Reflexões sobre ‘AI Art’ no Início de um Ano

O aparecimento de ferramentas muito sofisticadas de redes neurais no fim do ano passado, inaugurou uma crise existencial nas artes e na tecnologia. Proponho começar o ano do blog com esse assunto.

Quadros em uma parede
Imagem: Pexels

Estivemos atentos ao notável desfile de novas ferramentas de Inteligência Artificial apresentadas durante o ano passado.

As novas tecnologias de fato apresentam desafios aos artistas, o que sempre aconteceu. Mas não tenho certeza se o desafio da arte feita com inteligência artificial é tão diferente do desafio da arte feita por primatas ou elefantes. Ambos os casos revelam o problema subjacente de definir a arte em nosso tempo.

Historicamente e transculturalmente, a arte sempre teve muitas definições e serviu a muitas funções. Me parece necessário oferecer um contexto mais amplo para esta discussão, que até agora tem sido um tanto estreita e árida – mas isso é verdade para quase todas as discussões sobre arte em nosso tempo, não apenas para as deste assunto.

A noção atual de arte surgiu após o advento de duas novas tecnologias:

  • (a) fotografia,

que levantou questões sobre continuar a usar métodos mais antigos de imitar a natureza, e

  • b) fotografia reproduzida em massa (incluindo cinematografia),

que levantou questões sobre a singularidade – entendida como convergência de tecnologias – e da inovação como características definidora da arte. Mas é preciso observar que a arte é uma característica universal do gênero humano. Nem toda pessoa produz arte ou se interessa por ela, mas toda sociedade humana se preocupa com ela. Nem todas as sociedades, no entanto, definiram a arte da mesma forma ou atribuíram-lhe as mesmas funções.

O propósito da arte às vezes tem sido codificar simbolicamente e, assim, preservar o conhecimento prático, como quais plantas são comestíveis e quais não são. Ou para sinalizar o status e o poder de potentados. Ou para celebrar os ancestrais (como os totens da América do Norte). Ou, como objetos sacramentais, para mediar o sagrado. Ou para ajudar na meditação. Ou para promover a apreciação da beleza.

A arte segundo diversos povos

Ao contrário dos gregos, os egípcios não valorizavam nem a singularidade nem a inovação em si. Pelo contrário, valorizavam a fidelidade à tradição. Seus estilos artísticos mudaram, lentamente, mas não porque eles sentiram qualquer necessidade de experimentar ou melhorar paradigmas antigos.

Os chineses seguiram esse padrão. Eles também não valorizavam a inovação. Os artistas podiam pintar o mesmo ramo de bambu repetidamente, durante anos, antes de encontrar sua essência. Eles queriam que os artistas descobrissem o eterno Tao na natureza e o transmitissem em termos visuais.

Da mesma forma, os japoneses não restauravam seus templos. Em vez disso, eles continuavam a reconstruir essas estruturas – isto é, a reproduzir os protótipos exatamente da mesma maneira, de novo e de novo.

No Ocidente, os artistas medievais raramente assinavam suas próprias obras. Tampouco estabeleceram a iconografia – tarefa que a Igreja realizou por eles. Até hoje, os cristãos ortodoxos orientais recriam ícones antigos. Eles valorizam artistas que demonstram piedade pessoal acima da ambição pessoal.

No momento, como eu já disse, a arte é definida quase exclusivamente em conexão com a singularidade e a inovação. Os artistas não passam mais fome nos proverbiais sótãos na margem esquerda do Sena, mas tentam conquistar uma imagem pública de figuras de vanguarda na luta contra os “valores burgueses”.

Muitos artistas descrevem seu trabalho em conexão com a reforma ou revolução social e política. Outros artistas, seguindo a tendência contemporânea ao individualismo, usam seu trabalho para se expressar psicologicamente.

Outros tantos artistas usam linguagem científica para descrever seu trabalho, como se estivessem fazendo experimentos para aprender sobre a física da luz ou dos fenômenos ópticos. Nesse contexto, faz sentido questionar se uma obra de arte é original (com valor artístico e financeiro) ou cópia (com pouco ou nenhum valor).

Concluo

Um crescente número de pessoas ligadas à arte parece rejeitar qualquer linha dura de separação entre arte e mero artifício – me ocorre que alguns dos mais hábeis pintores de cavernas também poderiam considerar uma tela de tecido trapaça.

Na minha opinião, as tecnologias emergentes devem ser rotuladas como tal, para que possamos ver o que ela realmente tem ou não, e chegar mais perto de uma avaliação honesta assim que nossa indignação diminuir. Duvido que alguma inteligência artificial possa produzir algo que rivalize com as grandes e eternas obras de arte. Mas se chegar a tanto, que se mantenha-o rotulado como “Produzido por IA” [por favor].

A máquina mais sofisticada em existência não se pode comparar nem remotamente, no sentido verdadeiro, ao ser humano. Há uma diferença categórica. Uma inteligência projetada não cria verdadeiramente seu output, pelo menos não ainda. E se consideramos elementos como “musas”, “inspiração” e coisas do gênero, talvez os grandes artistas também não criem todas as suas obras espontaneamente.

Mas uma pessoa não se safaria levando o crédito pela beleza de uma paisagem selvagem. E um zircônio não pode reivindicar legalmente ser um diamante (mesmo que tenha personalidade). A distinção entre beleza natural, humana e a simulada por máquina permanece significativa – pelo menos por enquanto.

Parece improvável que isso mude completamente, mas se estamos indo em direção a uma completa indistinção entre homem e máquina, eu “exijo” que mantenhamos o controle e coloquemos carimbos de identificação em nossos Senhores Robôs.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s