Mineradora Canadense de Bitcoin Escolhe a Argentina para ‘Fábrica’

Quando se sabe que a mineração de bitcoin é muito intensiva no uso da energia elétrica [que alguns economistas alegam ser a âncora de facto da moeda], a nota que captamos neste domingo sonolento [e certamente mortal, como saberei nos jornais da noite], revela alguns desenvolvimentos interessantes no campo das criptomoedas.

Milhares de CPUs em um datacenter

Um report do Mercopress dá conta de que a mineradora de bitcoin canadense Bitfarms anunciou planos de iniciar operações na Argentina no início de 2022, com um total de 55.000 máquinas. O país surgiu como uma escolha lógica devido aos custos relativamente baixos em pesos locais, com todos os lucros sendo em bitcoin, disseram analistas.

A empresa celebrou um contrato ‘significativamente aprimorado’ de compra de energia com um produtor privado da Argentina, segundo o qual a Bitfarms tem o direito de extrair até 210 MW de eletricidade a seu critério.

A duração inicial do contrato é de oito anos. Durante os primeiros quatro anos, o custo efetivo da eletricidade será de US$ 0,022 por kWh”, disse a empresa, fundada em 2017, em comunicado.

Traduzido em números, 210 MW é suficiente para instalar 55.000 máquinas de mineração e gerar cerca de US$ 650 milhões de receita ou 11.774 bitcoins, com base nos “níveis de dificuldade atuais” da prova de trabalho e em um preço de criptomoeda de US$ 55.000 por unidade.

Ver nota no Mercopress

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s