e nos fundamentos da física, Hossenfelder continua a explicar que um universo quântico como o nosso não pode ser construído com bits clássicos. É também preciso levar em consideração a relatividade especial, que ninguém que tenha testado qualquer tipo de hipótese experimental foi capaz de contornar.

Impossível Distinguir um Universo Simulado

Lisa Randall, uma física teórica da Universidade de Harvard, se diz perplexa em saber o quanto este tópico é levado a sério. Sua lógica opera sob a premissa de que essa ideia nunca poderá ser testada cientificamente e é apenas uma mera armadilha linguística para os cientistas.

“Na verdade, estou muito interessada em saber por que tantas pessoas acham que essa é uma questão interessante”, diz ela sobre o assunto.

Sua previsão é que as chances de que o argumento esteja correto são efetivamente zero. Não há nenhuma evidência concebível de que estamos vivendo em uma simulação. Isso funciona em paralelo com o conceito ancestral de um deus criador. A única diferença é que, na simulação, um sistema computacional assume o lugar do antigo arquiteto, Jeová.

Para realmente distinguir uma simulação, é preciso detectar claramente uma quebra na nossa noção das leis da física ou em algumas das propriedades fundamentais subjacentes. Para simular o universo, você precisa do poder computacional do universo inteiro.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s