Pare de Chamar Tudo de ‘Inteligência Artificial’!

Não existe na Neurociência uma Teoria Geral da Mente, que suporte de forma objetiva os esforços da engenharia para construir uma máquina que simule as funcionalidades do cérebro biológico. Não há sequer um esboço dessa teoria. Por esta razão, os sistemas de inteligência artificial geral ainda estão muito longe de ser avançados o suficiente para substituir os humanos em muitas tarefas envolvendo o raciocínio, o conhecimento do mundo real e a interação social.

A versão contemporânea da Inteligência Artificial é apenas um algoritmo, propriamente chamado de Aprendizagem de Máquina.

Sem dúvida eles têm mostrado competência de nível aparentemente humano em habilidades repetitivas de reconhecimento de baixo nível, mas no nível cognitivo eles estão apenas imitando a inteligência humana, obedecendo a um rígido algoritmo clássico; uma máquina eletrônica incapaz de qualquer pensamento, raso ou profundo, ou criatividade, diz Michael I. Jordan, um pesquisador líder em AI e aprendizagem de máquinas.

Jordan é professor no Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação, e do Departamento de Estatística, na Universidade da Califórnia, Berkeley. Ele ressalta que a imitação do pensamento humano não é o único objetivo da aprendizagem de máquina – o campo da engenharia de software que sustenta o progresso recente na busca da AI – ou mesmo o melhor objetivo. Em vez disso, a aprendizagem de máquina pode servir para estender a inteligência humana, via análise meticulosa de grandes conjuntos de dados, da mesma maneira que um mecanismo de busca aumenta o conhecimento humano organizando a Web. A aprendizagem de máquina também pode fornecer novos serviços aos seres humanos, em domínios como saúde, comércio e transporte, reunindo informações armazenadas em vários conjuntos de dados, encontrando padrões e propondo novos cursos de ação.

“As pessoas estão ficando confusas com o significado de AI nas discussões sobre tendências de tecnologia – existe uma noção de que há nos computadores algum tipo de pensamento inteligente responsável ​​pelo progresso, e que essa inteligência está competindo com os humanos”, diz ele. “Nós não temos isso, mas as pessoas falam como se tivéssemos.” Jordan deve saber. Afinal, o Fellow da IEEE é uma das autoridades líderes do mundo em aprendizado de máquina. Em 2016, ele foi considerado o mais influente cientista de computação por um programa que analisou publicações de pesquisa, informou a revista Science.

Jordan ajudou a transformar o campo da aprendizagem de máquina não supervisionada [que pode encontrar padrões e estruturas em massas de dados não indexados], de uma coleção de algoritmos não relacionados a um campo intelectualmente coerente. A aprendizagem não supervisionada desempenha um papel importante em aplicações científicas, especialmente onde não há dados uniformemente formatados sobre um problema (como o tráfego da Internet, por exemplo).

“Embora as extrapolações da ficção científica sobre AI e super inteligência sejam divertidas, elas são apenas uma distração “, diz ele. “Não tem havido foco suficiente no problema real, que é construir sistemas baseados em aprendizagem de máquina em escala planetária que realmente funcionem, ofereçam valor para os seres humanos e não ampliem as desigualdades.

Na íntegra em spectrum.ieee.org (em inglês)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s