A Escassez de Chips e o Preço do Seu Smartphone

A Intel anunciou ontem (31/05) que pode levar vários anos para que a escassez global de semicondutores seja resolvida, um problema que já provocou o fechamento de várias linhas de produção de automóveis e que também está sendo sentido em outras áreas, incluindo produtos eletrônicos de consumo.

iStock

O CEO Pat Gelsinger disse, em uma sessão virtual da feira Computex em Taipé, que a necessidade de atividades remotas na pandemia levou a um surto de crescimento explosivo na indústria de semicondutores, o que colocou uma grande pressão nas cadeias de suprimento globais.

“Embora a indústria tenha tomado medidas para absorver os efeitos das restrições no curto-prazo, ainda pode levar alguns anos para o que o ecossistema supere a escassez de capacidade de fundição, substratos e componentes.”

Gelsinger havia dito ao The Washington Post, em uma entrevista em meados de abril do ano passado, que a escassez levaria “alguns anos” para se resolver e que planejava começar a produzir chips domesticamente, dentro de seis a nove meses, para resolver a escassez nas fábricas de automóveis dos EUA.

A Intel anunciou um plano de US $ 20 bilhões em março passado para expandir sua capacidade de fabricação, construindo duas fábricas no Arizona.

Planejamos expandir para outros locais nos EUA e na Europa, garantindo ao mundo uma cadeia de fornecimento de semicondutores sustentável e segura

Os planos da Intel desafiam diretamente as duas outras empresas no mundo capazes de fazer chips avançados – A Taiwan Semiconductor Manufacturing e a Samsung Electronics, da Coréia do Sul.

As duas passaram a dominar o negócio de fabricação de semicondutores, com o deslocamento de seu centro de gravidade dos Estados Unidos, onde grande parte da tecnologia foi inventada, para a Ásia, onde atualmente são fabricados mais de dois terços dos chips avançados.

Tendência vem para durar

Essa tendência de aumento dos preços dos produtos eletrônicos não vai parar. Os fabricantes por certo não estão dispostos a dar seus smartphones no prejuízo.

O déficit do mercado também contribui para essa inflação do preço. A alta vai continuar e, já a partir do segundo semestre deste ano, teremos que começar a nos acostumar com os novos patamares de preços dos smartphones, alertou o vice-presidente da fabricante indiana Realme, Xu Qi.

Ele disse que a escassez aguda de chips 5G – entre os quais as plataformas Snapdragon 870 e Snapdragon 888 – começou a ser sentida no início do ano. Também havia escassez de processadores 4G. Além disso, o executivo da Realme observou que houve um aumento nos preços de memória, componentes para carregadores e outras peças. Esses itens adicionaram cerca de 10% aos preços.

Tudo isso afetará inevitavelmente o custo dos produtos finais. Usuários em vários países já começaram a migração ativa para os dispositivos com suporte para redes de quinta geração. O crescimento da demanda por esses modelos também forçará seu preço para cima.

(*) O texto foi editado em 01/06 para correções tipográficas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s