Momento Pede Cautela com Aplicativos Financeiros

O site Protocol informa que as avaliações de valor das ações das fintechs têm despencado mais rápido e com mais força do que o resto do setor de tecnologia.

Fintech
Imagem: Pexels

De acordo com o artigo no Protocol,

um gráfico publicado pela a16z mostra que o pico de múltiplos [o que são ‘múltiplos’ no contexto das ações] de receita futura para empresas de fintech foi em outubro de 2021, quando atingiu quase 25x. Agora, caiu para menos de 5x. De acordo com dados da F-Prime Capital, esta é uma queda mais acentuada do que a verificada em outros setores da tecnologia.

Até 2019, as fintechs estavam em relativa sintonia com as altas das empresas emergentes dos serviços de nuvem. Entre 2020 e 2021 a valorização subiu como um foguete para ficar muito acima do desempenho das outras empresas de serviços de nuvem. Mas desde o início deste ano, o índice fintech da F-Prime vem caindo. Ele chegou a cair abaixo abaixo do índice de nuvem no final de março. À medida que as fintechs públicas estão vendo seus valores de mercado encolherem, será mais difícil para as empresas ainda privadas justificarem suas próprias avaliações exuberantes.

A queda das avaliações do mercado público golpeou o mercado com força extra esta semana. Mais startups de fintech começaram a fazer cortes. Das 19 demissões em massa listadas no Layoffs.FYI esta semana, nove foram em empresas financeiras. A Klarna disse aos funcionários, por meio de uma mensagem de vídeo, que demitiria 10% de sua força de trabalho. “Quando estabelecemos nossos planos de negócios para 2022, no outono do ano passado, era um mundo muito diferente do que estamos hoje”, disse o CEO Sebastian Siemiatkowski no vídeo.

Definições

Fintech é uma uma palavra composta da língua inglesa que significa “tecnologia financeira”. É um termo genérico para qualquer tecnologia usada para aumentar, simplificar, digitalizar ou competir com os serviços financeiros tradicionais.

Fintech refere-se a software, algoritmos e aplicativos para ferramentas baseadas em computador e dispositivos móveis. Em alguns casos, também inclui hardware – como cofrinhos inteligentes e conectados ou plataformas de negócios baseadas em realidade virtual (VR). As plataformas de fintech permitem que o usuário desempenhe tarefas comuns, como depositar cheques, movimentar dinheiro entre contas, pagar contas ou solicitar ajuda financeira.

Elas também abrangem conceitos tecnicamente complexos, como empréstimos ponto a ponto ou trocas de criptomoedas. Essa complexidade, porém, não impede que influencers [atrizes da lista B, designers de unhas, coaches de maquiagem, nutricionistas autodidatas] e figuras do entretenimento [cantores de funk, DJ’s, sofredoras sertanejas, etc.] posem de consultores financeiros a exaltar as fintechs no horário nobre da televisão e nas infames redes sociais.

Os bancos usam fintechs para processos de back-end – monitoramento da atividade da conta, por exemplo – e soluções voltadas para o consumidor, como o aplicativo que você usa para verificar seu saldo. Indivíduos usam fintech para tudo, desde cálculos de impostos até incursões nos mercados, sem necessidade de experiência prévia em investimento (o horror, o horror!).

As empresas contam com as fintechs para processamento de pagamentos, transações de comércio eletrônico, contabilidade e, mais recentemente, para buscar assistência em programas de assistência governamental. Após a pandemia da COVID-19, mais e mais empresas estão recorrendo às fintechs para habilitar recursos como pagamentos “sem fricção” ou outras transações baseadas em tecnologia.

Aumento da concorrência global

Historicamente, as instituições financeiras tradicionais sempre foram protegidas pelas condições nacionais de seus respectivos mercados. Dentro de cada jurisdição nacional há um conjunto diferenciado de condições e regulamentações financeiras, gerando instituições financeiras compatíveis com serviços adaptados às necessidades locais.

Nos últimos anos, no entanto, essas fronteiras nacionais foram rapidamente erodidas, impulsionadas pela rápida ascensão de empresas de fintech que oferecem soluções financeiras globais. Como resultado, as finanças institucionais foram forçadas a competir de passo a passo com essas empresas aparentemente ágeis ou aprender a cooperar e estabelecer parcerias com elas.

Essa dinâmica do “tradicional versus ágil” alimentou um cenário competitivo em todo o mundo, e os jogadores que desejam prevalecer nessa corrida precisam escolher suas alianças estratégicas com sabedoria.

No caso de muitas fintechs, buscar alianças com terceiros não é uma escolha. Seus modelos de negócios realmente dependem disso. Para as equipes de operações computacionais, a pressão adicional da concorrência e a necessidade de contratar serviços e parcerias de terceiros para se manter à frente são fontes de risco operacional que podem aumentar a exposição além de qualquer controle.

‍Responsabilidade profissional e pessoal

No final das contas, a maioria das fintechs fornece ou habilita um serviço financeiro.

Isso – por si só – expõe a empresa à negligência, erros de serviço, reclamações de fraude e vários outros riscos comuns associados a serviços financeiros. As fintechs, que oferecem produtos financeiros totalmente novos por meio de modelos de serviços inovadores, são especialmente propensas a se encontrar no lado errado das reivindicações de responsabilidade profissional.

Em geral, o problema é de desajuste: as fintechs geralmente sobrecarregam sua própria capacidade operacional e não padronizam novos processos, gerando assim cada vez mais erros. Os consumidores, por outro lado, são propensos a usar os aplicativos de fintech com pouca atenção, sem conhecimento básico de tecnologias da web e quase sempre sem tomar medidas de precaução para proteger a si mesmos, seus dados e seu dinheiro.

Fintechs têm o dever ético de mitigar os riscos operacionais

O risco operacional é o risco de fazer negócios com fintechs, e gerenciar esse risco é uma prioridade inevitável para qualquer liderança de operações. Na maioria das vezes, a maior exposição ao risco pode ser encontrada em processos operacionais mal implementados. A mitigação de riscos geralmente começa com a aplicação de uma estrutura de avaliação de riscos testada e comprovada, e não há garantia de que os aplicativos de fintech populares estejam preocupados com esses aspectos. O marketing irreverente dessas empresas na televisão brasileira e na Internet, usando Youtubers e figuras dos reality shows, não me ajuda a ter muita confiança.

Para terminar

Sem uma abordagem sistemática para definir e demonstrar o comportamento ético, a insistência em uma suposta superioridade prática das fintechs vai sair pela culatra. À medida que a adoção de fintechs continua a aumentar, haverá um número crescente de instâncias em que as fintechs falharão no teste da ética e da segurança operacional. Mesmo que a porcentagem dessas falhas seja menor entre as fintechs do que entre as instituições financeiras tradicionais, isso não ajudará a diminuir as percepções de alto risco associadas a elas.

As fintechs fariam um favor a si mesmas ao abandonar a perigosa superficialidade em seu marketing e a retórica vazia da “conveniência”, em favor da adoção de procedimentos operacionais e de supervisão ética de alto padrão, além de focar na resolução dos complexos problemas dos consumidores e clientes. Se elas estão à altura desses desafios logo saberemos.

PS: Este post se refere aos acontecimentos do momento nos mercado avançados. Essas tendências se refletem, às vezes com um pequeno atraso, nos mercados periféricos, como o Brasil, mas sempre se refletem. Lembro aos leitores que uma gripe lá acaba sendo uma pneumonia aqui.

Fontes adicionais:

https://www.forbes.com

https://www.weforum.org/